Retrospectiva VAVEL: Conquista da Primeira Liga marca temporada do Londrina

Tubarão conquistou título interestadual de forma invicta, passando por Fluminense, Cruzeiro e Atlético-MG

Retrospectiva VAVEL: Conquista da Primeira Liga marca temporada do Londrina
Foto: Gustavo Oliveira/Londrina Esporte Clube

Festa, conquistas, choro,  frustração e despedida. O Londrina viveu uma temporada de fortes emoções. Disputando a Série B pelo segundo ano seguido, o Tubarão por pouco não retornou à elite do Campeonato Brasileiro. No âmbito regional, ganhou novamente o Troféu do Interior Paranaense. Entretanto, sem dúvidas, o ponto alto da temporada foi a conquista da Copa da Primeira Liga. O ano de 2017 ainda marcou a despedida do técnico Cláudio Tencati, após quase sete anos. 

Campeonato Paranaense: o tetra do interior 

O primeiro objetivo do Londrina no ano era conquistar o Campeonato Paranaense. Com Coritiba e Atlético-PR em queda de braço com a Federação Paranaense de Futebol (FPF), o Tubarão deslumbrou a chance de conquistar o pentacampeonato estadual. A campanha na fase classificatória foi irregular: quatro vitórias, quatro empates e três derrotas. Entretanto, o suficiente para assegurar a classificação às quartas de final. 

Na fase seguinte, dois triunfos sobre o modesto Rio Branco, o que lhe garantiu vaga nas semifinais contra o Atlético-PR. Desta vez o adversário já não era tão despretensioso. Em dois jogos equilibrados e recheados de polêmicas, cada equipe venceu uma partida por 2 a 1, levando a decisão da vaga para os pênaltis. O Furacão foi superior nas penalidades e superou o Londrina por  5 a 3. Todos os jogadores do Atlético marcaram, enquanto Rafael Gava acertou a trave, desperdiçando para os anfitriões. Esta seria a primeira e única derrota do Tubarão em  disputa de pênaltis na temporada. 

Sem chances de conquistar a taça principal, a equipe alviceleste focou no Troféu Campeão do Interior, disputado entre os dois times não sediados na cidade de Curitiba, que não tenham se classificado para a decisão do campeonato. No jogo de ida, goleada por 4 a 1 sobre o Cianorte. O técnico Cláudio Tencati sequer mandou o time completo para o confronto da volta, que terminou em  1 a 1. Com o resultado, o Tubarão conquistou o primeiro título da temporada

Jogos Vitórias  Empates Derrotas Gols Marcados Gols Sofridos
17 8 5 4 23 13

De convidado à campeão invicto: Londrina faz história na Primeira Liga

(Foto: Gustavo Oliveira/Londrina Esporte Clube)
(Foto: Gustavo Oliveira/Londrina Esporte Clube)

Heroica! Assim podemos definir a campanha do Londrina na Copa da Primeira Liga. Por conta das desistências de Coritiba e Atlético-PR, o Tubarão foi convidado para representar seu estado ao lado do Paraná Clube na competição interestadual. Se o torneio era subaproveitado pelos times da elite (Série A), o Londrina levou  com seriedade, acreditando na possibilidade de voltar a ganhar um título nacional após 37 anos. O último  aconteceu em 1980, na conquista da Taça Prata (equivalente à Série B).  

A fase classificatória reservou ao Tubarão encontros com equipes da Região Sul: Figueirense, Avaí e Paraná. Apostando na continuidade do  trabalho de Cláudio Tencatti, no comando técnico do time há seis anos, o Alviceleste passou com 100% de aproveitamento no Grupo D. Foram duas vitórias pelo placar mínimo contra os times catarinenses, e triunfo por 2  a 1 sobre o Paraná, em um clássico regional. 

O bom desempenho garantiu ao Londrina o direito de decidir os jogos da fase mata-mata no Estádio do Café. O primeiro deles aconteceu diante do Fluminense, válido pelas quartas de final. Com dois gols do atacante Carlos Henrique, o Tubarão impôs a eliminação ao Tricolor  das Laranjeiras. Na semifinal, mais uma duelo diante de um gigante do futebol brasileiro: Cruzeiro. 

Mesmo com time considerado reserva, a Raposa abriu dois gols de vantagem. No entanto, os donos da casa não desistiram facilmente da partida, e buscaram o empate com Alison Safira e Germano. Com a igualdade no confronto, o segundo finalista da competição foi conhecido através das cobranças de pênalti.  E assim aconteceu a consagração de César. Com direito a três incríveis defesas de seu goleiro, o Londrina avançou à decisão para enfrentar o Atlético-MG.

(Foto: Gustavo Oliveira/Londrina Esporte Clube)
(Foto: Gustavo Oliveira/Londrina Esporte Clube)

Como acontecera nas duas fases anteriores, mesmo jogando em casa, o Tubarão não era apontado como favorito. Em jogo pouco movimentado e pobre tecnicamente, Atlético-MG e Londrina empataram sem gols no tempo regulamentar. O destino novamente reservava ao goleiro César a chance de entrar para a história do clube. Deste vez foram apenas duas defesas (Clayton e Rafael Moura), mas bastante para garantir o título ao Londrina, campeão invicto.

Jogos Vitórias  Empates  Gols Marcados Gols Sofridos 
6 4 8 3

 O Brasileirão e o sentimento do 'quase'

Pelo segundo ano consecutivo o Londrina chegou às últimas rodadas da Série B com chances reais de ascender à elite do futebol brasileiro. O Tubarão teve uma incrível recuperação na reta final, com oito vitórias nos últimos dez jogos. Todavia, o empate em 1 a 1 contra o América-MG na penúltima rodada, somado ao triunfo do Paraná frente ao CRB, pôs fim ao sonho do acesso. A última vez que o Tubarão frequentou a Série A foi em 1982.

Na temporada 2016, em sua volta à Segundona após 11 anos, o Londrina terminou o campeonato na sexta colocação, com 60 pontos conquistados, três atrás do Bahia, quarto colocado. Neste ano a diferença foi ainda menor. O Tubarão somou 62 pontos, dois a menos que o Paraná, time que fechou a lista dos classificados. Apesar de não ter conquistado o acesso, a equipe alviceleste viveu bons momentos na competição. Foi uma das equipes que mais causavam incômodo quanto atuava fora de casa, e teve o melhor ataque da Série B, com 56 marcados, contra 54 do Internacional. 

Jogos Vitórias  Empates  Derrotas  Gols Marcados Gols Sofridos 
38 18 8 12 56 46

Com saída de Belusso, Artur assume protagonismo

Contratado para a disputa da Série B, o atacante Jonatas Belusso repetiu no Londrina o sucesso que vinha fazendo no Brusque (SC). Artilheiro do time catarinense, com 12 gols, o jogador de 29 anos não demorou para encontrar seu espaço no Alviceleste. O atacante se destacou rapidamente, virando alvo de clubes nacionais e do exterior. 

(Foto: Gustavo Oliveira/LEC)
(Foto: Gustavo Oliveira/Londrina Esporte Clube)

Em agosto, três meses após a contratação de Belusso, o Londrina não teve como recusar a oferta do Al Shabab, da Arábia Saudita. O centroavante deixou o Tubarão com 11 gols marcados, sendo o artilheiro da Segundona. Quando saiu do Brasil, Belusso era o maior goleador do país, com 23 gols, ao lado de Fred (Atlético-MG) e Henrique Dourado (Fluminense).

Sem o camisa 9, o time paranaense encontrou a solução no próprio elenco. Na verdade ele fazia parte do time titular, mas cresceu absurdamente na sequência da competição. Revelado pelo Palmeiras, Artur, de 19 anos, marcou oito gols e ainda deu 11 assistências - maior da competição - em 36 partidas. 

(Foto: Gustavo Oliveira / LEC)
(Foto: Gustavo Oliveira / Londrina Esporte Clube)

Germano: o volante artilheiro

Em sua nona temporada pelo Tubarão, o experiente volante Germano terminou o ano como artilheiro da equipe, com 11 gols, ao lado dos centroavantes Jonatas Belusso e Carlos Henrique, repetindo o feito de 2016. Nove desses tentos anotados foram de pênalti, um de cabeça e o outro em chute de dentro da área. Além da contribuição técnica, Germano é o principal líder do time, e divide a braçadeira de capitão com o zagueiro Dirceu. Ambos renovaram seus vínculos com o clube por mais duas temporadas.

(Foto: Gustavo Oliveira/ Londrina Esporte Clube)
(Foto: Gustavo Oliveira/ Londrina Esporte Clube)

“Estou muito feliz por essa renovação, por poder fazer parte dos planos e metas estabelecidos pelo clube”, destaca Germano. “Era meu desejo seguir aqui no Londrina, até pelo carinho que tenho pelo clube, pela cidade e pela nossa torcida. Agradeço a Deus e a todos do clube pelo voto de confiança. Creio que o nosso trabalho está evoluindo a cada ano. E subir para a Série A com certeza é um dos nossos objetivos, até por tudo que construímos até aqui”, disse Germano. 

Hora do adeus: Tencati deixa o Londrina após seis anos 

Treinador mais longevo do futebol do país, Cláudio Tencati anunciou sua saída do Londrina na última quinta-feira (23). No comando técnico da equipe desde abril de 2011, Tencati comando o Alviceleste em 270 jogos, tendo conquistado 132 vitórias, 72 empates e 66 derrotas.

Neste período conquistou a Divisão de Acesso do Campeonato Paranaense, em 2011, e o próprio estadual, em 2014 - encerrando um jejum de 22 anos do clube -. Ainda em solo paranaense, celebrou os títulos de campeão do interior em quatro oportunidades: 2013, 2015, 2016 e 2017. A nível nacional, comandou o Tubarão nos acessos da Série D para a C, em 2014, e da C para a B, em 2015. Nesta temporada foi campeão invicto da Copa da Primeira Liga

(Foto: Gustavo Oliveira/Londrina Esporte Clube)
(Foto: Gustavo Oliveira/Londrina Esporte Clube)

Em sua última coletiva antes de deixar o clube, Tencati explicou o motivo da saída e agradeceu a todos os profissionais com quem trabalhou nos últimos seis anos e cinco meses. 

“Agradeço primeiramente a Deus, pelo sucesso que Ele me proporcionou aqui ao longo dessa caminhada. Agradeço também ao Sérgio Malucelli (gestor do clube), por acreditar no meu trabalho e naquilo que eu poderia fazer aqui e por ter me dado condições de trabalho. Ao Londrina também, porque é um time de camisa. À comissão técnica e a todos os demais envolvidos.

Senti que chegou o momento de me projetar e conhecer esse mercado. O que eu vivi aqui no Londrina é totalmente diferente da realidade dos outros clubes. Então, preciso entender isso até para que eu possa amadurecer e crescer", justificou. 

O novo comandante 

Na coletiva de despedida, Tencati passou o bastão para Ricardinho, novo comandante do Tubarão. Como técnico, o pentacampeão mundial tem passagens pelo Paraná (2012/2014), Ceará (2013), Avaí (2013), Santa Cruz (2015), Portuguesa-SP (2016) e Tupi-MG (2016).

(Foto: Gustavo Oliveira/Londrina Esporte Clube)
(Foto: Gustavo Oliveira/Londrina Esporte Clube)

“Os clubes de sucesso estão pautados a esse tipo de gestão. Sei muito bem a cobrança que teremos aqui. Vou procurar dentro da minha concepção e filosofia de trabalho aproveitar muito do que o Tencati está deixando para darmos continuidade ao sucesso que ele teve aqui no clube”, disse Ricardinho em sua apresentação. 

O que esperar de 2018?

Desde que assumiu o clube, em 2011, o gestor Sérgio Malucelli prometeu reconduzir o Londrina à elite do futebol brasileiro. Como consta na retrospectiva, o Tubarão por pouco não conquistou este objetivo nas últimas duas temporadas.

A expectativa é de que o clube brigue mais uma vez pelo acesso. Para isso, terá que investir no elenco. Os principais destaques do time estão sendo alvo de interesse de outros clubes, como o atacante Carlos Henrique, com contrato até maio de 2018, e o goleiro César, vinculado ao clube até o fim da próxima temporada.

O atacante Arthur retornou ao Palmeiras, assim como o lateral-esquerdo Ayrton, que está de volta ao Fluminense. O volante Bídia deixou o clube após sete anos. Por outro lado, Germano, Dirceu e Jardel tiveram seus contratos renovados.