Victor brilha na disputa de pênaltis, Atlético-MG bate Juventude e vai às semifinais

Goleiro pega duas cobranças e assegura classificação do Galo no torneio; equipe mineira enfrenta o Inter na próxima fase

Victor brilha na disputa de pênaltis, Atlético-MG bate Juventude e vai às semifinais
Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG
Juventude (2)
1 1
(4) Atlético-MG
Juventude (2): Elias; Vidal (Vinicius, min. 20/2º), Willian Klaus, Ruan Renato, Pará; Wanderson (Vacaria, min. 44/2º), Lucas (Caprini, min. 30/2º), Sananduva, Wallace; Roberson Hugo Almeida. Técnico: Antônio Carlos Zago.
(4) Atlético-MG: Victor; Patric, Leonardo Silva (Gabriel, min. 13/2º), Erazo, Fábio Santos; Júnior Urso, Rafael Carioca (Clayton, min. 1/2º), Leandro Donizete, Otero (Cazares, min. 23/2º); Robinho; Pratto. Técnico: Marcelo Oliveira.
Placar: 1-0, min. 1/1º, Hugo Almeida.
ÁRBITRO: Jailson Macedo Freitas (BA). Cartões amarelos: Leonardo Silva (min. 36/1º), Willian Klaus (min. 10/2º).
INCIDENCIAS: Partida de volta das quartas de final da Copa do Brasil, realizada no estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul/RS.

O Atlético-MG superou o clima hostil do estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul/RS, na noite desta quarta-feira (19), venceu o Juventude,  e avançou às semifinais da Copa do Brasil. A classificação foi definida nas cobranças de pênaltis, visto que a equipe alviverde marcou 1 a 0 no tempo regulamentar e empatou o jogo no placar agregado – na ida, no Mineirão, o Galo também havia vencido pelo placar mínimo.

Um dos maiores goleiros da história do clube, Victor brilhou nas penalidades e defendeu duas cobranças – de Wallace e Roberson. Fábio Santos, Lucas Pratto, Gabriel e Cazares converteram para os mineiros. Agora, o Atlético irá enfrentar o Internacional, que passou pelo Santos. Nesta quinta-feira (20), às 11h, haverá sorteio na sede da CBF, no Rio de Janeiro, para saber a definição dos mandos de campo.

Classificado na Copa do Brasil, o Galo muda a chave e volta a pensar no Campeonato Brasileiro, onde ainda sonha com o título. No domingo (23), o time alvinegro enfrentará o Figueirense, às 19h30, no Independência, em jogo válido pela 32ª rodada do Brasileirão. Já o Juventude encara o Boa Esporte, no sábado (22), às 21h, no estádio Melão, em Varginha/MG, pelo jogo de volta das semifinais da Série C.

Momentos distintos no primeiro tempo

O árbitro Jailsoin Macedo Freitas mal havia soado o apito para o início de jogo e a torcida do Juventude já estava festejando. É que, aos 33 segundos, o atacante Hugo Almeida se posicionou bem dentro da área alvinegra e completou cruzamento para o fundo do gol.

O Atlético não soube reagir após o gol e tomou uma pequena pressão dos donos da casa. Wanderson, por exemplo, soltou um foguete de fora da área e obrigou Victor a espalmar para a lateral.

Passando o início turbulento, a equipe mineira se encontrou na partida e conseguiu a primeira chegada com perigo. Aos 11 minutos, Patric desceu à linha de fundo e cruzou na cabeça de Júnior Urso, que testou firme para boa defesa de Elias.

Embora tivesse maior volume de jogo, o Galo concedia muito espaço para o Juventude puxar contra-ataque. Prova disso é que o time alviverde chegou por duas vezes com muito perigo. Na primeira, Sananduva colocou Victor para trabalhar. Depois, Hugo Almeida driblou o goleiro e mandou a bola para a rede, mas o assistente assinalou impedimento.

A última chance antes do intervalo saiu dos pés do cabeça pensante do Atlético, Robinho. O camisa 7 alvinegro avançou pela meia esquerda, levantou a cabeça e cruzou na área para Pratto pegar de primeira. Elias, contudo, operou um milagre e impediu o tento de empate do Galo.

Jogo aberto, mas nada de gols

Para o segundo tempo, o técnico do Atlético, Marcelo Oliveira, sacou o volante Rafael Carioca – que não fez uma boa primeira etapa, errando alguns passes bobos – e colocou em campo o meia-atacante Clayton. O comandante não se viu obrigado a mexer novamente na equipe aos 13 minutos, quando Leonardo Silva sentiu uma lesão e teve de ser substituído pelo jovem Gabriel.

Apesar das mudanças, o Atlético tinha dificuldades para furar as duas linhas de quatro do Juventude, que, por sua vez, seguia apostando nos contra-ataques. E foi em um contragolpe que o time alviverde assustou pela primeira vez na etapa derradeira. Wanderson escorou para Roberson soltar um míssil de perna direita; Victor pôs para escanteio.

À medida que os treinadores de ambos os times trocam peças, o ritmo de jogo caía. O Atlético só foi ter uma boa chance de gol aos 31 minutos, quando Clayton limpou a jogada, puxou para a perna canhota e mandou por cima da meta de Elias. Minutos depois, Cazares também tentou de cabeça, mas, assim como Clayton, a bola saiu pela linha de fundo.

O jogo caminhava para o término e o Galo continuava à procura do gol que lhe daria a classificação sem a necessidade das penalidades. Porém, a equipe mineira abusava de cruzamentos à área e não tentava outras jogadas. O Juventude, com isso, se fechava muito bem e inibia as chegadas de Lucas Pratto e Robinho na área.

As duas equipes já estavam esgotadas em campo e esperavam pelo apito final do juiz. Entretanto, aos 44 minutos, Elias fez última defesa espetacular, à queima roupa, em chute de Clayton. A resposta do Juventude veio logo depois, com cabeçada perigosa de Hugo Almeida que foi para fora. Mas os dois times não conseguiram marcar nos acréscimos e a partida caminhou para as cobranças de pênaltis.

Pênaltis

Juventude                                 Atlético-MG
Hugo (gol) Fábio Santos (gol)
Sanaduva (gol) Lucas Pratto (gol)
Wallace (perdeu) Gabriel (gol)
Roberson (perdeu) Cazares (gol)