Ainda sem vencer no Atlético-MG, Marcelo Oliveira acredita em título: “É possível”

Treinador alvinegro também analisou derrota no clássico mineiro e avaliou a estreia do atacante Fred

Ainda sem vencer no Atlético-MG, Marcelo Oliveira acredita em título: “É possível”
Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG

Marcelo Oliveira segue em busca da primeira vitória no comando do Atlético-MG. Na tarde deste domingo (12), o treinador viu seu time perder o clássico contra o Cruzeiro, por 3 a 2, no Independência, e terminar a sétima rodada do Campeonato Brasileiro dentro da zona de rebaixamento: 17ª posição, com sete pontos. Desde que sucedeu Diego Aguirre, o comandante soma quatro empates e duas derrotas.

Em entrevista coletiva após a derrota para a Raposa, Marcelo Oliveira reconheceu que está sofrendo pressão pela primeira vitória no Galo, mas enfatizou que sua equipe ainda carece de ajustes.

A pressão é constante; no Brasil é uma cultura estabelecida. Mesmo ganhando campeonatos e jogos seguidos, existe a pressão para seguir vencendo e até para golear. Se você não está ganhando, a pressão é ainda maior. Agora, o trabalho tem que continuar intenso, leal, e buscando a melhor formação, buscando ajustar o time em todos os sentidos: marcação, continuar criando situações, e agora com um jogador [Fred] que finaliza. É isso que a gente vai fazer daqui para frente”, disse.

Mesmo estando a nove pontos do líder Internacional, Marcelo Oliveira se mostrou otimista ao afirmar que o Galo ainda pode lutar pelo título do Brasileirão. “O campeonato é possível ainda. A distância, por mais que a gente possa lamentar ter deixado essa distância, ela é ainda razoável. Basta estarmos mais fortes e encaixarmos uma sequência de vitórias, porque todo mundo nesse campeonato vai perder e oscilar em algum momento”, ressaltou o treinador, que conseguiu apenas quatro pontos em 24 disputados.

Sobre a estreia do atacante Fred, que marcou o segundo gol do Atlético, o técnico disse: “Naturalmente não é um hábito você botar [como titular] um jogador que chegou um dia atrás. Mas se trata do Fred, da capacidade que ele tem de finalização. Ele vinha jogando normalmente e, nessa função, jogando mais adiantado, não faz tanta diferença no sentido de entrosamento, porque a gente montou o time por trás e só colocou o Fred como o finalização, o cara para fazer o pivô. Eu achei que ele teve dificuldades, porque o Cruzeiro se fechava muito, não chegou muita bola para ele e, quando chegou, ele tentou fazer o melhor”.

Marcelo Oliveira ainda exaltou o Cruzeiro pela vitória e já pensa no próximo compromisso do Galo: Internacional, no Beira-Rio, na próxima quinta-feira (16), às 19h30. “Não podemos tirar o mérito do Cruzeiro, que hoje jogou mais que o Atlético. Estamos no início de um trabalho, ajustes precisam ser feitos e nesse momento de adversidade nós temos que estar fortes, analisar, cobrar e organizar para, no próximo jogo, buscar a reabilitação”, ponderou.