Em jogo truncado, Atlético-MG bate Atlético-PR e segue na briga pela liderança

Robinho marcou de pênalti e colocou o Galo, provisoriamente, no segundo lugar; Furacão corre o risco de perder posições até o fim da rodada

Em jogo truncado, Atlético-MG bate Atlético-PR e segue na briga pela liderança
Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG
Atlético-MG
1 0
Atlético-PR
Atlético-MG: Victor; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Ronaldo, Fábio Santos; Lucas Cândido, Leandro Donizete, Maicosuel (Yago), Carlos (Otero); Lucas Pratto, Robinho (Clayton). Técnico: Marcelo Oliveira.
Atlético-PR: Santos; Rafael Galhardo (Juninho). Wanderson, Thiago Heleno, Sidcley; Marcão, Renan Paulino, Matheus Rossetto (Luciano Cabral); Marcos Guilherme (Yago), Lucas Fernandes, André Lima. Técnico: Paulo Autuori.
Placar: 1-0, min. 39, Robinho.
ÁRBITRO: Bráulio da Silva Machado (SC). Auxilares: Neuza Inês Back (SC)e Alex dos Santos (SC)
INCIDENCIAS: Partida válida pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro 2016, realizada na Arena Independência, em Belo Horizonte/MG.

Na manhã deste domingo (21), no confronto dos Atléticos, na Arena Independência, em Belo Horizonte/MG, quem levou a melhor foi o Mineiro, superando o Paranaense por 1 a 0, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro 2016. O tento único da partida foi marcado por Robinho, de pênalti, aos 39 minutos do primeiro tempo.

O resultado colocou o Galo provisoriamente na vice-liderança do campeonato, com 38 pontos, um atrás do lider Palmeiras. O Furacão permanece em sétimo, com 30 pontos, mas corre o risco de descer duas posições até o fim da rodada.

Na próxima rodada, o Atlético-MG tem um daqueles jogos conhecidos como "jogo de seis pontos", no qual vai até Porto Alegre/RS para encarar o Grêmio, na Arena, domingo (28), a partir das 16h. Já o Atlético-PR recebe, na Arena da Baixada, na segunda-feira (29), às 20h, o Botafogo.

Robinho faz de pênalti em primeiro tempo enroscado

A proposta inicial das equipes era clara: o Galo jogando para frente e o Furacão usando do 4-3-3, visando o contra ataque. Porém, quem teve a primeira chance, e no contra ataque, foi o Atlético-MG. Logo no primeiro minuto, Victor fez o lançamento, a defesa do Atlético-PR errou o bote e a bola ficou com Fábio Santos, que tentou o passe para Robinho. Após o desvio no meio do caminho, Carlos chegou chutando e mandou por cima do gol. 

Depois do susto sofrido, a defesa do Atlético-PR conseguiu se fechar, dificultando a construção do jogo alvinegro. As chegadas do Galo, na maioria, eram em bolas longas ou cruzamentos. Aos 18 minutos, Carlos mergulhou de cabeça, em levantamento de Marcos Rocha e Santos segurou firme. O Furacão não incomodou nos primeiros 30 minutos, tendo seu primeiro bom lance ofensivo aos 34, após triangulação no ataque que terminou com a finalização de Lucas Fernandes, interceptada por Fábio Santos.

Carlos, que completou seu 100º jogo com a camisa alvinegra, recebeu o presente pela data. Após aplicar uma caneta em Thiago Heleno, o atacante do Galo foi derrubado dentro da área. Pênalti assinalado pela arbitragem, que Robinho cobrou demonstrando plena categoria. Bola de um lado, goleiro do outro e 1 a 0 a favor do Atlético-MG no placar. Dois minutos depois, foi a vez do Atlético-PR reclamar um pênalti. Rafael Galhardo cobrou falta em direção a área, a bola passou pela barreira e bateu em Carlos. Nada marcado e o primeiro tempo terminou com vitória do alvinegro.

Atlético-PR se lança ao ataque e jogo fica franco

Desfavorecido pelo placar, o Furacão resolveu se trancar menos. Em função disso, começou a dar mais espaços. Em uma destas brechas, logo aos sete minutos, boa chance do ataque do Galo. Marcos Rocha cruzou da direita e Pratto subiu bem, testou firme e a bola passou rente a trave esquerda. No minuto seguinte, o rubro-negro reagiu. Leandro Donizete perdeu a bola dentro da área para Marcos Guilherme. O bote sobrou para André Lima, cara a cara com Victor. O atacante optou por mandar rasteiro e o arqueiro do CAM catou.

A manhã foi de estreia no Galo. O meio-campo Rômulo Otero entrou na partida aos 15 minutos e, em seu primeiro lance, fez boa jogada, onde tabelou com Robinho e mandou por cima. A defesa do Galo passou a trabalhar bastante, tendo de cortar, de qualquer maneira, todo tipo de investida do CAP. Fábio Santos e, especialmente, Leonardo Silva, tiveram um treinamento de luxo no quesito desarme. Em investidas de Marcos Guilherme e Lucas Fernandes, pelas laterais, o Furacão aparecia no ataque e incomodava.

Aos 37 minutos, quase o empate. Yago cobrou escanteio no segundo pau, onde Thiago Heleno subiu no chamado "terceiro andar" e cabeceou, obrigando Victor a fazer uma defesa difícil. Administrando o resultado, o Atlético-MG ia menos ao ataque. Apenas aos 42, em um bom chute de Clayton, que foi interceptado, a bola chegou no gol do Furacão.

A última grande chance de gol da partida foi do rubro-negro, aos 44 minutos. Juninho apareceu por trás da defesa, após receber um passe e saiu na cara do gol. No toque mansinho depois da saída de Victor, a bola foi devagar e saiu pela linha de fundo, aliviando o torcedor do Galo.