Com gols no segundo tempo, Avaí vence Palmeiras e vê saída do Z-4 mais próxima

Time catarinense iguala o número de pontos de Ponte Preta e Sport, na luta contra o rebaixamento. Agora, está apenas um de distância para o Vitória, o primeiro fora da zona

Com gols no segundo tempo, Avaí vence Palmeiras e vê saída do Z-4 mais próxima
Torcida e time em sintonia após resultado positivo (Foto:Jamira Furlani / Avaí F.C.)
Avaí
2 1
Palmeiras
Avaí: Mauricio Kozlinski, Maicon, Fagner, Alemão, Betão, João Paulo, Judson, Pedro Castro, Maurinho (WELLINGTON SIMIÃO 27/2°T), Marquinhos, Júnior Dutra (Luanzinho 30/1°T), Romulo (LOURENÇO 15/2°T). Técnico: Claudinei Oliveira
Palmeiras: Fernando Prass, Jean Luan, Yerry Mina, Michel Bastos, Thiago Santos (Willian 17/2°T), Tchê Tchê (DEYVERSON 36/2°T), Moisés (GUERRA 47/2°T), Keno, Dudu, Borja. Técnico: Alberto Valentim
Placar: 2-1. 11/2°T, Marquinhos. 16/2°T Lourenço. 29/2°T, Keno.
ÁRBITRO: Ricardo Marques Ribeiro Advertidos: (AVA) Kozlinski, Simião. (PAL) Fernando Prass, Willian
INCIDENCIAS: Jogo válido pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série A

O Avaí venceu novamente na Ressacada após cinco resultados negativos no Campeonato Brasileiro. Em jogo contra o Palmeiras nesta segunda-feira (20), o Leão conseguiu se impor na segunda etapa e não cedeu à pressão alviverde, conduzindo a torcida, que apoiou o time do começo ao fim, à uma festa no fim da partida. Faltam duas rodadas para o fim do torneio e o Leão vê a escapada do rebaixamento com cada vez mais um pouquinho de esperança.

Com a vitória, o Avaí agora tem 39 pontos e segue na zona da degola na vice-lanterna. O alviverde, por sua vez, se mantém em 3° com 60 pontos, mas perde a chance de se distanciar dos rivais, já que poderia terminar a rodada em 2° lugar. Na próxima rodada, a penúltima, o time catarinense enfrenta o Atlético Paranaense na Ressacada, e o Verdão recebe o Botafogo no Allianz Parque.

Primeiro tempo de pouca intensidade

O primeiro tempo inteiro foi morno, com chances dos dois lados, mas nenhuma muito perigosa. Ambos os times estavam abertos e procurando o ataque. O Avaí mantinha a postura de pressionar o time paulista na saída de bola para tentar buscar algum jogador de velocidade. Entretanto, muitas chances do Leão de fazer o gol foram por água abaixo, já que os atacantes estavam – quase sempre – em impedimento.

  Logo aos 2 minutos o Avaí teve a primeira chance. Rômulo recebeu pelo meio e abriu para Júnior Dutra. Ele bateu, a bola tocou na marcação e sobrou para Prass fazer defesa. O Verdão respondeu um minuto depois, com um chute de Borja fora da área que contou com uma defesa segura de Kozlinksi. O Palmeiras tocava a bola e mantinha a posse, envolvia o adversário e tentava achar Keno e Dudu para conseguir uma chance de gol.

 Apesar disso, a melhor oportunidade do primeiro tempo foi com Tchê Tchê, aos 16 minutos. Ele recebeu de frente para o gol, conseguiu limpar a marcação e bateu de fora da área. O meia, porém, viu a bola explodindo no travessão do time catarinense. O Avaí respondeu quatro minutos depois, quando Marquinhos recebeu uma bela bola, se livrou de Michel Bastos e tocou para Maurinho. O goleiro Palmeirense já tinha saído da meta e conseguiu evitar o gol do adversário quando o meia tentou bater na saída dele.

 Os dois times, na altura dos 20 minutos, finalizavam bastante à gol, mas o time paulista tinha mais condições de chegar à pequena área, já que o Avaí teve muitos impedimentos assinalados. Justamente pela facilidade de tocar bola do Verdão, o clube apostava em chutes de média distância, já que a equipe de Santa Catarina perdia muitas bolas no meio-campo, favorecendo o contra-ataque. O Leão, por sinal, esperava justamente por isso: um contra-ataque realizado após um lançamento nas costas da linha defensiva palmeirense.

 A última chance da primeira etapa aconteceu aos 40 minutos. Michel Bastos fez boa jogada pela esquerda e cruzou na área do Avaí, mas Borja não alcançou. Na sequência, ela voltou para Dudu, que bateu fraco e viu Kozlinski defender. Para o segundo tempo o Palmeiras precisava trabalhar melhor o meio de campo, sumido durante os primeiros 45 minutos, e finalizar melhor, enquanto o Avaí necessitava melhorar nas trocas de passes e nos posicionamentos de atacantes, para evitar impedimentos.

Segundo tempo de imposição e vitória do mandante

A segunda etapa começou sem alterações dos dois times e logo aos três minutos o Avaí estava chegando na área do Palmeiras com Luanzinho, mas com Tiago Santos mandando a bola para escanteio. Aos oito, o Verdão respondeu com Tchê Tchê, que driblou Alemão e bateu fraco, para a defesa de Kozlinksi. Apesar da chance, o Palmeiras rodava a bola de um lado para outro do campo, mas não conseguia furar a defesa do Avaí.

O visitante não teve tempo de pensar muito em como faria para adentrar a área adversária, já que aos 11 minutos foi sinalizado um pênalti para a equipe catarinense em uma boa jogada do time da casa. Rômulo lançou Maurinho, que saiu cara a cara com Prass e foi derrubado pelo goleiro ao tentar driblá-lo. A cobrança foi feita por Marquinhos, que bateu no canto esquerdo do goleiro. O arqueiro até pulou para o lado certo, mas não conseguiu alcançar a bola.

O Leão e a torcida, que já estavam felizes com a vitória parcial de 1 a 0, ficaram mais radiantes com o segundo tento, que ocorreu cinco minutos depois do primeiro. Em jogada de Maurinho deixando Michel Bastos para trás e lançando Lourenço. O atacante, que tinha acabado de entrar, soube aproveitar que o goleiro palmeirense já tinha saído do gol e tocou por cima dele para ampliar.

O Palmeiras precisava de organização tática e de uma maior presença de Keno e Dudu, que poderiam aparecer com suas ações individuais. Foi o segundo jogador que lançou Borja na área aos 28 minutos. O colombiano ganhou de Betão no corpo e cruzou para Willian, que entrou substituindo Tiago Santos, finalizar na trave. Foi o outro atacante, então, que teve sua chance de brilhar, um minuto depois, com o gol alviverde. Dudu chutou de fora da área, Kozlinski espalmou, e Keno, bem colocado, cabeceou para diminuir a desvantagem no placar.

 A equipe catarinense sofria com a pressão alviverde, já que não conseguia armar contra-ataque e via o adversário trocar passes próximos à meta, mesmo se defendendo. De qualquer maneira, o time visitante não conseguiu concluir a gol a segunda bola que tanto precisava. Aos 50 minutos, com o apito final do árbitro, a torcida catarinense fez a festa diante de uma vitória tão importante para o Leão.