Marcelo Oliveira minimiza desfalques e exalta elenco entrosado do Atlético-MG

Treinador garante volta da concentração, abolida por Levir Culpi, em 2014, e justifica escolha pelo Galo: "Era favorável permanecer em Belo Horizonte"

Marcelo Oliveira minimiza desfalques e exalta elenco entrosado do Atlético-MG
Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG

Após oito anos, o técnico Marcelo Oliveira teve confirmado seu retorno ao Atlético-MG, na semana passada após a saída do tecnico Diego Aguirre. Sem muito tempo para treinar a equipe, o treinador comandou o Galo no empate contra o Atlético-PR por 1 a 1.

Quase uma semana depois de anunciado seu retorno, Marcelo Oliveira deu sua primeira entrevista coletiva, na Cidade do Galo, falando de diversos assuntos, entre eles, o compromisso diante do Grêmio, na próxima quinta-feira (26), no Independência.

"Compromisso difícil, inclusive, exaltei a presença da torcida. O Atlético está muito desfalcado, mas tenho confiança em nosso elenco. Vai ser fundamental a presença e incentivo da torcida atleticana. Tenho certeza que podemos fazer um grande jogo. Estou muito satisfeito de retornar e ter esse reencontro com o torcedor, já que passei por aqui como torcedor, jogador e treinador. Vejo o Atlético com um potencial para as duas competicões (Brasileiro e Copa do Brasil) nacionais, importantíssimas. O Campeonato Brasileiro é de regularidade, é muito complicado, difícil, mas ao mesmo tempo, por toda essa combinação de coisas boas que o Galo tem, é possível a gente chegar, desde que a gente trabalhe muito, se prepare, e faça o que tem que ser feito em um campeonato desse porte".

Até a tarde de hoje, o Atlético tinha confirmado 11 ausências para o jogo contra o Grêmio, entre convocações para a seleções nacionais, lesões e suspensões. O técnico Marcelo Oliveira demonstrou tranquilidade em relação a este momento. 

"O futebol é um eterno desafio, não tem jeito e não tem como fugir. Se tivessem todos os jogadores disponíveis, estaria falando da dificuldade que será o jogo contra o Grêmio. Naturalmente é que a preocupação maior não é qualidade dos jogadores que irão jogar. Eu acho que todos podem corresponder muito bem. O trabalho que fizemos hoje, os atletas se entregaram muito, se posicionaram. O Atlético também tem uma base de quase dois anos, jogadores entrosados, mas no futebol a gente tem que conviver com todas as situações e não muda muito a minha confiança no time".

Outro assunto levantado foi a questão da concentração. Nos últimos dois anos, o Atlético havia abolido a concentração em jogos como mandante, com o atletas se apresentando apenas nos dias das partidas. Isto começou com Levir Culpi, e depois passou à Diego Aguirre. Marcelo Oliveira declarou que a concentração estará de volta no Galo.

"Volta, mas não é um concentração extensa. É de um dia para o outro. Ela é necessária, pois o jogador aqui ele vai ter uma alimentação adequada, controlada, a questão do sono também, porque os jogos são muito desgastantes, e também estar conversando, trazendo o jogador para falar uma coisa ou outra em relação ao adversário, e este procedimento é que vai seguir".

Por fim, o técnico Marcelo Oliveira explicou porque não aceitou a proposta do Cruzeiro, que fez um convite para retornar ao clube celeste semanas antes do Atlético. Na época, o treinador recusou o chamado, alegando que estaria em conversações com um time do exterior. 

"Na verdade, o que aconteceu é o que havia relatado para vocês na época. Quem me conhece sabe do meu comprometimento. Vocês sabem que quando faço um acvordo verbal, eu vou cumpri-lo. Depois disso, esse processo de sair do Brasil se estendeu um pouco mais do que esperava. Acho que eles agem assim de demorar um pouco mais, e diante do projeto, do interesse grande do Atlético, entendi que era favorável permanecer em Belo Horizonte", encerrou.