Palmeiras
segura América-MG, vence no Independência e está na final da Copa do Brasil 
Foto: Divulgação/Palmeiras

O Palmeiras está na final da Copa do Brasil 2020. No Independência, vitória pelo placar de 2 a 0 sobre o América-MG nesta quarta-feira (30) pelo jogo de volta da fase semifinal. No agregado, 3 a 1 para o time paulista (empate em 1 a 1 na ida em São Paulo). Luiz Adriano e Rony foram os autores dos gols classificatórios em Belo Horizonte, ambos na etapa final.  

O vencedor do confronto estaria, automaticamente, na grande final do segundo maior torneio nacional e com mais muitos milhões no bolso. Antes mesmo de entrar em campo, o Coelho já fazia história. Isso porque o clube buscava disputar uma final inédita na competição e vinha de campanha e performance surpreendentes.

Santos-AP, Operário-PR, Ferroviária-SP, Ponte Preta, Corinthians e Internacional foram os adversários que a equipe mineira já havia deixado para trás. No entanto, do outro lado, o Verdão também vinha embalado e motivado para duas semifinais seguidas (esta e pela Libertadores).

Estratégias

Lisca pôde contar com os retornos do goleiro Matheus Cavichioli e do atacante Felipe Azevedo após serem poupados no jogo anterior. O volante Zé Ricardo também pôde voltar depois de uma lesão. Esquema tático: 4-3-3. Matheus Cavichioli no gol. Messias e Anderson Jesus formaram a dupla de zaga, enquanto Daniel Borges e Sávio cuidaram das laterais.

No meio-campo, Flávio foi o jogador mais recuado no primeiro combate; mais à frente, Juninho e Alê ficaram responsáveis pela construção. No ataque, Ademir subia pela direita, Geovane pela esquerda, e o artilheiro Rodolfo centralizava tomando conta da área.

Abel Ferreira também teve voltas de importantes nomes poupados: o zagueiro Gustavo Gómez e e o atacante Rony. Porém Gabriel Veron ficou de fora por problema muscular. Esquema tático: 4-3-3. No gol, Weverton. Luan e Gustavo Gómez formaram a dupla de zaga. Nas laterais, Marcos Rocha pela direita e Viña pela esquerda.

No meio-campo, Danilo e Gabriel Menino compuseram a dupla de volantes, também na transição ofensiva; adiantado, Raphael Veiga foi o responsável pela criação na frente. E, no ataque, Rony ameaçava pela direita, Willian pela esquerda, enquanto Luiz Adriano marcava posição na área.

Equipes fazem primeiro tempo de pouca inspiração e qualidade técnica

Apesar da importância da decisão, a primeira etapa foi de muita marcação e passes errados e de pouca criatividade e finalização, principalmente correta. O América foi quem começou com atitude, como o dono da casa, rapidamente chegando na área adversária. Mas o Palmeiras logo postou sua marcação alta para equilibrar e depois tomar o ritmo do jogo.

A equipe paulista iniciou cedo aquela que seria outra característica do primeiro tempo: bola alçada na área, mais explorada por Viña pela esquerda.

O Coelho também passou a subir a marcação na saída de bola adversária. Aos 15 minutos, eram 59% de posse de bola para o visitante (número que pouco se alteraria até o intervalo), porém 2 a 1 em finalizações a favor do mandante.

O time de Lisca marcava bem na frente da área e conseguia bloquear jogadas centralizadas do Verdão. A partir dos 20, a equipe mineira recuou a marcação e deixou a paulista jogar no campo de ataque. Flávio precisou sair, precocemente, por lesão para a entrada de Zé Ricardo no meio-campo mandante.

Do outro lado, Raphael Veiga era participativo tentando orquestrar o ataque, mas não encontrava o último passe. A partida era de muitos passes errados ofensivamente, por parte de ambos. Os minutos finais foram de pressão do América no ataque, mas cruzando na área, sem muita capacidade de construção de jogada.

Apenas aos 45, o primeiro chute a gol do jogo, de Willian dentro da área para defesa de Matheus. Números parciais: 4 a 3 em finalizações para o mandante, mas 1 a 0 no alvo para o visitante.

Rony é decisivo no segundo tempo e garante vitória

Geovane não voltou dos vestiários, sendo substituído por Felipe Augusto, de postura mais ofensiva. Como no primeiro tempo, o Coelho começou tentando se impor no setor ofensivo. Entretanto, desta vez, permaneceu com relativa superioridade por boa parte da etapa final, apesar de continuar dando pouco trabalho a Weverton.

Ademir arriscava finalizações da entrada da área. Pelo lado palmeirense, Rony alternava entre as pontas direita e esquerda, mas pouco conseguindo produzir e ser eficiente.

Até que o Palmeiras recuou por completo, até com seus atacantes. E, então, veio uma sequência de finalizações do América, com uma delas surgindo a partir de roubada de bola na intermediária, aproveitando o momento de certo desânimo paulista. Juninho aparecia mais no ataque mineiro, com passe e conclusão dentro da área. As roubadas de bola do time da casa tornaram-se frequentes, servindo também para manter a equipe no campo de ataque.

Abel, então, resolveu mexer: Willian, Raphael Veiga e Gabriel Menino deram lugar a Gustavo Scarpa, Lucas Lima e Patrick de Paula. Com 17 minutos, 54% em posse a favor do visitante (novamente, pouco mudaria até o apito final), porém 10 a 5 em chutes e 2 a 1 a gol para o mandante, evidenciando de quem estava sendo a atuação superior.

Foi quando os substitutos do Verdão passaram a fazer a diferença na frente após entrarem com vontade. E, aos 23, Rony puxou pela direita, fez o passe para Luiz Adriano centralizado na entrada da área, e o camisa 10 chutou rasteiro no canto de Matheus, com direito a bola entre as pernas do marcador, para abrir o placar e deixar o Palmeiras na frente pelo agregado.

Foto: Divulgação/Palmeiras
Foto: Divulgação/Palmeiras

O Coelho sentiu o gol, ficando menos com a bola e subindo com menor intensidade até a área adversária. Autor do único gol até então, Luiz Adriano deu vez a Mayke. Lisca, que agora precisava correr atrás do resultado, também optou por trocas: Rodolfo, Daniel Borges e Alê saíram para as entradas de Vitão, Marcelo Toscano e Calyson.

No entanto, aos 39, cobrança de falta pela esquerda, como um escanteio curto, Mayke cabeceou para ótima defesa de Matheus no reflexo, mas Rony empurrou para dentro no rebote, ampliando a vantagem. Uma assistência e um gol na decisão.

O América tentou uma reversão até o fim, mas sem perigo. Fim de papo e Palmeiras classificado. Números finais: 14 a 11 em finalizações para o mandante, mas 4 a 2 no alvo a favor do vencedor.

Classificação e próximos compromissos

Classificado, o Palmeiras encara o Grêmio na grande final da Copa do Brasil, que acontece apenas em fevereiro (jogos de ida e volta previstos para os dias 3 e 10).

O Verdão volta a campo no próximo dia 5, terça-feira, quando tem outra decisão, desta vez pela semifinal da Copa Libertadores, contra o River Plate fora de casa às 21h30. Já o próximo compromisso do América-MG é no dia 2 de janeiro, sábado, às 21h fora de casa contra o Guarani pela série B do Campeonato Brasileiro.

VAVEL Logo