Movimentado do início ao fim, clássico entre Vila Nova e Atlético-GO termina sem gols

Dragão, no primeiro tempo e Vila, no segundo, empataram também em bolas na trave, com uma para cada lado

Movimentado do início ao fim, clássico entre Vila Nova e Atlético-GO termina sem gols
Foto: Divulgação/Atlético-GO
Vila Nova
0 0
Atlético-GO
Vila Nova: Saulo, Maguinho (Jefferson Feijão), Guilherme Teixeira, Vinícius Simon, Roger; Fagner, Geovane, Victor Bolt, Everton (Marcelo Cordeiro); Moisés, Patrick (Fabinho). Técnico: Guilherme Alves
Atlético-GO: Klever, Matheus Ribeiro, Marllon, Lino, Romário; William Schuster (Luiz Fernando), Pedro Bambu, Jorginho (Silva), Magno Cruz; Gilsinho (Lucas Crispim), Júnior Viçosa. Técnico: Marcelo Cabo
ÁRBITRO: Heber Roberto Lopes (SC). Auxiliares: Kleber Lucio Gil (SC) e Carlos Berkenbrock (SC). Amarelos: Lino (Atlético-GO), Romário (Atlético-GO) e Jorginho (Atlético-GO).
INCIDENCIAS: Partida válida pela 23ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro 2016, realizada no estádio Serra Dourada, em Goiânia-GO.

Não era filme, mas teve "O Tigre e o Dragão" na tarde deste sábado (3) pela Série B do Campeonato Brasileiro 2016. No Serra Dourada, em Goiânia, Vila Nova, o Tigrão, e Atlético-GO, o Dragão, empataram sem gols. Um placar que traduziu perfeitamente o que foi a partida: equilíbrio de ações e falta de pontaria, com direito a uma bola na trave de cada lado.

Com o empate, Vila e Atlético caíram de posição. O Tigrão agora é o 11º, com 30 pontos e o Dragão desceu para a terceira colocação, com 39 pontos. Mesma pontuação do segundo colocado, Brasil de Pelotas, porém, uma vitória a menos. Na próxima rodada, o Atlético-GO recebe no Serra Dourada o Luverdense, terça-feira (6), às 19h30 e o Vila Nova vai até Maceió/AL encarar o CRB no sábado (10), a partir das 21h.

Trave de lá...

Era duelo de um postulante a vaga na Série A contra um time lutando para fugir do rebaixamento. Falando assim, parece claro quem é quem. Mas, com a bola rolando, as posturas se equilibraram, a ponto de isso se confundir. O Atlético até criou, com Júnior Viçosa e Jorginho incomodando a defesa vilanovense, mas a grande chance dos primeiros 15 minutos foi do Vila. Maguinho cruzou da direita, Moisés, isolado na pequena área, completou de cabeça e Klever espalmou, no reflexo, para escanteio.

O lance deu um susto no Atlético. Patrick atormentou a defesa rubro-negra com duas boas assistências, uma aos 17 para Moisés finalizar pela linha de fundo e outra aos 20 para Maguinho quase achar o centro avante do Vila na área. Somente aos 25 minutos, o Dragão reapareceu no ataque, com dois cruzamentos sem direção de Victor Bolt e Romário. Aos 29, em cobrança de escanteio, finalmente um cruzamento acertado, no qual Júnior Viçosa mandou para fora.

Após a parada técnica, o jogo deu uma esmorecida. A água gelada esfriou a correria do Vila e permitiu ao Atlético uma maior aproximação da meta adversária. Aos 37 minutos, uma chance claríssima. Júnior Viçosa recebeu passe na grande área, cara a cara com Saulo, girou e bateu. O goleiro colorado pegou no reflexo e a bola ia em direção ao gol e Gilsinho ia completando, mas Maguinho mergulhou e tirou em cima da linha.

O rubro-negro achou o caminho e, impondo o último susto da primeira etapa, aos 45, Magno Cruz rolou para Viçosa, em meio a defesa, mandar no travessão, mantendo o placar zerado.

Trave de cá!

O segundo tempo iniciou parelho e sem chances que realmente causassem frisson no torcedor colorado e no rubro-negro. Na base da bola parada, o Vila chegou duas vezes. Marcelo Cordeiro, uma vez de falta e outra em um escanteio, tentou achar seus companheiros na área, mas a defesa atleticana tirou a bola nos dois lances. Apenas depois dos 15 minutos, o Dragão apareceu com a bola no campo de ataque.

Truncada no meio-campo, a partida perdia a intensidade em lances e ganhava em virilidade, com muitas disputas e lances faltosos, mas nada muito ríspido. Apenas na base das faltas sofridas a bola chegava perto de algum dos gols. No minuto 22, alguém resolveu construir um lance de perigo. Lançamento vindo da área central do gramado para Júnior Viçosa, tal qual no primeiro tempo, ficar de frente para o gol do Vila, desta vez, mandando para fora.

Aos 32 minutos, com maior posse de bola, o Tigrão empatou a partida no quesito bola na trave. Moisés, em belo lance individual, passou por seu marcador e chutou de fora da área. A bola passou pelo goleiro Klever, quicou no gramado e bateu no poste esquerdo. Um pecado para um lance tão bonito. Acuado em seu campo de defesa, o Atlético assistiu a pressão vilanovense, usando da cera para tentar esfriar o adversário.

Nos acréscimos, na última chance do Tigrão, falta levantada em direção a área que Klever espalmou, salvando o ponto do Atlético, que acabou saindo no lucro.