Após conquista do acesso, Avaí empata com Brasil de Pelotas na despedida do ano

Leão da Ilha é recepcionado com casa cheia, mas fica no empate com Brasil de Pelotas no estádio da Ressacada, em Florianópolis

Após conquista do acesso, Avaí empata com Brasil de Pelotas na despedida do ano
Marquinhos jogou com a camisa 12, em homenagem à torcida (Foto: Jamira Furlani / Avaí FC)
Avaí
1 1
Brasil de Pelotas
Avaí : Renan; Alemão, Fabio Sanches, Betão e Capa; Luan, João Filipe (Judson), Renato, Marquinhos (Toshi), Diego Jardel e William (Rômulo). Técnico: Claudinei Oliveira.
Brasil de Pelotas: Eduardo Martini; Weldinho, Evaldo, Teco e Marlon; Leandro Leite, Washington, Felipe Garcia, Diogo Oliveira; Nathan (Gustavo Papa) e Ramon. Técnico: Rogério Zimmermann
Placar: 0-1, Ramon. 1-1, Rômulo.
INCIDENCIAS: Partida válida pela 38ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro 2016, disputada no estádio da Ressacada, em Florianópolis. Público total: 15.564.

Em uma rodada decisiva da Série B do Campeonato Brasileiro, Avaí e Brasil de Pelotas entraram em campo de sangue doce. Isto porque os objetivos dos clubes já haviam sido cumpridos com antecedência. O Avaí voltou para Série A e o Xavante consegue ficar na Série B para projetar 2017. Em campo, o Brasil foi mias interessado e conseguiu seu gol com Ramon no segundo tempo. Mas o Avaí chegou ao empate com Rômulo, ingressante da etapa complementar.

Com o resultado, o Avaí ficou em segundo lugar, vice-campeão da Série B 2016. Foram 66 pontos. O time passou por recuperação no returno com o técnico Claudinei Oliveira e conquistou o tão sonhado acesso para retornar à elite. O torcedor aplaudiu muito os jogadores na última jornada na Ressacada no ano. Para primeira divisão, também subiram o campeão Goianense, o Bahia e o Vasco da Gama.

O Brasil de Pelotas não conseguiu terminar na primeira página da tabela, mas ficou em 11º lugar, com 54 pontos somados. A equipe rubro-negra volta a disputar a segunda divisão brasileira na temporada que vem, buscando acertar manutenção de jogadores e contratações para evoluir no desempenho.

Primeiro tempo de ressaca pela pouca produção

O clima era de festa no estádio da Ressacada. O Avaí subiu à primeira divisão nacional com uma rodada de antecendência, ao ter derrotado o Londrina por 1 a 0, em pleno estádio do Café, no Paraná. Com o triunfo, os avaianos cravaram vaga no G-4 para voltar à elite nacional. Por outro lado, o rival Figueirense ainda se afundou no rebaixamento da Série A e as equipes de Florianópolis trocam de lugar em 2017. Do lado do Xavante, clima de objetivo cumprido pela permanência na Série B, após voltar a uma competição deste porte depois de mais de 15 anos afastado dos maiores palcos nacionais.

O goleiro Eduardo Martini foi aplaudido por ambas as torcidas presentes, tamanha sua história pelos dois clubes da tarde de jogo na capital catarinense. No time do Brasil, o zagueiro Evaldo curiosamente ganhou sua primeira oportunidade no ano no último jogo da temporada. Os demais zagueiros já renovaram com o clube e ele teve sua última chance.

Com a bola rolando, a primeira chance foi avaiana. Aos 6 minutos, Marquinhos cobrou falta alta demais e a bola foi direto pela linha de fundo. O Brasil respondeu aos 11 minutos. Jogada com Diogo Oliveira e Ramon para finalização de Felipe Garcia, que o goleiro Renan estava esperto para defender.

O jogo era movimentado, com bom início do Brasil, mas logo o Avaí equilibrando as ações. Aos 23 minutos, o Brasil chegou de novo com Nathan, ele entrou cara a cara com o arqueiro, mas Renan defendeu milagrosamente, quando já era marcado o impedimento do ataque xavante.

O zagueiro do Brasil, Evaldo recebeu cartão amarelo por falta em William. O Xavante começou a controlar o meio e usar os lados do campo. Perdeu boa oportunidade no final do primeiro tempo. Quando o Avaí acordou, acionou o lateral Capa, um dos melhores nomes da Série B, que cruzou fechado e quase abriu o placar. Com menos criação em casa, o Avaí ficou no 0 a 0 na etapa inicial.

Segundo tempo dos gols e reconhecimento dos torcedores

O segundo tempo começou com novamente o goleiro Renan brilhando. Diogo Oliveira recebeu, engatilhou o chute e o arqueiro avaiano espalmou para escanteio. O Brasil abriu o placar minutos depois. Diogo Oliveira abriu para Marlon e Ramon entrou como um raio para colocar no fundo da rede. O Xavante era melhor e enfim aproveitou suas chegadas: 1 a 0 aos visitantes.

Outra vez o rubro-negro pelotense arrepiou a defesa adversária, mas o lateral-esquerdo Marlon chutou forte e alto demais. O artilheiro Felipe Garcia não marca há tempos na Série B, tentou o dele, mas mandou novamente para fora. O técnico Claudinei Oliveira não gostava da postura do time e trocou. Em jogada ensaiada, o ingressante Rômulo aproveitou para empatar. Escanteio de Marquinhos cobrado por baixo, finalização na área, Martini espalmou e Rômulo estava ligado para colocar no fundo da rede: 1 a 1 no estádio da Ressacada.

Capa seguiu como o melhor nome do Avaí. O lateral-esquerdo teve nova oportunidade, mas desperdiçou com finalização forte. No Xavante, Nathan saiu e entrou o atacante Gustavo Papa. A recuperação efetiva do Avaí vinha e Eduardo Martini precisou fazer grande defesa em dois tempos para evitar a virada dos locais.

Aplaudido, o capitão Marquinhos saiu de campo e deu lugar ao japonês Tochi, também estreante na Série B na última jornada. O camisa 10 avaiano (hoje camisa 12 em homenagem à torcida) é um dos ídolos recentes na Ressacada e o torcedor reconheceu sua participação na campanha da Série B. No Brasil, o experiente zagueiro Cirilo também entrou, em quase clima de jogos de férias. Com ritmo lento e aceitação do resultado, os jogadores decretaram o empate por 1 a 1 no estádio alviazul. Os torcedores foram orientados para não invadirem o campo com o término da partida e a sequência da festa pelo acesso conquistado.