Bahia vence, se aproxima do G-4 e mantém jejum de vitórias do líder Vasco da Gama

Tricolores foram melhores durante todo jogo e arrancaram uma vitória contra o líder; Para Cruzmaltino, sinal de alerta foi ligado, pois equipe já não vence há cinco jogos

Bahia vence, se aproxima do G-4 e mantém jejum de vitórias do líder Vasco da Gama
Foto: Felipe Oliveira / E.C. Bahia
Bahia
1 0
Vasco da Gama
Bahia: Muriel; Tinga, Jackson, Tiago, Moisés; Luiz Antônio, Juninho, Renato Cajá (Régis), Hernane (Zé Roberto), Edigar Junio, Victor Rangel (João Paulo); TEC: Guto Ferreira.
Vasco da Gama: Jordi; Yago Pikachu, Rafael Marques, Rodrigo, Julio Cesar; Marcelo Mattos (Junior Dutra), Douglas, Andrezinho, Nenê; Jorge Henrique (Eder Luís), Ederson (Thalles); TEC: Jorginho.
Placar: 1-0, Jackson, 32min. 1T.
ÁRBITRO: Dewson Freitas da Silva; Cartões Amarelos: Muriel, Renato Cajá, Hernane (BAH); Rafael Marques, Rodrigo, Andrezinho (VAS).
INCIDENCIAS: Partida válida pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro Série B 2016, realizada na tarde deste sábado (3), na Arena Fonte Nova, em Salvador, Bahia.

O Bahia conseguiu confirmar a boa fase e venceu o Vasco neste sábado (3) pelo placar mínimo, na Fonte Nova, em partida válida pela 23ª rodada da Série B. Após noventa minutos de pouca qualidade por ambas as partes, o resultado, construído ainda na primeira etapa após gol de cabeça de Jackson, após bela cobrança de escanteio promovida por Renato Cajá, favoreceu os nordestinos, que agora começam a sonhar novamente com a Série A na próxima temporada.

O triunfo, para o Bahia, representa a aproximação do G-4, mas já para o Vasco, a confirmação de que o atual momento precisa mudar. Somando agora 35 pontos, o Tricolor baiano está agora a uma vitória de entrar no grupo dos quatro primeiros, já que o CRB, quarto colocado, tem 37. Para o Vasco, a aproximação de Bahia, Londrina e principalmente Brasil de Pelotas já assusta. Com a serie ruim, a equipe parou nos 41 pontos, e a vantagem, que já foi de cinco pontos para o segundo, e onze para o quinto, hoje, se resume em dois e cinco, respectivamente.

Buscando manter o atual momento, o Tricolor terá pela frente duas pedreiras, e fora de seus domínios. Em Pernambuco, contra o Náutico, no próximo sábado (10), às 16h30, e depois contra o Paysandu, na terça-feira (13), no Mangueirão, às 19h15. Para o Vasco, o retorno a São Januário talvez não seja positivo. Vivendo sua pior fase dentro da competição, a pressão a qual a equipe, certamente, será submetida, poderá ser determinante para seu futuro. Contra o Oeste, às 16h30 do próximo sábado (10), começa a caminhada do líder, nem mais tão assegurado assim na tabela.

Bahia supera Vasco na entrega e sai na frente

O Vasco entrou em campo sem vencer há quatro jogos, para enfrentar um adversário que vivia situação oposta. Vindo de quatro partidas pontuando, o Bahia sonhava em, de vez, chegar perto de uma das metas definidas pela diretoria para o ano de 2016. Pressionado, o Vasco saiu para o ataque, mas sem muita organização, tentava, em vão, se aproximar da meta defendida por Muriel.

A resposta Tricolor veio imediatamente, quando em troca rápida de passes, Hernane ficou livre, mas Rodrigo se recuperou e conseguiu acabar com a jogada. Na sequência, em nova jogada do Brocador, foi a vez de Rafael Marques chegar na marcação, mas sem êxito, o zagueiro teve de apelar para a falta, que lhe rendeu o primeiro amarelo do jogo, deixando-o pendurado com menos de quinze minutos.

O Vasco então começou a tentar tocar a bola, mas a lentidão nas armações de jogadas atrapalhava, permitindo que o adversário se armasse novamente em torno da bola, tornando a vida dos atletas vascaínos, mais complicada. Contudo, apesar da ligeira vantagem do Bahia, nenhuma das equipes tinha, efetivamente, chegado ao gol rival. Pelo menos até os 32 minutos, quando Renato Cajá bateu escanteio com perfeição, na cabeça de Jackson, que cabeceou para o fundo do gol. No lance, jogadores do Vasco reclamaram falta em Douglas, mas o arbitro nada marcou.

O Vasco então se perdeu no jogo, e o Bahia, consciente desde o início de partida, manteve-se calmo, tentando administrar a vantagem, que já lhe garantia a aproximação ao G-4. O panorama se manteve até o apito que deu fim à primeira etapa.

Vasco volta apático para segunda etapa, não assusta e Bahia confirma vitória

Já na saída de bola, a impressão que a equipe vascaína passava era de que a conversa no vestiário, provavelmente acompanhada de bronca do treinador Jorginho, havia causado efeito. Com um minuto, Ederson ajeitou de cabeça e Jorge Henrique, em um “sem pulo” magnifico, pega de primeira, mandando na direção da gaveta, Muriel se estica como um felino, para espalmar a bola para escanteio.

O lance faz acordar a torcida vascaína, calada desde o gol do Bahia. A resposta vem dentro de campo e, em ótimos contra-ataques, o Vasco demonstra ainda estar vivo na partida. Porém, logo esse fogo apaga e a equipe carioca cai no mesmo marasmo de toda a primeira etapa, deixando de lado a impressão de que o seu gol amadurecia, e dando lugar a certeza de que o Bahia poderia marcar a qualquer momento.

Em chegadas esporádicas, o Vasco acabava levando perigo, mas sem muita efetividade, o gol não saia. Foi o caso da cabeçada do jovem Douglas, aos 37’, após ótimo lançamento de Rodrigo, mas para a sorte dos baianos, Muriel, em tarde feliz, tirou de coxa. No fim do jogo, o Vasco ainda ensaiou uma pressão, mas tudo não passou de um pequeno calor e o jogo terminou com o placar de 1 a 0, favorecendo os mandantes.