Cuca celebra momento do Atlético após vitória na semifinal do Mineiro: "Dias de paz"
Foto: Pedro Souza/Atlético-MG

O Atlético-MG venceu o Tombense, por 3 a 0, neste sábado (1), no Independência. O duelo foi válido pela ida das semifinais do Campeonato Mineiro. Com o resultado, o Galo aumentou ainda mais a vantagem na disputa por vaga na final. Em entrevista após a partida, o técnico Cuca comemorou o triunfo.

Eu diria que ganhei dois dias de paz. Domingo e segunda. Terça (contra o Cerro Porteño, pela Libertadores) tem de provar de novo. Se não der certo na terça, vocês vêm no meu pescoço de volta. Sei que minha vida é assim. E não me queixo” disse Cuca.

No segundo tempo, o goleiro Everson cometeu um pênalti e foi expulso. O goleiro reserva, Matheus Mendes, saiu do banco de reservas e defendeu a cobrança. Também fez outras boas defesas durante a partida.

Ficamos muito felizes com a entrada do Matheus (Mendes). Lógico que não era como desejávamos. Perdemos o goleiro expulso no momento que o jogo estava controlado. Tivemos mais uma vez o erro, fomos penalizados com essa penalidade. O Matheus pegou tanto um pênalti, como uma rebatida. Depois fez grandes defesas. É um menino que foi emprestado ao CSA, fez grande campeonato”.

E completou: “Aí a importância de sair para jogar, pegar bagagem, fazer um vestibular fora e voltar já concursado. Então, a gente fica muito feliz. Apesar de ter perdido o Rafael, que é uma perda enorme, a gente está bem servido de goleiros com o Matheus também”.

Tchê Tchê começou a partida entre os titulares e falhou mais uma vez na partida. No entanto, Cuca afirmou que o jogador é importante para a construção de jogadas. O treinador também garantiu que esses erros não vão acontecer mais.

Não tem preservação nenhuma. Tem cobrança em cima do jogador. Lógico que você não vai expor ninguém, vai cobrar internamente, para que eles vão melhorando. E com ele também vai acontecer isso”.

Em seguida, Cuca frisou que ninguém é mágico de implementar uma nova forma de jogo em apenas um mês. O treinador chegou ao clube após a saída de Jorge Sampaoli, no fim do Campeonato Brasileiro.

Hoje sinto deles mais de confiança, mais sabedores com a maneira que eu trabalho, gosto, é deles terem mais liberdade, poderem participar mais do jogo, não serem tão posicionais, como o Sampaoli era. Não se trata de ser melhor ou pior, se trata de ter um estilo diferente, que eu gosto, com os pontas flutuando por dentro, como o Keno fez na terça-feira. Como o Savarino estava dando passe no grande círculo para o Nathan deixar o Hulk em condição. Leva tempo para fazer esses encaixes. Quando vem explicar na derrota, não dá tempo, porque é muita cobrança. Na vitória, tem tolerância maior. Por isso, é sempre bom ganhar” encerrou.

Agora o Atlético-MG volta suas atenções para a Libertadores. Já que recebe o Cerro Porteño, na próxima terça-feira (4), no Mineirão, às 19h15, pela terceira rodada da competição. O Galo é o segundo colocado do Grupo H, com quatro pontos.

VAVEL Logo