Em jogo emocionante e polêmico, Atletiba termina empatado na Baixada

Furacão acertou quatro bolas na trave e teve dois pênaltis a favor, mas não conseguiu vencer o clássico e perde chance de entrar no G-6; Coritiba reclama de pênalti não marcado antes do gol do Furacão

Em jogo emocionante e polêmico, Atletiba termina empatado na Baixada
(Foto: Gisele Pimenta/ Agência Estado)
Atlético-PR
1 1
Coritiba

No Atletiba realizado na manhã desse domingo na Arena da Baixada, Atlético-PR e Coritiba empataram em 1 a 1, gols de Werley e Felipe Gedoz, resultado ruim para as duas equipes. Com o resultado, o Furacão desperdiçou a chance de entrar no G-6, e ficou na 9ª posição com 31 pontos.

Na próxima rodada, o Rubro-Negro enfrentará o Fluminense em casa. Já o Coxa, segue lutando para se afastar da parte de baixo da tabela, e está na 14ª colocação, com 27 pontos. Na próxima rodada, o Alviverde enfrentará o Palmeiras em São Paulo.

A partida foi marcada por emoção e polêmicas envolvendo a arbitragem. O Furacão acertou quatro bolas na trave e viu Wilson ser um dos nomes da partida. Nos dois gols da partida, reclamações envolvendo a arbitragem de Anderson Daronco: no gol do Coxa, Werley teria tocado com o braço na bola, e no gol do Atlético-PR, um pênalti para o Coritiba foi ignorado, segundos antes.

Atlético perde pênalti, e Werley dá a vantagem para o Coxa

A partida começou mais pegada que disputada, e algumas entradas mais duras chamaram a atenção, dando trabalho para o árbitro Anderson Daronco. A primeira chance do jogo veio aos 23 minutos, quando Ederson subiu mais alto e tocou na rede, mas pelo lado de fora. O Furacão seguiu melhor na partida, e seis minutos depois, Paulo André cabeceou na trave.

O Coxa chegou pela primeira vez aos 33, em cabeçada de Alan Santos para fora. Aos 38, Jonathan tocou para Lucas Fernandes que finalizou forte para ótima defesa de Wilson. Segundos depois, o próprio Lucas Fernandes foi derrubado por Alan Santos, e o árbitro atrás do gol auxiliou Daronco na marcação do pênalti. Na cobrança, Nikão acertou a trave de Wilson, a segunda bola na trave no jogo.

Aos 44, Raphael Longuine cobrou falta, Werley desviou quase de ombro, e a bola entrou no cantinho de Weverton, Coxa 1 a 0. Os torcedores do Furacão reclamaram de toque no braço do zagueiro do Coritiba, mas a arbitragem validou o gol, no último lance da primeira etapa.

Furacão pressiona, Coxa tem pênalti ignorado e Gedoz garante o empate no fim

Em busca do empate, o Atlético-PR partiu para cima no segundo tempo. Mas a primeira chance foi uma coleção de trapalhadas: aos 3, após falta cobrada na área, Nikão e Guilherme furaram feio dentro da área, mas a bola sobrou para Lucas Fernandes forçar uma boa defesa defesa de Wilson. Três minutos depois, Pavez arriscou de longe e levou perigo.

O Coxa respondeu aos 12, quando Kleber recebeu de Longuine e tentou pegar Weverton desprevenido, mas errou o alvo, jogando para fora. Aos 13, Gedoz retornou aos gramados após um mês parado por lesão. Aos 15, Paulo André teve mais uma chance na partida, mas parou em Wilson.

Aos 25, Felipe Gedoz cobrou falta com maestria, mas a bola parou na trave. Ribamar entrou em campo aos 28 minutos, e três minutos depois, teve sua primeira chance, finalizando com perigo para fora. Aos 36, veio mais uma polêmica, dessa vez decisiva para a partida: Rildo foi derrubado por Pavez na área, mas Daronco mandou a partida seguir. No contra-ataque, Gedoz foi derrubado e dessa vez, o árbitro marcou a penalidade máxima, para revolta dos jogadores do Coxa.

Após muitas reclamações, e quatro minutos depois, o próprio Gedoz cobrou o pênalti deslocando Wilson, e empatou a partida, 1 a 1. Ainda deu tempo para, aos 47, Ribamar acertar a última bola no trave da partida, encerrando um grande jogo na Arena da Baixada.