Após vitória, Roger Machado comemora funcionamento de estratégia nas bolas aéreas

Treinador do Atlético-MG disse que adversário estava fechado pelo meio e, por isso, tinha que apostar em jogadas pelas laterais e cruzamentos para chegar ao gol

Após vitória, Roger Machado comemora funcionamento de estratégia nas bolas aéreas
Resultado fora de casa é comemorado por Roger Machado (Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG)

Na vitória por 2 a 1 sobre o Atlético-GO, o Atlético-MG viveu dois tempos distintos durante a partida, disputada em Goiânia. Após um time morno na primeira etapa, e que não conseguiu chutar ao gol do goleiro Felipe, deu lugar a uma equipe mais objetiva no segundo tempo, resultando em gols para a equipe do técnico Roger Machado.

As substituições no intervalo deram um novo ânimo ao Galo. O zagueiro Matheus Mancini substituiu bem o garoto Bremer, que encontrava dificuldades para marcar o atacante Walter e corria o risco de ser expulso. Outra alteração foi a entrada de Robinho no lugar de Marlone, que teve atuação apagada.

O técnico Roger Machado reconheceu que a equipe atleticana teve atuações distintas nas duas etapas

Foram dois tempos distintos. No primeiro tempo, um jogo burocrático, o adversário se sentiu confortável e entrou para o nosso campo. O primeiro tempo foi do adversário, onde fizemos um jogo sem forçar as profundidades e criar dificuldades para o adversário, que se sentiu confortável e entrou para dentro do nosso campo. Mesmo assim, fez o gol em jogada de bola parada, no desenrolar dela, um rebote em que não marcamos bem na segunda trave. A entrada do Robinho pelo lado deu melhores opções. O Elias começou a atacar as profundidades. A virada veio da forma que a gente trabalha, com construção pelo lado, porque tínhamos que entrar pelos lados, porque o adversário estava fechado no meio”, disse o treinador.

Os gols do Galo na partida vieram em cruzamentos para a área. No primeiro, Cazares cobrou falta na cabeça de Fred; no segundo, Alex Silva encontrou Elias livre na área, que arrematou de cabeça. O treinador atleticano garantiu que isso foi uma estratégia adotada porque ao fato de o meio de campo encontrava-se bastante congestionado. Ele comemorou a eficiência da bola aérea atleticana.

Era uma estratégia para esse jogo, chegar pelo lado já que o meio estava congestionado. Tenho um centroavante que finaliza bem de qualquer forma. Quero que ele finalize de cabeça e também com os pés. Conseguimos fazer no segundo tempo o que não fizemos no primeiro. É um jogador confiante que pode decidir”, concluiu.

Após a vitória em Goiânia, o Atlético volta a Belo Horizonte e se prepara para receber o Bahia, quarta-feira (19), às 21h45, na Arena Independência, pela 15ª rodada do Brasileirão.