Com
dois de Luciano, São Paulo bate Flamengo novamente e confirma vaga nas semifinais
Foto: Miguel Schincariol/São Paulo

O São Paulo está nas semifinais da Copa do Brasil. O Tricolor venceu bem o Flamengo pelo placar de 3 a 0 nesta quarta-feira (18) no jogo de volta da fase de quartas de final. No agregado, 5 a 1. Luciano (duas vezes) e Pablo marcaram no Morumbi. Luciano ainda teve outro gol anulado, e Vitinho perdeu um pênalti.

Era jogo decisivo e eliminatório de um confronto dos grandes. Além das camisas de peso, os dois times apareciam colados na ponta de cima da tabela do campeonato nacional, com os mesmos 36 pontos (São Paulo com três jogos a menos). Entretanto os cenários eram bem diferentes. O Tricolor havia vencido o jogo de ida no Maracanã por 2 a 1 e, portanto, classificava com um empate. E, pelo Brasileirão, estava invicto há 11 partidas.

Do outro lado, o Rubro-negro precisava vencer por um gol de diferença para levar aos pênaltis ou por dois para uma classificação direta. No Campeonato Brasileiro, não vencia há quatro rodadas (duas derrotas e dois empates). A equipe carioca tinha, ainda, muitos e importantes desfalques por conta de lesão, como Gabriel Barbosa. Durante a semana, a diretoria do Flamengo solicitou a troca da equipe de arbitragem por alegar que foi prejudicado pelo árbitro Wilton Pereira Sampaio em partida anterior, mas a CBF não acatou.

Estratégias

Fernando Diniz teve todos os jogadores da partida no Maracanã à disposição. Esquema tático: 4-4-2. No gol, Thiago Volpi. A zaga contou com Diego e Bruno Alves. Nas laterais, Juanfran pela direita e Reinaldo pela esquerda. O meio-campo tinha Luan e Daniel Alves mais recuados no primeiro combate e na transição; Gabriel Sara e Igor Gomes eram os responsáveis pela construção ofensiva. No ataque, Luciano saindo da área para buscar jogo e Brenner em fase goleadora.

Rogério Ceni não pôde contar com uma lista de jogadores: Gabriel Barbosa, Pedro, Rodrigo Caio, Filipe Luís e Thiago Maia machucados; Diego em recondicionamento físico. Arrascaeta voltou a começar entre os 11 titulares. Everton Ribeiro, que atuou pela seleção brasileira na terça-feira (17), ficou como opção no banco. Esquema tático: 4-2-3-1. Diego Alves no gol. Thuler e Léo Pereira formaram a dupla de zaga, enquanto Matheuzinho e Renê cuidaram das laterais. No meio-campo, Willian Arão e Gerson compuseram a dupla de volantes, dando o primeiro combate e iniciando as jogadas ofensivas; mais à frente, Vitinho na direita, Arrascaeta centralizado e Michael em velocidade na esquerda ficaram com as funções de construção e criação. E, mais isolado no ataque, Bruno Henrique ameaçando entre a ponta-esquerda e a grande área.

Rubro-negro incomoda na marcação alta, mas São Paulo ganha na eficiência

Precisando do resultado, o Flamengo logo chegou na área adversária com Bruno Henrique pela esquerda e, na sequência do lance, Vitinho pela direita. E a equipe carioca mostrou já nos primeiros minutos qual seria sua postura e principal característica ao longo de toda a etapa inicial: marcação alta, com muitos jogadores no campo de ataque, incomodando a saída de bola paulista.

O São Paulo tinha dificuldades para trocar passes no meio-campo, tanto por falta de compactação, quanto pela forte marcação adversária. Mas o Rubro-negro não tinha no setor defensivo a segurança do ofensivo, errando em saídas perto da própria área. Arrascaeta, o nome mais aguardado pela torcida para a partida, aparecia no meio-campo, posição de origem. Enquanto isso, Michael subia em velocidade pela esquerda. Aos 15 minutos, 57% de posse de bola e 1 a 0 em finalizações para o time da Gávea.

O jogo do São Paulo de Fernando Diniz é com bola no pé, porém a equipe não conseguia desempenhar por estar sendo bloqueada desde que a bola saía da grande área. O Tricolor tentava, então, passes longos sem sucesso. Até que, aos 22 minutos, gol anulado do São Paulo por impedimento de Reinaldo, que cruzou da esquerda para Luciano se jogar na bola e marcar. O time de Diniz não desistia e arriscava a saída de bola característica na troca de passes mesmo com a marcação postada do Flamengo ne frente da área paulista.

Mas o mandante também começou a morder na saída de bola adversária, só que com poucas peças. Aos 33, 5 a 1 em finalizações a favor do visitante, entretanto os goleiros ainda não haviam trabalhado. Daniel Alves passou a chamar o jogo e avançar, auxiliando na troca de passes no meio-campo. Indo para o fim do primeiro tempo, Vitinho e Michael inverteram suas posições. Do outro lado, Brenner se destacava conseguindo jogadas perigosas em velocidade. Na ida para os vestiários, 67% em posse, 8 a 2 em finalizações e 3 a 1 em chutes a gol, todos os números favoráveis ao Rubro-negro, porém mostrando quem estava com o pé mais calibrado.

Michael não voltou para a segunda etapa; Everton Ribeiro foi para campo. E, logo no primeiro minuto, Daniel Alves encontrou belo passe da intermediária para Luciano na área no meio da marcação, que dominou e chutou para balançar as redes e abrir o placar no segundo jogo, ampliando o agregado. O gol chegou a ser anulado pelo assistente por impedimento, mas foi validado pelo VAR.

O Flamengo, então, foi ainda mais para cima, mas parava na marcação postada do São Paulo na entrada da área. E o time da casa conseguiu ser eficiente mais uma vez. Aos dez minutos, Reinaldo cruzou, novamente, da intermediária, desta vez da esquerda, na cabeça de Luciano, que subiu sozinho entre os marcadores para fazer mais um. Aos 15, eram 67% de posse de bola e 10 a 4 em finalizações para a equipe carioca, mas igualdade em chutes no alvo: 3 a 3.

Até que, com 18 minutos, pênalti para o Rubro-negro. Willian Arão cabeceou na área, e Brenner subiu para marcar com os braços abertos, interceptando a bola. O VAR chamou o árbitro para a marcação da penalidade. Vitinho foi para a cobrança e isolou, desperdiçando o gol que daria ânimo ao time. Ceni sacou Thuler para a entrada de Pepê. O Tricolor passou a pressionar a saída de bola adversária na tentativa de matar o jogo de vez.

Arrascaeta estava apagado no segundo tempo, com posicionamento mais adiantado após a entrada de Everton Ribeiro do lado direito do meio-campo. Veio um pacote de substituições: Vitinho, Bruno Henrique e Arrascaeta deram lugar a Pedro Rocha, Lincoln e Lázaro, respectivamente. O Flamengo pressionava no ataque, porém faltava caprichar no último passe e na mira.

Diniz também mexeu: Luciano e Brenner saíram para as entradas de Pablo e Tchê Tchê, ou seja, nada de fechar a casa. E mais um gol veio. Aos 39 minutos, Arão tentou recuar para Diego Alves, mas Pablo estava no meio do caminho, pegou a bola, arrancou e driblou os adversários para fazer o 3 a 0. Fim de disputa. Ainda deu tempo de Igor Gomes, Gabriel Sara e Reinaldo darem vez a Vitor Bueno, Hernanes e Léo, nessa ordem. Volpi foi garantindo no gol quando necessário até o juiz apitar. Flamengo eliminado e São Paulo semifinalista da Copa do Brasil 2020. Números finais: 66% em posse e 17 a 8 em finalizações para o visitante, mas 6 a 5 em chutes a gol para o classificado.

Sequência na temporada

O classificado São Paulo encara agora o Grêmio em uma das semifinais da Copa do Brasil. Os dois jogos serão nos dias 23 e 30 de dezembro. O próximo compromisso do Tricolor é pelo Brasileirão contra o Vasco no domingo (22) às 16h em casa. Eliminado, o Flamengo volta a campo também pelo Campeonato Brasileiro no sábado (21) às 19h, quando recebe o Coritiba.

VAVEL Logo