Ceará
goleia em São Januário, deixa Z-4 para trás e afunda Vasco
Foto: Fausto Filho/Ceará

O Ceará venceu com autoridade o Vasco pelo placar elástico de 4 a 1 nesta segunda-feira (30) pela 23ª rodada do Brasileirão. Em São Januário, Pedro Naressi, Cléber, Saulo Mineiro e Vina marcaram pelo visitante, enquanto Ribamar apenas descontou pelo mandante.

Confronto direto para sair ou aumentar distância da indesejada zona de rebaixamento: assim era encarado o embate de alvinegros que fechava a rodada. Somente dois pontos separavam o Cruzmaltino na 17ª colocação, abrindo o Z-4, e o Vozão na 15ª. Dessa forma, uma vitória do mandante significaria deixar a zona e ultrapassar o próprio adversário, enquanto os três pontos permitiriam um salto do visitante na tabela. Pela competição, o Vasco não perde há três partidas, e o Ceará não vence há mais de um mês.

Estratégias

O auxiliar Alexandre Grasseli, que ainda substitui o técnico Ricardo Sá com Covid-19, teve o importante desfalque do artilheiro do time, German Cano, também por contaminação. Em compensação, Benítez pôde ficar à disposição no banco de reservas após recuperação da doença, assim como Ribamar, Fellipe Bastos, Tiago Reis e Ulisses.

Esquema tático: 3-5-2. Lucão no gol. Miranda, Leandro Castan e Ricardo Graça formaram o trio de zaga, enquanto Léo Matos na direita e Neto Borges na esquerda cuidaram das laterais. No meio-campo, Andrey e Léo Gil compuseram a dupla de volantes no primeiro combate e na transição ofensiva; mais à frente, Carlinhos ficava mais responsável pela construção. No ataque, Gustavo Torres subia pela direita, e Ribamar tomava conta da área como centroavante.

Guto Ferreira não pôde contar com Tiago Pagnussat e Fernando Sobral por suspensão (Klaus e Lima foram os escolhidos para reposição) e com William Oliveira por recuperação de cirurgia. Richard teve boa atuação no último jogo e continuou com a vaga. Esquema tático: 4-2-3-1. No gol, Richard. A zaga contou com Klaus e Luiz Otávio. Nas laterais, Samuel Xavier pela direita e Bruno Pacheco pela esquerda. O meio-campo tinha Fabinho e Pedro Naressi mais recuados na marcação, enquanto Lima, Vina e Léo Chu tinham as funções de criação e subida em velocidade. E, no ataque, Cléber centralizava na área.

Vasco não cria no meio-campo, e Ceará aproveita jogadas em velocidade

O início da primeira etapa teve o Ceará pressionando a saída de bola adversária, tentando aproveitar o fato de o Vasco sair tocando com três zagueiros. E, logo aos três minutos, roubada de bola no meio-campo, Vina encontrou belo passe para Pedro Naressi posicionado no meio da última linha de marcação vascaína, e o camisa 31 colocou para dentro na saída de Lucão, abrindo o placar no início do jogo.

Apenas três minuto depois, outra jogada muito parecida com a do gol, mas a marcação vascaína despachou desta vez. O Cruzmaltino tinha a posse da bola, como teria ao longo de toda a partida, rondava o campo de ataque, mas sem conseguir criar oportunidades. Do outro lado, Cléber perdia chances, mas madurava seu gol, e o Vozão estava mais perto do segundo que o Vasco do empate. Aos 16, eram 64% de posse para o time da casa, 2 a 2 em finalizações e 2 a 0 em chutes a gol para o visitante.

O mandante não tinha criação pelo meio. Mandava bola na área buscando Ribamar. Até que, aos 24 minutos, cruzamento da esquerda e Cléber apareceu entre os zagueiros na frente do gol para empurrar e balançar as redes, ampliando a vantagem ainda no primeiro tempo. O Vasco passou, então a acionar mais Torres na ponta-direita, que vinha ganhando do marcador e conseguindo escanteios.

Enquanto isso, o Ceará apostava no contra-ataque a partir de roubadas de bola no meio-campo. Para tanto, Vina era o responsável por puxar, e Cléber, por finalizar. Pela equipe carioca, Andrey tentava bons chutes de longe. Na ida para os vestiários, 6 a 5 em finalizações a favor do Vasco, porém 3 a 2 no alvo para os cearenses.

Ricardo Graça não voltou para o segundo tempo, dando lugar a Thiago Reis: fim do esquema com três zagueiros. Entretanto o jogo era o mesmo, com o Cruzmaltino permanecendo com a bola e estudando como chegar na área adversária, Ribamar sendo bem marcado (e, agora, Thiago Reis também recebendo perto do gol), e o Vozão de olho nos contra-ataques. Destaque para Vina desde a etapa inicial, roubando bola, puxando jogada de ataque, fazendo o último passe e, ocasionalmente, aparecendo na área.

No entanto, aos 17 minutos, pênalti a favor do Vasco: Luiz Otávio derrubou Ribamar, que ficaria cara a cara com Richard. O próprio camisa 9 foi para a cobrança e converteu, já aos 19, diminuindo o placar e dando ânimo ao time para uma possível reação. Logo após o gol, eram 70% em posse e 9 a 7 em chutes para o mandante; 4 a 4 no alvo, mostrando certa evolução vascaína.

Os técnicos, então, foram para uma série de substituições: Guto sacou Cléber, Léo Chu e Bruno Pacheco para as entradas de Saulo Mineiro, Kelvyn e Alyson respectivamente, enquanto Grasseli apostou em Benítez e Cayo Tenório nas vagas de Léo Gil e Léo Matos, deixando claro que queria ofensividade. Destaque também para Pedro Naressi desde o primeiro tempo, pisando bastante na área adversária, como quando marcou o primeiro gol.

E os substitutos entraram bem, com Kelvyn levando perigo ao gol do Vasco dentro da área, e Cayo Tenório dando trabalho à marcação do Ceará pela ponta-direita. E, aos 33 minutos, outra roubada de bola de Lima ainda na defesa, arrancada livre de marcação, Saulo, mais um substituto dando resultado, foi quem recebeu a assistência na área pela direita e marcou em forte chute cruzado: 3 a 1, deixando a equipe cearense tranquila novamente.

Carlinhos também saiu para a entrada de Juninho. Mas quem balançou as redes de novo foi o Vozão. Já com 43 minutos, marcação de pênalti para o Ceará após o VAR chamar o árbitro para revisão: Miranda derrubou Saulo Mineiro na área. Vina bateu e fez, fechando a goleada fora de casa. O autor do último gol ainda deu vez a Wescley, e Lima saiu para a entrada de Leandro Carvalho. Do outro lado, Ribamar deu lugar a Ygor Catatau. Mas fim de papo, e o Vasco seguindo mal como mandante. Números finais: 70% de posse de bola e 12 a 11 em finalizações a favor do time da casa, porém 6 a 4 em chutes a gol para o vencedor.

Classificação e próximos compromissos

Com o fim da sequência invicta, o Vasco continua na 17ª colocação com 24 pontos, um a menos que o Sport, primeiro time fora do Z-4. O próximo compromisso do Cruzmaltino é, novamente, em casa contra o Defensa Y Justicia pelo jogo de volta da Copa Sul-Americana na quinta-feira (3) às 21h30. Pelo Campeonato Brasileiro, visita o Grêmio no próximo domingo (6) às 16h.

Já o Ceará, com a goleada como visitante, saltou para a décima posição com 29 pontos, aumentando a distância até a zona de rebaixamento para cinco pontos. O Vozão volta a campo no próximo sábado (5) às 19h, quando visita o Bahia.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore
VAVEL Logo