Com boa vantagem, CSA mede forças contra Parnahyba para avançar na Série D

Azulão do Mutange pode até sofrer derrota simples que garante vaga nas oitavas de final da competição nacional; jogo promete casa cheia

Com boa vantagem, CSA mede forças contra Parnahyba para avançar na Série D
(Foto: Wellington Martins/Ascom CSA)
CSA
Parnahyba
CSA: Jeferson; Denílson, Leandro Souza, Douglas Marques e Rafinha; Panda, Éverton Heleno, Washington, Cleyton e Jeferson Maranhense; Katê. Técnico: Oliveira Canindé.
Parnahyba: Fábio; Thiago Granja, Gilmar Batista, Allan Rosário e Rian; Ramon, Idelvando, Márcio Tarrafa, Capela e Augusto; Fabiano (Cassiano). Técnico: Fernando Tonet.
ÁRBITRO: Caio Max Augusto Vieira (RN), auxiliado por Jean Márcio dos Santos (RN) e Vinícius Melo de Lima (RN)
INCIDENCIAS: Partida a ser realizada no Estádio Rei Pelé, em Maceió/AL, às 16 horas deste domingo (31). Confronto válido pela segunda fase do Campeonato Brasileiro da Série D 2016.

Pela quarta vez em dois meses, CSA e Parnahyba disputam um jogo pelo Campeonato Brasileiro da Série D. Na tarde deste domingo (31), às 16 horas, no Estádio Rei Pelé, em Maceió/AL, uma das equipes dá adeus à competição nacional e encerra a temporada. Outra segue em busca da realização do sonho de disputar a Série C em 2017.

Os times disputam o segundo confronto da segunda fase. No primeiro jogo, o Azulão do Mutange venceu por 2 a 1 e obteve uma excelente vantagem com o resultado positivo. O time pode até sofrer uma derrota simples que segue no Brasileiro. Aos piauienses restam a vitória por dois gols de diferença ou por um gol, desde que seja acima de 3 a 2. Vitória do Tubarão por 2 a 1 leva a disputa às penalidades máximas.

A expectativa é que o Estádio Rei Pelé esteja cheio. A diretoria do CSA lançou uma promoção no começo da semana a qual dá direito aos sócios-torcedores levarem um acompanhante, desde que esteja de azul e/ou branco. Com casa cheia, os alagoanos mostram estar confiantes em seguir na Série D.

Sem referências no ataque, Canindé mantém esquema tático

O resultado conquistado no domingo passado (24) foi excelente. A primeira vitória sobre a equipe piauiense veio na hora certa e a vantagem é considerável para o segundo confronto. O time quebrou jejuns e tabus de ser o primeiro time de Alagoas a vencer no Piauí, além de encerrar um tabu de não vencer partidas eliminatórias no Brasileiro desde 2002.

Apesar de tudo estar favorável ao clube do Mutange, a cautela está presente no time. Durante os treinamentos da semana, o técnico Oliveira Canindé afirmou que nada está ganho e que o jogo dentro de casa é fundamental para obter mais um resultado positivo.

Para o confronto ante Parnahyba, o CSA tem desfalques no setor ofensivo. Os dois jogadores de referência não poderão jogar. Marcelo Nicácio ainda não se recuperou de lesão sofrida no encerramento da fase de grupos, enquanto Jônatas Obina cumpre suspensão automática depois de receber o terceiro cartão amarelo. A boa notícia fica por conta de Didira. O meia foi relacionado pela primeira vez após voltar ao Azulão e se recuperar de dengue.

O técnico Oliveira Canindé destacou que, embora mude as peças no ataque de modo forçado, espera que o time titular atue dentro das expectativas, uma vez que o esquema tático não será modificado e que todos têm ciência do que precisam fazer no gramado.

"Eu espero que a gente possa se superar, fazendo o nosso melhor, com entrega, com disposição, surpreendendo o adversário e fazendo o que somos capazes de fazer. Espero não sentirmos falta de ninguém. Acredito que a nossa equipe é uma boa equipe independente de quem jogue, basta que nós correspondamos às expectativas de todos. Tem que ser competitivo, não tem como. Tem que entrar e se impor, fazer a sua parte, mostrar o porquê de ser contratado, o porquê de fazer parte do elenco que luta para recolocar o CSA num lugar que ele deveria estar e jamais ter saído", explicou o treinador azulino.

Confiantes em buscar um resultado histórico

A situação do Parnahyba não é fácil. A pior hipótese aconteceu para os piauienses ao serem derrotados dentro de casa. Ficou mais difícil ao Tubarão buscar a vaga na terceira fase, mas a confiança em reverter o panorama é evidente no grupo e o time mostra disposição em surpreender longe de seus domínios. Além disso, o técnico Fernando Tonet encontra dificuldades para definir o time que vai entrar em campo no Estádio Rei Pelé.

O zagueiro Marcos Gasolina cumpre suspensão automática ao receber o terceiro cartão amarelo. O volante Luciano e o atacante Fabiano sentiram dores nos treinamentos realizados durante a semana e podem ser desfalques. A tendência é que Allan Rosário, contratado recentemente, estreie com a camisa do Parnahyba. Nas outras posições, o comandante ainda mostra confiança em contar com as peças consideradas importantes do elenco. Diante desse panorama, Fernando Tonet faz mistério sobre a escalação, mas afirma que a postura ofensiva vai ser mantida, até porque não há outro jeito de buscar a classificação.

"Nada confirmado. Os dois têm a possibilidade de jogar, mas vai depender da forma como o time vai jogar e da recuperação deles. Não existe outra postura para esse jogo que não seja ofensiva. Precisamos vencer, precisamos fazer gols. Então, quanto mais ofensivo jogarmos, melhor. Mas não podemos desorganizar taticamente na parte defensiva, pois vai ficar mais difícil ainda. Vou procurar manter o mesmo esquema de jogo, que a equipe vem se comportando bem, com exceção desse primeiro tempo que fizemos contra o CSA, que não gostei. A única dúvida é se vou iniciar com três meias ou um volante. Ou tirando um dos meias e fazendo uma linha de três atacantes. Estou organizando ainda", revelou Tonet.