Mozart assume culpa por falha no
sistema defensivo do Cruzeiro: “Triste comigo mesmo”
Foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro

Na noite desta quarta-feira (30), o Cruzeiro empatou com o Guarani, em casa, por 3 a 3, pela oitava rodada da Série B 2021. Os gols foram marcados Thales (contra), Matheus Barbosa e Léo Santos, pelo lado do Cabuloso, e Bruno Sávio (2) e Régis, para o lado do Bugre.

Na coletiva pós-jogo, o treinador do Cruzeiro, Mozart tratou o resultado como um 'golpe'.

"Não tem tempo para lamentar. Estamos tristes pelo empate, jogo duro, adversário que tem jeito definido de jogar e nos trouxe problemas. É absorver o golpe e trabalhar para vencer no sábado".

Além disso, o treinador falou muito também da questão do equilíbrio entre o ataque e a defesa. O Cruzeiro, atualmente possui o melhor ataque (13 gols feitos) e a pior defesa (16 gols sofridos) da competição. A questão defensiva é uma crítica de torcedor há muito tempo, e Mozart assume culpa nesta questão.

“Não é o resultado que queríamos, pode ter certeza disso. Encontra esse equilíbrio não está sendo tarefa fácil, por vários motivos, não conseguimos repetir formação, quantidade de jogos, pouco tempo para treino. Mas é minha função encontrar esse equilíbrio, e ajustar. E saio triste comigo mesmo, principalmente pelos três gols sofridos e cabe a mim, como treinador, encontrar soluções para este equilíbrio.”

Na segunda etapa, Mozart tirou Marcinho, que vinha o jogador de mais criação pelo lado do Cruzeiro, para entrada do Rômulo. Na coletiva, Mozart foi perguntado sobre essa mudança e não teve vergonha em admitir o erro.

"Não tenho problema algum em assumir quando eu erro. Na minha opinião, não pela entrada do Rômulo, que entrou bem, mas pela saída do Márcio. Deveríamos ter feito outra troca, mas é tarde, o jogo acabou e vamos ver o que o próximo jogo irá pedir".

“A troca por Marcinho e Rômulo era para entrar um (camisa) 8 mais fresco. Mas confesso que, não pela entrada do Rômulo, ele entrou bem. Mas a responsabilidade é minha, não deveria ter tirado o Márcio. Principalmente pela questão da bola parada. O Márcio é um jogador importante e eu tenho que achar uma fórmula dele produzir não só nas bolas paradas, mas bola rolando também” – completou o treinador.

O Cruzeiro volta a campo neste sábado (3), pela nona rodada da Série B, contra o Brasil de Pelotas, fora de casa, às 19h. A Raposa ocupa apenas a 14ª colocação na Segundona, com oito pontos.

VAVEL Logo