Especial quartas de finais Série C: Botafogo-PB, para representar a Paraíba na segunda divisão

Belo tem a chance de enfim de participar da Série B, onde não esteve tão perto dela desde 2003

Especial quartas de finais Série C: Botafogo-PB, para representar a Paraíba na segunda divisão
Foto: Edição de arte/ VAVEL Btasil

Restam apenas dois jogos para a tão sonhada vaga na Série B do Campeoanto Brasileiro. Mais quatro partidas possíveis se quiser o título da terceira divisão. A decisão é fora de casa - muito longe, inclusive, mas o Botafogo-PB tem totais chances de conseguir uma das quatro vagas para a segunda divisão do campeonato. O adversário será o Boa Esporte. Os duelos das quartas de finais serão nos dias 30 de setembro e 9 de outubro. O último time de Paraíba a chegar na segunda divisão foi o Campinense, em 2009.

O Belo chegou na terceirona em 2014, após derrotar o Juventude na finalíssima da Série D em 2013. Em 2014, a equipe passou boa parte da competição brigando na parte de baixo da tabela mas cresce há tempo de escapar da 4° divisão antes da última rodada. Em 2015, o time pouco empolgou o torcedor e jogou apenas o básico para manter-se na divisão. No primeiro semestre, o Bota foi vice-campeão do Campeonato Paraibano e parou na primeira fase da Copa do Nordeste.

Campanha: impressionante no início que perdeu gás na reta final, mas sem tirar vaga

Nas cinco primeiras rodadas, o Botafogo perdeu apenas na estreia para o Salgueiro, em Pernambuco. Foram dez pontos anotados de quinze possíveis. Durante as apresentações, o Botafogo foi uma equipe irregular fora de casa e dominante nos seus aposentos. Em nove partidas atuando em João Pessoa, foram sete vitórias, um empate (para o Fortaleza) e apenas uma derrota, para o América de Natal, que acabou rebaixado para a quarta divisão. No geral, foram sete vitórias, sete empates e apenas quatro derrotas.

O time paraibano sempre ficou dentro ou próximo do G-4 e correspondia em campo. Apesar do ataque anêmico, anotando 19 gols em todos os 18 jogos - foi o segundo pior dos oito que avançaram para a segunda fase, a equipe teve na defesa sua fortaleza, sofrendo apenas 13 tentos e em números foi a defesa menos vazada do grupo A. Em nenhuma partida, a equipe do Botafogo marcou ou sofreu mais de dois gols. No Almeidão, o placar de 2 a 0 ao seu favor foi repetido quatro vezes.

Destaques do Belo

O Botafogo foi uma das equipes que mais repetiu as escalações durante as dezoito rodadas da Série C. Em todas áreas do campo, tem pelo menos um atleta com mais de 50% de jogos iniciados como titular. Na parte defensiva, o goleiro Michel Alves atuou todos os duelos e foi responsável direto por boa parte dos resultados positivos do tricolor paraibano. O goleiro, com passagens pelo Juventude, Internacional, Vasco e Ceará, chegou em João Pessoa no início do ano e não deu chances para outros arqueiros do time, chegando ser o líder do time.

O zagueiro Marcelo Xavier e o lateral esquerdo Jefferson Recife são consideradas peças fundamentais no esquema do comandante Itamar Schulle e, junto com o primeiro volante Djavan, são polivalentes e formam uma defesa sólida que não compromete os resultados da equipe.

No setor ofensivo, Rodrigo Silva é o principal nome. O centroavante, que teve boas passagens por Figueirense e ABC, chegou ao time neste ano e atuou em treze partidas, marcando seis dos 19 gols da equipe na competição. Diogo, vice-artilheiro do Belo com cinco gols, também é considerado titular de Itamar e acende a chama do torcedor com boas jogadas pelo lado esquerdo. Além deles, o experiente Warley é uma aposta que vem do banco de reserva. O veterano, que já teve passagem pela seleção brasileira, pode ser usado nos duelos decisivos contra o Boa.

Schulle tentará provar que pode ser comandante de sucesso

No início de novembro do ano passado, o Botafogo anunciou o que já era esperado, que o treinador na temporada de 2016 seria o catarinense Itamar Schulle. O comandante, de 49 anos de idade, é conhecido pelo torcedor pessoense, já teve a oportunidade de comandar o Belo em 2010, mas não obteve sucesso e voltou para a região sul do país.

Aliás, Itamar fez sua carreira quase que inteira na região sul. Nove deles em Santa Catarina, onde já treinou Figueirense, Chapecoense, Criciúma e Avaí. No Paraná e Rio Grande do Sul, comandou Brasil de Pelotas, Novo Hamburgo e Rio Branco. Itamar também teve passagens rápidas no futebol paulista, no São Carlos e Santo André.

Mas foi no Operário de Ponta Grossa que obteve seu melhor trabalho. Em 2015, o técnico foi campeão paranaense com o "Fantasma" sobre o Coritiba e esteve a uma fase de subir a equipe para a Série C, porém foi eliminado pelo Remo. Mesmo assim, não deixou de ser reconhecido pela torcida e saiu pela porta da frente do alvinegro paranaense.

No Belo, desde o início do ano, Itamar é um ponto fora da curva e é um dos poucos técnicos no Brasil que permanece em seu cargo desde o início da pré temporada. Pelo Botafogo, faz questão de mostrar qualidade em montagem do sistema defensivo e, mesmo com o Botafogo tendo poucos nomes de mairo peso no meio campo e no ataque, consegue manter bons jogos, mesmo usando de rodízio nas posições do meio para frente. Agora, quer enfim seu primeiro acesso em divisões a nível nacional.

Expectativas

Apesar de fazer o segundo duelo das quartas em Varginha, o Botafogo pode ser considerado o favorito, principalmente por fazer ótimas partidas em casa e contar com apoio da torcida, uma das melhores médias na Série C em 2016. Em 2016, o Belo vive realidade diferente de outros anos, onde contava com investimento maior em atletas mais renomados, com altos salários, mas que correspondiam pouco em campo. Neste ano, mais operários em campo, dispostos a cumprir o papel tático imposto por Itamar Schulle, está obtendo mais sucesso que as estratégias anteriores. Para classificar-se no entanto, precisa esquecer a primeria fase, quando saía da Paraíba e fazia jogos abaixo da média, sem vencer sequer uma partida em nove disputadas.