Especial quartas de finais Série C: Boa Esporte, foco total em retornar à Série B

Time do sul de Minas, que foi rebaixado na temporada anterior, sonha subir novamente após campanha expressiva na primeira fase

Especial quartas de finais Série C: Boa Esporte, foco total em retornar à Série B
Especial quartas de finais Série C: Boa Esporte, foco total em retornar à Série B

A Série C do Campeonato Brasileiro 2016 entra em sua reta final a partir desta sexta-feira (30). Disputada por 20 clubes, divididos em dois grupos de dez equipes, as quatro agremiações melhor classificadas em cada grupo avançaram para as quartas de final. São elas: Juventude, Fortaleza, Botafogo-PB, Botafogo-SP, ABC, ASA, Guarani e Boa Esporte.

O time, surgido como Boa Vontade Esporte Clube no ano de 1947, veio a se tornar profissional apenas em 1998, disputando a segunda divisão do Campeonato Mineiro, conquistando o acesso para o Módulo II na mesma temporada. Em 2005, o time, ainda sediado em Ituiutaba, chegava ao Módulo I. Neste mesmo ano, conseguiu sua primeira vaga em uma competição nacional: a Série C.

No ano de 2010, após dois empates com a Chapecoense, o Boa conquistou seu primeiro acesso para a Série B de 2011, maior feito da história. Porém, como a estrutura em Ituiutaba era ruim, a equipe não pode mais sediar suas partidas no estádio da Fazendinha, sendo convidado pela prefeitura de Varginha a se mudar para lá. Tendo como sua sede o estádio do Melão, o time conta com o apoio do poder público local e de poderosos empresários da região.

Campanha: alta pontuação e números que credenciam ao sucesso

A bela campanha do Boa o credenciou a estar no mata-mata da Série C. Segundo colocado do grupo B, com 35 pontos, o time de Varginha representa o futebol mineiro nesta fase da competição. Sendo o segundo time que menos perdeu, com três derrotas, o Boa também foi a segunda equipe que venceu mais vezes, sendo 10 triunfos. Além disto, cinco partidas terminaram empatadas.

Destaques: ofensiva e defensivamente, os melhores índices

Pilar de sustentação de toda equipe que quer chegar longe em uma competição, a defesa do Boa Esporte merece destaque. Foram apenas 10 gols sofridos em 18 jogos, o que faz da defesa do time de Varginha a melhor da competição até aqui. Responsáveis diretos pelo sucesso do setor defensivo são os zagueiros Édson Borges e Bruno Maia.

Se a defesa tem seus méritos, o setor ofensivo não fica para trás. Com 28 gols marcados, o Boa tem o melhor ataque da competição. Ricardinho, que balançou as redes adversárias sete vezes, Daniel Cruz, com cinco gols marcados e Gênesis, artilheiro do time na temporada, com 18 gols, são os destaques entre os homens de frente.

Treinador: panela velha é que faz comida boa

O comandante do Boa Esporte é um velho conhecido do torcedor. Ney da Matta, que assumiu o clube na 10ª rodada em substituição a Julinho Camargo, conduz o time com o expressivo aproveitamento de 80%, conquistando 24 de 30 pontos disputados. Desde quando Ney retornou, o Boa não sabe mais o que é perder, algo que ajudou nos brilhantes números obtidos até aqui.

O que esperar na reta final?

Até onde pode ir o sonho do torcedor do Boa? A campanha, com números expressivos, o credita, sim, a estar entre as quatro equipes que subirão à Série B. Há dez jogos sem perder, o time do sul de Minas Gerais, que caiu para a terceirona no ano passado, faz uma campanha digna de retorno. Time que "deu liga" e apoio do varginhense formam uma combinação que pode ser ainda mais triunfante.