João Paulo é o único a se destacar em atuação pouco criativa do Botafogo; confira notas

Volante é o único jogador ofensivo que merece destaque após uma atuação desorganizada e ruim da equipe treinada por Felipe Conceição

João Paulo é o único a se destacar em atuação pouco criativa do Botafogo; confira notas
Foto: Vitor Silva/SS Press/Botafogo

O segundo jogo de 2018 do Botafogo representou que ainda há um longo caminho a ser percorrido. Pela Taça Guanabara, o Fluminense foi muito melhor que a equipe de Felipe Conceição no segundo tempo, que saiu na “vantagem” com esse resultado, de acordo com tudo que havia sido criado pelas duas equipes. A VAVEL Brasil dá notas às atuações da equipe de General Severiano nessa partida.

Jefferson: 6,5 – Fez uma boa defesa em cabeçada de Gilberto e se mostrou seguro durante todo o segundo tempo, mesmo com o ímpeto ofensivo do Fluminense.

Arnaldo: 5,0 – Sumido do jogo. Quando teve a bola, desperdiçou forçando alguma jogada tentando passar no meio de dois marcadores.

Igor Rabello: 6,0 – Atuação sólida. Fez alguns cortes providenciais e evitou que o Tricolor saísse de campo com a vitória.

Marcelo: 6,0 – Mesma coisa que seu companheiro de defesa. Foi providencial ao tirar para escanteio um chute de Pedro com seu peito.

Gilson: 5,0 – Nulo em campo

Matheus Fernandes: 5,5 – Foi perfeito ao anular Junior Sornoza, impedindo que o camisa 10 do Fluminense conseguisse se criar. Por outro lado, perdeu a cabeça em um lance envolvendo Marcos Júnior e, a partir daí, saiu no lucro de não ter sido expulso.

João Paulo: 7,0 – O cérebro da equipe e o único jogador de linha que merece algum tipo de destaque. Muito participativo, tentava criar chances ao Botafogo, mas seus companheiros não ajudaram.

Leonardo Valencia: 4,5 – Totalmente apagado. Se contra a Portuguesa-RJ o destacável de sua atuação foi a movimentação, dessa vez nada pode ser visto como positivo. Jogo sem brilho e abaixo da média.

Rodrigo Lindoso: 4,5 – Entrou no lugar do chileno e jogou tão mal quanto. Não conseguiu ocupar espaços e organizar o jogo do Botafogo, que fora a proposta pedida por Felipe Conceição.

Luiz Fernando: 5,0 – Pouco participativo durante a maior parte do jogo. Parece que possui dificuldades de jogar pelos lados sem que haja uma aproximação vinda do meio-campo.

Leandro Carvalho: 5,5 – Foi o responsável pela principal jogada do Botafogo no segundo tempo, quando deixou Renato Chaves no chão e teve seu cruzamento afastado. Ainda não teve muito tempo para mostrar seu futebol.

Rodrigo Pimpão: 5,5 – Importante taticamente, já que ajudou com o apoio defensivo, claramente se sentiu deslocado no lado direito do campo, o que diminuiu a qualidade de sua atuação.

Ezequiel: 5,0 – Até tentou, mas pouco conseguiu criar em um cenário de pouca criatividade vindo do restante da equipe.

Brenner: 3,5 – Um dos piores jogos do atacante com a camisa do Botafogo. Ficou impedido diversas vezes, caindo sempre no mesmo truque de linha de impedimento da defesa do Fluminense. Quando esteve em condições de jogo, pouco criou.

Felipe Conceição: 4,0 – Após um primeiro tempo sólido, a entrada de Rodrigo Lindoso piorou demais a atuação da equipe na etapa complementar, que não conseguia criar e nem defender com qualidade. Dessa maneira, o Botafogo sofreu com as investidas adversárias e, por isso, esse empate sem gols tem que ser comemorado.