Em jogo dos desesperados, Atlético-GO e Anápolis não saem do zero no Olímpico

Dragão e Galo seguem amargando a zona de rebaixamento do Goianão e sem vencer no torneio; Foi a última partida comandada por João Paulo Sanches pelo Atlético

Em jogo dos desesperados, Atlético-GO e Anápolis não saem do zero no Olímpico
Atlético-GO empata com o Anápolis no estádio Olímpico. (Foto: Divulgação/Atlético-GO)
Atlético-GO
0 0
Anápolis
Atlético-GO: Kléver; Jonathan, Lucas Rocha, Hugo Gomes e Bruno Santos; Renê Santos, Fernandes, Diego Valderrama e Tomas Bastos; Roger e Vinícius Tanque. Técnico: João Paulo Sanches
Anápolis: Samuel; Neilson, Vítor Carvalho, Robson e Paulo Vítor; Leandro Bulhões, Eurico e Laionel; João de Deus, Gleison e Pedro Henrique. Técnico: Nivaldo Lancuna
ÁRBITRO: 5ª rodada do Campeonato Goiano de 2018; A bola rolou ás 19h30, no estádio Olímpico, em Goiânia (GO)

O Atlético-GO segue sem dar alegrias para seu torcedor nesse ano. A equipe rubro-negra empatou em 0 a 0 com o Anápolis, jogando no estádio Olímpico, e segue sem vencer na competição. A partida dessa quarta-feira (31) foi a última de João Paulo Sanches no comando do time rubro-negro, que contratou Cláudio Tencati para seu lugar.

O Dragão segue na 5ª colocação do Grupo A com apenas 3 pontos ganhos. Foram três empates e duas derrotas nos cinco primeiros jogos. O Galo vive situação pior, amargando a 5ª colocação do Grupo B com 2 pontos e com dois empates e três derrotas.

O próximo jogo do Dragão será contra o Grêmio Anápolis, no domingo (4), ás 17h, no estádio Jonas Duarte. Será a estreia de Tencati no comando técnico do time. O Galo da Comarca enfrentará o Iporá, no sábado (3), ás 17h, também no estádio Jonas Duarte, em Anápolis.

Primeiro tempo fraco e com poucas chances de gol

Já não se esperava muito da partida entre Atlético e Anápolis no Olímpico, por se tratarem dos dois piores desempenhos no Goianão até o momento, e de fato, não houve nada de bom na partida. As chances eram mínimas e os times tinham dificuldades para criar.

A única grande chance no primeiro tempo veio do time de Nivaldo Lancuna, técnico estreante do Anápolis que assumiu o time após a demissão de Karmino Colombini. O atleta João de Deus recebeu na ponta e passou em velocidade, chutando forte, mas pra fora.

Outra boa chance do Galo veio nos pés de Gleison, que encarou a marcação e tocou para Jonathan, mas Hugo Gomes afastou com um carrinho providencial.

Atlético melhora, mas não consegue marcar

O Dragão quis demonstrar uma melhora no segundo tempo. A primeira chance veio com cobrança de falta de Tomas Bastos, que Hugo Gomes não aproveitou na finalização, além de ter pedido marcação de pênalti, que não aconteceu.

A outra boa chance veio Roger cruzando da esquerda e o atacante Vinicius Tanque pegou mal na cabeçada, mandando pra fora. Nos acréscimos da partida, Schwenck perdeu a bola e Tomas Bastos armou um contra-ataque perigoso com Roger, mas a defesa do Anápolis foi rápida para evitar o perigo.

A paciência da torcida atleticana seguia inquieta e ao final do jogo, as mesmas vaias dos últimos jogos ecoaram no Olímpico, apesar de um público pequeno.