Apesar de derrota para América, Jorginho exaltou atuação do Figueirense como "melhor do ano"
Foto: Patrick Floriani/Figueirense

Na noite desta quinta-feira, o Figueirense foi derrotado de virada por 2 a 1 para o América-MG, no Orlando Scarpelli, pela 29ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B, com gols de Matheus Neris para o Alvinegro e Rodolfo e Ademir para o Coelho. O resultado manteve o Figueira na 17ª colocação com 31 pontos.

Após cinco jogos invictos com três vitórias e dois empates, o resultado não aguentou a pressão com os desfalques por suspensão, lesões e Covid-19. No entanto, para o técnico Jorginho, a atuação da equipe diante do Coelho nesta partida foi a melhor na temporada.

“Acho que nós perdemos por conta das contusões e pela Covid-19. Continua o embate pela condição física. Um dia a mais de descanso já dá para ver a melhora. A motivação foi menor do que deveria ser. Demos uma baixada no final do primeiro tempo. Mas fiquei muito feliz com o que fizemos. Acho que foi a melhor partida que eu vi o Figueira jogar este ano. Perdemos para um time que é candidato ao título, montado desde o início do ano. Acho que o resultado é previsível, poderia acontecer e infelizmente aconteceu”.

O risco para o rebaixamento ainda é presente para o Figueira, pois o clube tem apenas nove rodadas restantes para o fim desta Série B. Entretanto, a evolução com o novo técnico é nítida e a torcida alvinegra clama pela renovação antecipada para a próxima temporada.

“Eu estou muito feliz. Acho que o Figueirense não merece e não deveria estar em uma situação destas. Os times catarinenses não merecem. SC merecia ter três times na Série A. Estou muito sossegado. O que for melhor para o Figueirense, a direção vai fazer. Vamos fazer sempre o melhor para o clube, e pela nossa vontade, vamos sempre fazer o melhor”.

Com os desfalques, Jorginho precisou encontrar soluções e, por isso, foi questionado sobre as mudanças feitas na equipe antes da partida contra o América-MG.

“Sabíamos que íamos ficar um pouco frágeis com a marcação. Não tinha mais ninguém. Tinha o Leo e o Guilherme. Escolhi o Leo por ser mais experiente. O gol deles não estava na nossa pauta, queríamos jogar no campo adversário e ficou mais difícil. Mas mesmo assim a gente criou e teve oportunidades. Perdi o melhor jogador no meio-campo que era o Nonato”.

Próxima partida

No próximo domingo (27), o Figueirense enfrenta o Guarani, às 18h15, no Brinco de Ouro, pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B.

VAVEL Logo