Marcelo Oliveira deixa em aberto futuro no Atlético-MG: "Não posso pensar nisso agora"

Treinador alvinegro elogiou adversário e assumiu responsabilidade pela derrota diante do Grêmio

Marcelo Oliveira deixa em aberto futuro no Atlético-MG: "Não posso pensar nisso agora"
Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG

A derrota por 3 a 1 dentro de casa, diante do Grêmio, pela partida da final da Copa do Brasil 2016 foi um choque de realidade para o torcedor do Atlético-MG. Completamente dominado nos 90 minutos, o Galo revelou, de modo escancarado, o que muita gente já sabia: desequilíbrio entre ataque, um dos melhores do país, e defesa, uma das mais vazadas ao longo da temporada.

Analisando a partida, o treinador Marcelo Oliveira disse que a liberdade dada para o Grêmio foi fator crucial no revés. "O primeiro tempo foi ruim. Demos liberdade para o Grêmio e ele se aproveitou disso". Se é possível reverter o placar? Para Marcelo, sim. "É possível. Ficou mais difícil, foi decepcionante, mas eu acredito sempre nisso", afirmou.

Assumindo a responsabilidade pelo placar negativo, Marcelo Oliveira diz que a recomposição, uma das claras deficiências atleticanas, é cobrada dos jogadores. "A responsabilidade é minha. Eu sou o técnico. Você pode cobrar compactação, recomposição, isto é cobrado e treinado. Depende muito de treino e das características dos jogadores também", declarou.

Contra o São Paulo, pela penúltima rodada do Brasileiro, domingo(27), às 17h, no Independência, Marcelo não confirma, mas deixa implícito que usará um time mesclado. Os jogadores, no futebol brasileiro, jogando duas competições com tanta importância, desgastam muito. É possível que a gente vai preparar um time para quarta-feira e jogar com um time alternativo. Espero um Rocha com mais condição física e vamos ver o Luan. Espero o Otero também, vamos ver"​, disse.

Sobre seu futuro no comando do Galo, o técnico ainda não tem nada definido e deixa qualquer decisão a cargo da diretoria. "Qualquer especulação tem que ser perguntada ao presidente. Estou aqui para fazer o melhor trabalho possível. A minha concentração de energia é nos jogos que restam. Não posso pensar nisso agora, porque não estaria concentrado naquilo qie é mais importante", pontuou.