Zimmermann valoriza empate com Paysandu: "Grande segredo do Brasil é tentar pontuar sempre"

Técnico do Xavante aprova postura da equipe em Belém e considera igualdade como ponto conquistado na briga pelas primeiras posições da Série B

Zimmermann valoriza empate com Paysandu: "Grande segredo do Brasil é tentar pontuar sempre"
Foto: Henrique König / VAVEL Brasil

O Brasil de Pelotas foi a Belém do Pará e saiu de campo com um empate diante do Paysandu. Foi a quinta partida seguida fora de casa sem derrota, com três vitórias e duas igualdades. O Xavante é o terceiro colocado com 40 pontos, perdeu a chance da liderança, pode sair do G-4, mas comemorou o ponto somado na distante região Norte do país.

Foi esse o discurso dos jogadores ao irem para o vestiário, como por exemplo o goleiro Eduardo Martini, um dos destaques da campanha na Série B.

Rogério Zimmermann esteve em acordo com os atletas. Valorizou o ponto pelo adversário grande que é o Paysandu, citou jogadores de qualidade como Tiago Luís e analisou a partida da seguinte forma:

"Sabíamos de uma pressão grande do Paysandu no início. Fomos efetivos em um dos primeiros ataques. No segundo tempo, controlamos melhor o jogo e acho que isso que é importante, somarmos pontos. Agredir também o adversário, não apenas se defendendo e eu gostei da postura da equipe."

Pela campanha de destaque na Série B, Zimmermann costuma ser enfático. Afirma que o Xavante pensa jogo a jogo e não com grandes projeções no campeonato.

"O grande segredo do Brasil é tentar pontuar em todas as partidas", disse Rogério, que citou partidas em que o Brasil conseguiu se sobressair ou segurar os rivais. "Nós jogamos contra um adversário forte, com uma torcida que o fez crescer. Nós saímos de uma temperatura muito fria, mas o pessoal se adaptou muito bem. Veio o desgaste. O Paysandu nós vimos que é uma boa equipe, e pode engrenar a qualquer momento."

Questionado sobre a grande oportunidade perdida pelo meia Marcão, que entrou no lugar de Ramon na etapa final, Rogério valorizou a chance criada, voltou a comentar a criação de jogadas e não apenas a postura defensiva do time fora de casa.

"O futebol é mais feito por gols errados, caso contrário, eu digo, o jogos terminariam 5 a 4. Acho que o Marcão fez bem, bateu cruzado, como deveria bater e eu valorizo isso, da oportunidade. Não ficamos apenas nos defendendo ou dando balão. Gostei da parte de agredir, de tentar buscar a vitória. Era importante. Se o adversário ataca e tu não respondes, ele ganha confiança, acaba te jogando para trás. Então responder foi importante para esse empate."

O Brasil sai de Belém do Pará para rumar ao Mato Grosso, onde enfrenta o Luverdense, no município de Lucas do Rio Verde, na terça-feira (13), às 21h30.