Especial VAVEL: acompanhe a despedida do América-MG no Indepedência pela Série A

Reportagem vive "dia de torcedor" em noite de despedidas, homenagens, ingressos gratuitos e brindes para o público

Especial VAVEL: acompanhe a despedida do América-MG no Indepedência pela Série A
Foto: Mourão Panda/América-MG

Sábado, 26 de novembro de 2016. Penúltima rodada da Série A do Campeonato Brasileiro. Para o torcedor do América-MG, rebaixado à segunda divisão na próxima temporada, a última oportunidade de ver de perto o seu time no ano. O adversário? Sport Club do Recife, ainda lutando contra o Z-4. A VAVEL Brasil decidiu viver um dia no meio da torcida americana, captando suas emoções e impressões para o futuro do Coelho.

Decidimos ir na arquibancada, no já conhecido portão 3. Geralmente, onde se concentra a maior parte dos americanos. Notoriamente, percebe-se um clima totalmente diferenciado das outras torcidas da cidade. Muitos casais, famílias, crianças. Clima muito agradável. Mas também há espaço para as organizadas, como a Seita Verde, que puxa suas músicas e leva junto o “torcedor comum”.

Antes mesmo da partida, o patrocinador master do clube, que distribuiu ingressos para os mil primeiros torcedores a chegar, promove diversas ações de entretenimento, como interação de um locutor com os aficionados americanos, sorteio de camisas e, especialmente neste jogo, uma homenagem a Leandro Guerreiro, que fez sua última partida usando a camisa verde, preta e branca, usando o número 147 e recebendo uma placa de agradecimento aos serviços prestados. 

Mesmo com destino do time selado, torcida se anima no pré-jogo

A equipe da VAVEL Brasil chegou ao Estádio Independência às 19h. Naquele momento, o aquecimento da bateria da torcida organizada acontecia na rua Pitangui. De longe era possível ouvir. Paralelamente, alguns torcedores aproveitavam para colocar o papo em dia nos bares da via. A cerveja gelada ajudava a amenizar o calor daquele início de noite.

Às 19h10, fomos em busca dos ingressos que seriam distribuidos para os mil primeiros torcedores que comparecessem ao portão 3. Tivemos certa dificuldade para localizar os promotores. Erro nosso. Estavam posicionados já nas catracas. Fomos perguntados se tinhamos ingresso. A resposta: não. Ok. Duas entradas saíram das mãos do promotor, foram introduzidas na catraca e logo após fomos orientados a ficarmos atentos com os números de ordem das mesmas, pois, aqueles algarismos nos dariam direito a participar do sorteio de brindes.

Número de série do ingresso valeu para sorteio de brindes (Foto: Matheus Adler/VAVEL Brasil)
Número de série do ingresso valeu para sorteio de brindes (Foto: Matheus Adler/VAVEL Brasil)

Trabalho de aquecimento descontraído

Às 19h25, o América-MG apareceu no gramado para seu último aquecimento no Independência, neste ano. Antes do início dos trabalhos, os jogadores fizeram um círculo e por lá ficaram cerca de cinco minutos. Parecia uma reunião motivacional. Pouco tempo depois, às 19h30, era a vez do Sport entrar em campo, sob vaias da torcida.

Paralelamente, o animador de torcidas surgia no gramado do Horto, para agradecer a presença de todos, ressaltando que o patrocinador máster do América-MG havia distribuido mil ingressos e que haveria sorteio de brindes. Aquilo agitou os torcedores. O que mais chamou a atenção durante o trabalho de aquecimento dos atletas do Coelho, é que os jogadores interagiam com o animador, que chegou a repor bola para o goleiro João Ricardo.

Enquanto animador levantava a torcida, jogadores do Coelho buscavam motivação no aquecimento (Foto: Matheus Adler/VAVEL Brasil)
Enquanto animador levantava a torcida, jogadores do Coelho buscavam motivação no aquecimento (Foto: Matheus Adler/VAVEL Brasil)

Clima familiar é destaque no Independência

O América-MG, conhecido como Time da Família, reforçou o slogan e colocou muitas famílias na arquibancada. Um clima bem diferente do que acostumamos ver em partidas do Cruzeiro e do Atlético-MG. Era perceptível a presença maciça de crianças de colo. Como a família de Darci Teixeira, que compareceu inteira ao duelo.  

"Trouxe minha família com o maior prazer, pra resgatarmos esse clima família na torcida, ainda mais o América", declarou Teixeira.

Darci, no entanto, não escondeu a frustração com a campanha do América-MG neste Brasileirão. Porém, o pai de família se apoia no futuro, visando dias melhores no Coelho, para que retorne à elite do futebol nacional.

"Tem o misto de tristeza, porque a gente vê que ele foi campeão estadual e agora ficou em último no Campeonato Brasileiro. Mas, tenho certeza que irá se recuperar na Série B para retornar em 2018", concluiu.

Darci Teixeira levou a família inteira para o Independência (Foto: Matheus Adler/VAVEL Brasil)
Darci Teixeira levou a família inteira para o Independência (Foto: Matheus Adler/VAVEL Brasil)

Torcida presencia homenagem e partida eletrizante

Às 19h52, América-MG e Sport pintavam, em definitivo, no gramado. Anderson Racilan, um dos presidentes do Coelho, aguardava Leandro Guerreiro, que fazia uma de suas últimas partidas com a camisa alviverde. O mandatário entregou uma placa comemorativa ao jogador, agradecendo pelos serviços do atleta, que chegou ao clube em 2014.

Às 20h01, a bola começou a rolar no Independência. Leandro Guerreiro descolou excelente passe para Osman, que acertou o travessão do goleiro Magrão, logo no início. Mas, foi o Sport que abriu o placar, com Rodney Wallace. Após o tento, três torcedores de outros clubes, que haviam ganhado os ingressos, provocaram a torcida do Coelho e foram expulsos imediatamente.

O segundo tempo se iniciou às 21h03. Sete minutos depois, o gol de empate veio com Danilo Barcelos, de cabeça. O tento veio em excelente hora. O lateral era um dos mais criticados pelo torcedor alviverde, naquela ocasião. Mais tarde, Michael virou a partida e deixou os mandantes em festa no Independência. Era uma vitória de alívio, de dignidade. Era. Até Makton ser expulso pouco tempo depois, facilitando o gol de empate do Sport. 

Leandro Guerreiro atuou com a camisa 147, em alusão às 147 partidas em que disputou pelo América (Foto: Divulgação/AFC)
Leandro Guerreiro atuou com a camisa 147, em alusão às 147 partidas em que disputou pelo América (Foto: Divulgação/AFC)

Desculpas, não conseguimos atingir nosso objetivo

Ao final da partida, o meio-campo Tony assumiu o microfone e pediu para a torcida não se retirar. O camisa 20 pediu desculpas pela campanha pífia da equipe no Brasileirão e aproveitou a oportunidade para homenagear Leandro Guerreiro, que se emocionou com os aplausos da torcida.

“Só tenho que agradecer a todos: os torcedores, pelo carinho e respeito, a diretoria e a vocês da imprensa por este relacionamento muito saudável. Foram seis anos em Minas Gerais, numa convivência muito boa. É difícil você ficar tanto tempo assim. Me dei bem com todo mundo. Saio de cabeça erguida, orgulhoso de ter conquistado um acesso, um título de campeão mineiro depois de 15 anos. Infelizmente não conseguimos nossa permanência na Série A, o que me deixa chateado. Mas saio com a sensação do dever cumprido”, declarou o volante.

Leandro Guerreiro foi bastante homenageado antes da despedida do América-MG (Foto: Mourão Panda/AFC)
Leandro Guerreiro foi bastante homenageado antes da despedida do América-MG (Foto: Mourão Panda/AFC)

Quais foram as falhas de 2016? O que esperar em 2017?

Além de Leandro Guerreiro, a diretoria do América-MG liberou mais seis jogadores: o lateral-direito Jonas, os zagueiros Alison e Cardoso, o lateral-esquerdo Bruno Teles, o volante Claudinei e o atacante Nílson. Tudo pensando em 2017. Mas, não dá pra falarmos da próxima temporada, sem citarmos 2016.

Para Cristiano Bicalho, a diretoria do Coelho "parou no tempo" quando o time conquistou o Campeonato Mineiro deste ano, prevendo que o elenco campeão do Estadual não iria aguentar o ritmo da Série A.

Bicalho também reprovou a vinda do técnico português Sérgio Vieira, após a demissão de Givanildo Oliveira e vê Enderson Moreira com bons olhos para 2017, assim como viu a dispensa de Leandro Guerreiro, sugerindo que o volante pudesse integrar uma futura comissão ténica.

"É uma demonstração de que a diretoria está pensando realmente em subir ano que vem. Guerreiro ajudou demais, foi muito útil ao América, mas a idade pesou. Creio que não iria agregar mais nada para o elenco. Tentaria aproveitá-lo para a comissão técnica", declarou o torcedor.

Cristiano Bicalho foi um dos torcedores contemplados com a camisa oficial do América-MG (Foto: Matheus Adler/VAVEL Brasil)
Cristiano Bicalho foi um dos torcedores contemplados com a camisa oficial do América-MG (Foto: Matheus Adler/VAVEL Brasil)

A visão de Vinícius Silveira, setorista do América-MG na VAVEL Brasil, é a mesma de Cristiano, em relação ao elenco do Campeonato Mineiro. Para o jornalista, as reposições de 2015/2016 foram aquém do nível de Série A que o Coelho enfrentaria no decorrer da temporada. Silveira ainda ressaltou a falta de organização entre os nove presidentes do clube.

"Acho que deveriam rever este modelo de administração, porque, para 2017, além de um novo elenco, fazer uma nova composição, mais enxuta para que o América seja mais organizado na próxima temporada", analisou Vinícius.

Vamos subir Coelho!

Quando a grande parte da torcida se retirava do Estádio Independência, alguns permaneceram nas arquibancadas e soltaram a voz com um "vamos subir Coelho", já visando a reação na próxima temporada. Torcedores organizados não paravam de balançar suas bandeiras. Cobravam. Incentivavam. Era notório que todos estavam ansiosos para a próxima temporada, independente da situação do América-MG.

A noite de sábado é marcada por festas, casamentos, sem contar a tradicional balada. Mas, para os 2.139 torcedores que compareceram ao Independência, o dia 26 de novembro de 2016 já estava reservado para a despedida do Coelho na Série A, diante de seu público.

Foto: Divulgação/AFC
Foto: Divulgação/AFC