Brenner marca novamente, Botafogo bate Boavista e permanece invicto na Taça GB

Torcida protestou contra jogadores, mas equipe ficou próxima de garantir classificação às semifinais da competição

Brenner marca novamente, Botafogo bate Boavista e permanece invicto na Taça GB
Brenner voltou a balançar as redes adversárias (Foto: Vitor Silva/SS Press/Botafogo)
Botafogo
1 0
Boavista
Botafogo: Jefferson; Arnaldo, Marcelo, Igor Rabello, Gilson; Matheus Fernandes, João Paulo, Léo Valencia (Renatinho), Luiz Fernando; Pimpão (Ezequiel), Brenner (Dudu Cearense).
Boavista: Rafael; Thiaguinho, Gustavão (Elivélton), Kadu, Júlio César; Douglas Pedroso (Vitor Faísca), Willian Maranhão (Marquinho), Erick Flores; Cláudio Maradona, Leandrão Caio Cézar.
Placar: 1-0, min. 4, Brenner.

O domingo (28) foi de afirmação para o Botafogo. Depois de um começo irregular, o Alvinegro ficou muito próximo de garantir sua presença nas semifinais da Taça Guanabara. Com gol de Brenner, a equipe de General Severiano venceu o Boavista por 1 a 0, em jogo sem muitas emoções, e pode comemorar a classificação ainda neste fim de semana.

Depois de primeiro tempo marcado por muitos erros, o Botafogo sofreu um susto no começo da segunda etapa, mas, logo na sequência, viu Gilson ser derrubado dentro da área, com o árbitro marcando a penalidade. Brenner, com a classe habitual, só deslocou o goleiro Rafael para abrir o placar. E ficou nisso.

Com a vitória, o Botafogo assumiu a liderança do Grupo C e depende apenas de si para se classificar às semifinais da Taça GB. Caso Fluminense e Madureira empatem, ainda neste domingo, o Alvinegro já terá vaga garantida. Caso a partida tenha um vencedor, basta um empate na próxima rodada, contra o Tricolor Suburbano, para carimbar o passaporte. Enquanto isso, o Boavista precisará de uma vitória contra a Portuguesa para terminar na segunda colocação da chave.

Começo cheio de erros e pouca criatividade

O confronto entre os líderes do Grupo C da Taça Guanabara começou bastante morna. O grande destaque ficava para um aspecto negativo: os passes errados. Até a primeira parada técnica, já eram 16 – nove para o Botafogo, sete para o Boavista -, numa média de quase um erro por minuto. A marcação alta da equipe de Saquarema dificultava a saída de bola alvinegra e forçava ligações diretas e bolas mais longas que quase nunca encontravam o alvo.

No entanto, após a parada para hidratação, os donos da casa pareciam ter se encontrado. Num dos primeiros lances de perigo, um contra-ataque pegou a defesa do Boavista desprevenida e João Paulo recebeu com espaço para finalizar após jogada bem trabalhada, mas o chute saiu por cima. Logo depois, aos 30 minutos, um lance surreal: após João Paulo tabelar pelo meio, Arnaldo apareceu livre na direita e fez o cruzamento para o camisa 8, que carimbou a trave. No rebote, Brenner foi travado, mas seu chute acertou o travessão de Rafael. Pimpão ainda tentou uma bicicleta, foi deslocado pelo marcador, mas a arbitragem marcou só escanteio.

Os visitantes pouco tiveram oportunidades de assustar o gol de Jefferson. À parte de um chute de longa distância de Leandrão, a única chegada veio em bola parada que Erick Flores bateu direto e o goleiro alvinegro afastou mal. Caio César, na sobra, tentou bater colocado, mas acabou mandando por cima.

Em segunda etapa movimentada, Brenner marca de pênalti e garante vitória

Logo no comecinho da segunda etapa, o Boavista assustou em cruzamento meio torto do lateral-esquerdo Júlio César, que foi na direção do gol e obrigou Jefferson a espalmar de maneira torta. Aos dois minutos, Brenner, Léo Valencia e Gilson fizeram boa jogada pela esquerda e o lateral recebeu um tranco de Kadu em suas costas. O árbitro de linha de fundo se comunicou com o juiz principal e a penalidade foi marcada. Na cobrança, Brenner deslocou Rafael e abriu o placar.

O caminho pelas laterais parecia ser o melhor para o Alvinegro, que lançou mão de Gilson, apoiando nas costas do experiente Thiaguinho, desde o começo da segunda metade de jogo. Mesmo depois de sair na frente, o Botafogo manteve a marcação avançada e conseguia travar os avanços adversários. Em cobrança de escanteio, Marcelo apareceu com muita impulsão, ganhou no alto, mas a cabeçada passou por cima, tirando tinta do travessão.

O reforço Renatinho, um dos jogadores mais celebrados pela torcida, entrou em campo e tentou um chute de muito longe logo em sua primeira participação. Acabou pegando mal e foi para fora.

Apesar de chegar mais ao campo adversário, o Botafogo ameaçava criar jogadas que levariam perigo, mas pouco chegou, de fato, ao gol defendido por Rafael, pecando nos últimos passes e optando pelas decisões mais complicadas. A “sorte” do Alvinegro é que o Boavista não conseguia furar a sua defesa. O próprio Renatinho apareceu bem cobrança de falta fechada, que Rafael tirou de soco. No fim, sem mais nenhuma chance, a vitória pelo placar mínimo garantiu a liderança e a classificação do time de General Severiano.