Botafogo recebe Chapecoense no Nilton Santos com equipes em momentos distintos

Oito pontos separam o Alvinegro do Alviverde; o clube carioca visa Libertadores enquanto o clube catarinense quer se ver longe do Z-4

Botafogo recebe Chapecoense no Nilton Santos com equipes em momentos distintos
(Foto: Sirli Freitas/Chapecoense)
Botafogo
Chapecoense
Botafogo: Jefferson (Helton Leite ou Gatito); Arnaldo, Joel Carli, Igor Rabello e Victor Luís; Lindoso, Burno Silva, Matheus Fernandes e João Paulo; Rodrigo Pimpão e Brenner
Chapecoense: Jandrei, Apodi, Grolli, Fabrício Bruno e Reinaldo; Moisés Ribeiro, Lucas Mineiro e Canteros; Alan Ruschel, Wellington Paulista e Túlio de Melo.
INCIDENCIAS: Partida válida pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro, disputada no estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro.

Botafogo e Chapecoense se enfrentam nesta quarta-feira (11), às 19h30, no estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro. Em momentos opostos na tabela, as equipes precisam somar os seis pontos. O Glorioso quer se manter no G-6, já o Alviverde quer se afastar ainda mais da zona da degola.

O clube carioca é o 6º colocado e possui 11 vitórias na competição. Nos últimos cinco jogos foram quatro vitórias e uma derrota. O clube catarinense tem nove vitórias e oito pontos a menos, 32 no caso. Nos últimos cinco jogos do Índio Condá foram duas vitórias, duas derrotas e um empate.

No primeiro turno, a partida na Arena Condá teve o clube de General Severiano como vitorioso. Com gols de Roger e Rodrigo Pimpão, os cariocas venceram por 2 a 0 com plena autoridade. Agora as equipes se encaram na casa do Botafogo, que precisa se recuperar da dolorida derrota nos acréscimos para o Vitória.

Botafogo tem uma dúvida importante e desfalque certo contra a Chapecoense

Léo Valência está fora do jogo diante da Chapecoense nesta quarta (11). O meia, que foi expulso contra o Vitória, foi punido pelo STJD devido à agressão e pegou um gancho de 4 jogos. O primeiro será diante da Chape.

A dúvida está no gol. Jefferson, Gatito ou Helton Leite? O primeiro está com amigdalite e é dúvida, mas não está descartado. O paraguaio está com a seleção e só chega ao Rio nesta quarta. Já Helton Leite é a última opção de Jair Ventura.

Igor Rabello falou na última segunda-feira e alertou sobre o apagão nos minutos finais jogando em casa, algo que já ocorreu contra São Paulo e Vitórias neste Campeonato: “A gente perdeu alguns pontos importantes em casa, mas ganhamos fora. Acontecem apagões, assim como teve contra o São Paulo e o Vitória. Não pode deixar acontecer. Aqueles minutos finais em que não pode vacila. Se ganharmos todas em casa, temos grandes chances de classificar para a Libertadores do ano que vem”, afirmou.

Bruno Silva também falou, mas nesta terça (10). O meia também lembrou dos apagões e pediu atenção para o Botafogo voltar a vencer diante da Chapecoense: “Campeonato Brasileiro é difícil. Ficamos chateados com a forma que a gente perdeu, mas méritos do Vitória, eles ganharam de adversários difíceis fora. Ali no final teve um apagão que o Jair já cobrou da gente. Jogo para pegar alguns exemplos, já esquecemos desse jogo, pensar na Chapecoense e voltar a vencer", completou.

Com mudanças e presença de Alan Ruschel, Chape busca três pontos no Rio

O Alviverde não terá o atacante Arthur Caíke, que está com amigdalite. No último treino, nesta terça, o lateral Alan Ruschel foi testado no ataque e é o provável substituto de Arthur.

Outra novidade que pintou no rachão desta terça foi a do meia argentino Héctor Canteros, que assume a vaga de Elicarlos. O técnico Emerson Cris promoveu a entrada do argentino no meio da Chape e o jogador deve iniciar a partida.

O treinador divulgou algumas estratégias treinadas pela Chapecoense para o jogo diante do Botafogo. A princípio, só a vitória interessa ao treinador: “A gente buscou a manutenção daquele setor de marcação forte, de pegada, que dificulta o adversário criar. Também demos uma ênfase maior a parte ofensiva. Fizemos vários treinos com essa proposta, treinos específicos de finalizações, com cruzamento, chute de fora da área, com triangulações, infiltrações, penetrações, tudo no setor ofensivo”, completou.