Após classificação, Jair elogia presença de torcedores: "Foram nosso 12º jogador"

Treinador alvinegro destaca importância dos fãs, que lotaram e fizeram uma bonita festa no Nilton Santos; Por outro lado, se afasta do rótulo de favorito e assume que seu time é um "azarão"

Após classificação, Jair elogia presença de torcedores: "Foram nosso 12º jogador"
Vitor Silva/SS Press/Botafogo

Após a vitória por 2 a 0 contra o Nacional-URU e a classificação para as quartas de final da Taça Libertadores, onde enfrentará o Grêmio. O treinador Jair Ventura falou sobre a sua equipe, que geralmente não é colocada entre os favoritos nos jogos: " Não temos que ficar chateados quando não nos colocam como favoritos. Não temos orçamento para isso. Mas conseguimos equiparar os orçamentos com trabalho. Estamos junto com o Grêmio dentro das mais importantes competições. Isso é prazeroso. Queremos sempre fazer o nosso melhor par anos, para nossa torcida e para nossa família."

Um fato pertinente da torcida foi a linda festa da torcida do Glorioso, que lotou o Estádio Nilton Santos e colocou mais de 40 mil pessoas nessa noite, quebrando o recorde de 2017: "A gente não se apega aos tabus. Mas automaticamente com o bom rendimento vamos quebrando eles. Essa felicidade é para essa torcida maravilhosa, que fez essa festa. Seria frustrante não conseguir a classificação com mais de 40 mil presentes. Foram nosso 12º jogador.", disse o treinador. 

Sobre a questão entre Gatito Fernandez e Jefferson na vaga de titular da meta alvinegra, Jair foi claro: "O Jefferson tem uma história linda dentro do Botafogo. Não é só um companheiro de trabalho, é um grande amigo. Mas ele ficou 3 jogos fora. Seria um pouco arriscado coloca-lo em campo. Por que o Gatito? O Jefferson tem um história linda e um presente lindo. Temos dois grandes goleiros. Mas o momento é do Gatito. Ele roeu o osso conosco lá atrás. Perdeu a posição para o Helton e recuperou. Mas isso não o credencia a ser o titular absoluto. Aqui ninguém é titular absoluto. Está em aberto. Não tenho nada definido. Para esse jogo, a escolha foi o Gatito."

Algo que atrapalhou o espetáculo fora a atitude dos torcedores uruguaios no final da partida, que quebraram muitas cadeiras do estádio. "É inadmissível em 2017 a gente só saber ganhar. É só ver o que aconteceu em Peñarol e Palmeiras. Não pode perder? Cheio de crianças aqui. Temos que dar exemplo. E o pior é que não acontece nada. E olha que eu sou o cara mais competitivo que conheço. Mas tem que saber perder. Perdi o Victor Luis por causa de provocação. Mas ele é homem. Isso é uma vergonha, tem que acabar.", completou Jair. 

Perguntado sobre as eliminações recentes de brasileiros na competição, Jair Ventura evitou se prolongar demais: "Fica uma situação chata comparar com Palmeiras e Atlético-MG. Não gosto de falar da equipe dos companheiros. Sabemos da diferença de investimento. Mas lá tem trabalho. Eles poderiam ter passado também. Seria desrespeito falar algo agora. Sei que trabalham. O Cuca faz um grande trabalho e tenho certeza que o Micale deu seu máximo. Prefiro falar do Botafogo."

O Grêmio, próximo adversário na Libertadores e da próxima rodada do Brasileirão, encanta o treinador alvinegro, que elogiou a equipe: "Vejo o Grêmio como a equipe que joga o melhor futebol do brasil. É o futebol mais vistoso e envolvendo. Perdemos de 2 a 0 lá e fomos muito envolvidos. Teremos muito trabalho. É a única equipe que está, ao nosso lado, nas três frentes (Brasileiro, Copa do Brasil e Libertadores). Não quero sair de nenhuma competição. O Grêmio hoje tem o melhor futebol dos times brasileiros. Mais um campeão. Mais uma vez seremos os azarões. Vamos fazer o nosso melhor e ver no que dá."

"Quem está despontando é o Grêmio. Estamos igual mineirinho, pelas beiradas. Lógico que eles são os favoritos, pelo futebol e pelo investimento, mas vamos vender caro.", finalizou. 


Share on Facebook