Quatro equipes seguem pelo título do Campeonato Gaúcho de Futebol Feminino

Pelotas, Black Show, Atlântico de Erechim e Canoas buscam conquista da competição do Rio Grande do Sul

Quatro equipes seguem pelo título do Campeonato Gaúcho de Futebol Feminino
Pelotas é um dos times classificados.Foto: Divulgação/Esporte Clube Pelotas/Phoenix

O Campeonato Gaúcho de Futebol Feminino chega à fase semifinal. Os quatro clubes, de diferentes regiões do estado, são os mesmos semifinalistas da edição anterior. O Pelotas/Phoenix enfrenta o Black Show, com primeiro jogo em Guaíba, no dia 9 de outubro. A decisão da volta, na Boca do Lobo, é na semana seguinte, no dia 16. Já o Atlântico de Erechim encara o Canoas.

O Pelotas foi o primeiro time a garantir vaga entre os quatro melhores da competição organizada pela Associação Gaúcha de Futebol Feminino. Em casa, a equipe áureo-cerúlea venceu o Cruzeiro por 2 a 0 e manteve a boa campanha no torneio. O público não passou de 167 pagantes e a expectativa é de maior apoio na fase decisiva do estadual.

Atual campeão, o Canoas/Duda aplicou uma sonora goleada de 7 a 0 sobre o Esporte Clube Ijuí, também em jogo único. Um dos destaques do Canoas é a meio-campista Karina, ex-jogadora da seleção brasileira.

Já o Atlântico de Erechim, atual vice, foi além no placar. Conseguiu vencer por 13 a 0 na partida contra o Sapucaiense e selar classificação à fase semifinal. O Black Show de Guaíba foi o último classificado do mês de setembro. O embate foi diante do Rio Grande. A vitória do Black Show veio somente nos pênaltis, com o marcador de 5 a 3.

Em 2015, o Canoas passou pelo Black Show e o Atlântico venceu o Pelotas nas semifinais. Na grande decisão, a ida em Erechim terminou empatada por 2 a 2. No jogo de volta, o Canoas sagrou-se campeão ao bater o Atlântico por 2 a 0. Portanto, a semifinal do Campeonato Gaúcho tem certo clima de revanche, quando estão frente a frente as finalistas da edição passada.

A meio-campista Anelise é uma das melhores jogadoras do Atlântico de Erechim. Natural da cidade de Sarandi, ela tem 25 anos e passagem por diversos clubes do futsal e do futebol feminino. Atuou no Chimarrão, no Estância Velha, no Santos, no Gol de Bico, no São Miguel, no Juventude, no Caxias, Dionísio Cerqueira e São José do Cedro. No Atlântico, ela é remanescente do vice-campeonato gaúcho de 2015.

Divulgação / Atlântico de Erechim

Ela conta as receitas para buscar a conquista nessa nova oportunidade: “Este ano o time está mais focado. Temos alguns bons reforços. Não podemos errar nos detalhes que pecamos no ano passado para poder sair com o título”.

Questionada sobre as virtudes do elenco de Erechim, Ane enfatiza: “A união que nosso grupo tem é um diferencial e tanto. Nosso grupo não tem estrela, entende? O coletivo se sobressai sempre. Nós não temos tempo para treinar o quanto gostaríamos, mas a raça do nosso time talvez prevaleça”, avisou.

A pergunta seguinte foi sobre a cobertura midiática na Olimpíada. Anelise pensa desta forma: “Acredito que a Olimpíada teve sim um ponto positivo para o futebol feminino, mas não o suficiente para mudar o cenário atual. Nós que vivemos nesse meio, falo por experiência própria, pois já vivi do futebol: ele não nos dá condições de sobreviver. E não falo em luxos, mas em sobrevivência. É uma pena que o “país do futebol”, de tanto valor ao masculino, faça tão pouco pelo futebol feminino. Mas eu, como apaixonada por futebol, ainda acredito em um futuro em que as coisas possam ser melhoradas”.

Por fim, a atleta do Atlântico de Erechim deixa o recado: “A gente está sempre pedindo apoio e valorização. Mas acho que, acima de tudo, as pessoas deveriam acompanhar o futebol feminino e ver o esforço que temos para tornar fácil o que para o masculino parece tão difícil”.

Divulgação / E.C. Pelotas

Também entrevistada, representante do Esporte Clube Pelotas, a goleira Rubiani Klug conversou com a VAVEL Brasil. Ela teve expressivas convocações para seleção brasileira de base. Em 2013, foi convocada para seleção sub-15. Já em 2015, foi chamada ao grupo da seleção sub-17.

Rubiani comentou a expectativa para semifinal do Campeonato Gaúcho: “Jogo duro na disputa de vaga na final do campeonato. Nosso primeiro jogo é fora, então trazemos a decisão para Boca do Lobo, o que é sempre bom de certa forma, tirando um pouco da pressão em geral. Estou confiando no grupo e acho que temos chance de classificar e garantir participação na final”, afirmou.

A goleira transcorreu sobre o elenco das Lobas e suas experiências com as seleções de base: “O grupo está bem unido e estamos testando algumas peças ainda. No final, tudo precisa se encaixar e quem errar menos vai conseguir passar no torneio. Sobre minhas passagens na seleção, é uma experiência fora do comum, um outro universo, rotina regrada e disputas acirradas. Tu voltas com uma bagagem que te acrescenta muito em qualquer jogo”.

O principal responsável pelo mantimento do departamento feminino do Esporte Clube Pelotas, em 20 anos das Lobas, é Marcos Planela. Em tom de agradecimento, Rubiani comentou sobre a importância do técnico e dos demais apoiadores: “Ele vem evoluindo ao longo dos anos. Esse ano, em especial, está bem incorporado. O trabalho dele, juntamente com os pais e familiares, sustenta o time e todas as gurias. A organização e todas coisas são fruto de anos de trabalho”.

A pergunta sobre a cobertura midiática da Olimpíada, feita para Anelise, também foi entregue para Rubiani. A goleira do Pelotas analisou a questão: “Acho que foi um caso à parte, bem pontual, a princípio. Aquela revolta e sentimento nacionalista de todos defenderem o feminino. Mas assim que o Brasil masculino conquistou o ouro, a mídia se voltou diretamente para eles novamente. Acho que são lapsos de atenção. Considero que foi bom, realmente mais do que todo mundo esperava. Mas quem se surpreendeu com tudo isso foi porque nunca havia visto elas jogarem, porque essa seleção sempre teve uma base boa e vem, sim, há um bom tempo com um rendimento positivo. De certa forma, ajudou, mas pode ter prejudicado um pouco no final das contas… Pelo descaso das pessoas após a atuação ruim”, enfatizou a jogadora.

Passadas as palavras de ambas as jogadoras, o Campeonato Gaúcho tem sequência no mês de outubro.

Black Show x Pelotas – 09/10
Pelotas x Black Show – 16/10

Atlântico x Canoas – 12/10
Canoas x Atlântico – 23/10

As finais do estadual de futebol feminino ocorrem nos dias 6 e 13 de novembro.