Recordar é viver: há doze anos, Botafogo encerrava jejum e se sagrava Campeão Carioca

Com 44 mil no Macaranã, Alvinegro superou o Madureira na final do estadual de 2006

Recordar é viver: há doze anos, Botafogo encerrava jejum e se sagrava Campeão Carioca
Foto: Reprodução/Blog Alvinegro Glorioso
Botafogo
3 1
Madureira
Botafogo: LOPES; RUY, RAFAEL MARQUES, SCHEIDT E BILL (JÚNIOR CÉSAR); THIAGO XAVIER (ATALIBA), DIGUINHO, JOÍLSON (GLÁUBER) E ZÉ ROBERTO; REINALDO E DODÔ
Madureira: RENAN; MARCUS VINÍCIUS, PAULO CÉSAR, ODVAN E PAULO ROBERTO; ROBERTO LOPES, DJAIR, MAICON (MARQUINHOS) E JOSAFÁ (RAFAEL); ANDRÉ LIMA E JOÃO RODRIGO (FÁBIO JÚNIOR)
Placar: 1-0, MIN 18'/1º T, DODÔ; 2-0, MIN 3'/2º T, DODÔ; 2-1, MIN 11/2º T, FÁBIO JÚNIOR; 3-1, MIN 35/2º T, REINALDO
ÁRBITRO: WAGNER TARDELLI; MANOEL DO COUTO FERREIRA PIRES E MARCELO FONSECA DUARTE
INCIDENCIAS: SEGUNDO JOGO DA FINAL DO CAMPEONATO CARIOCA 2006, JOGO REALIZADO NO MARACANÃ, NO RIO DE JANEIRO (RJ)

Botafogo e Madureira se enfrentem neste sábado (03) no Estádio Nilton Santos às 19h (de Brasília) em partida válida pela última rodada da Taça Guanabara, primeiro turno do Campeonato Carioca 2018. O Alvinegro é o líder do Grupo C com 8 pontos e vem de uma vitória por 1 a 0 contra o Boavista, vice-líder; o Madureira por sua vez, é o lanterna com 2 pontos e em seu último confronto, perdeu para o Fluminense por 2 a 1.

As equipes têm um histórico extenso de confrontos: 124 jogos. O Botafogo leva ampla vantagem com 93 vitórias, contra 13 vitórias do Madureira. Vantagem que não fica atrás no número de gols marcados: 325 do Alvinegro contra 124 do Tricolor.

Para entrar no clima do próximo embate entre as equipes, a VAVEL Brasil separou o jogo mais importante da história do confronto, a Final do Campeonato Carioca de 2006. Confiram!

A decisão

Após o Botafogo vencer o primeiro jogo da final por 2 a 0, com gols de Reinaldo, com um belo chute de fora da área após receber passe de Ruy, e Joílson, recebendo um passe vindo de Bill após jogada na linha de fundo, as equipes voltaram a se enfrentar no segundo e decisivo jogo, no dia 09/04/2006, no Maracanã.

O Botafogo entrou no jogo já com a vantagem conquistada no jogo anterior e aos 18 minutos abriu o placar com Dodô, que, após receber um passe de Joílson, acertou um belo chute que encobriu o goleiro Renan; esse chute teve dois fatos curiosos: o primeiro é que quando Dodô recebe a bola na intermediária (a aproximadamente 26 metros do gol) o lateral direito Ruy sobe ao ataque, mas ao reparar que o atacante arma o chute, ele reclama que não recebeu o passe, até o momento que percebe que Dodô acertou uma bela finalização e sai junto com o atacante para comemorar. A segunda curiosidade é que o chute de Dodô dificilmente encobriria o goleiro Renan caso não tivesse sido levemente desviado pela ponta da chuteira de Djair, capitão do Madureira.

A pressão do Botafogo continuou e o ataque alvinegro voltou a assustar a defesa do tricolor: Aos 48 minutos do primeiro tempo, Reinaldo driblou o zagueiro e sofreu a falta na entrada da área; Dodô foi para a cobrança e acertou a trave de Renan, no último lance do primeiro tempo.

Logo no princípio da etapa final, aos 3 minutos, o Botafogo encaminhou de vez o título. Após receber um passe em profundidade de Reinaldo, Zé Roberto tocou na saída de Renan e a bola foi lentamente se encaminhando ao canto direito da meta do tricolor, mas antes que ela ultrapassasse a linha do gol, Dodô chegou concluindo para o fundo das redes, para marcar seu segundo gol na partida.

Aos 11 minutos de jogo o Madureira descontou. André Lima fez o passe na entrada da área para Fábio Júnior que recebeu, passou pelos zagueiros e tocou na saída do goleiro Lopes.

O Botafogo chegou ao terceiro gol aos 35 minutos do segundo tempo. Glauber conduziu a bola pela esquerda e fez um passe para Zé Roberto, que fez um corta luz para Reinaldo invadir a área e bater no canto direito, sem chances para o goleiro Renan.

A Campanha

Nove anos após ganhar o último Título Carioca contra o Vasco, em 1997, e 8 anos após ser campeão pela última vez de um título importante, quando superou o São Paulo na decisão do Torneiro Rio-São Paulo, o Botafogo iniciou sua caminhada rumo ao título se classificando em segundo no Grupo B da Taça Guanabara e superando o Americano na semifinal por 2 a 1; na final, triunfou sobre o América por 3 a 1, e se classificou automaticamente para a grande decisão, diante do Campeão da Taça Rio, que ainda seria decidido. Já no segundo turno, a Taça Rio, o alvinegro terminou na última colocação do Grupo B e não se classificou para a semifinal.

Fato curioso é que no campeonato de 2006, dos 4 grandes do Rio, apenas o Botafogo chegou à disputa das fases finais. Na Taça Guanabara, Fluminense e Flamengo terminaram em 7º e 8º lugares, respectivamente, no Grupo A, e o Vasco foi o 4º colocado do Grupo B. Já na Taça Rio, no Grupo A, o Fluminense terminou em 3º, e o Flamengo em 4º; o Vasco repetiu a 4ª colocação no mesmo Grupo B.

O Craque da Trajetória

O Botafogo tinha um quarteto ofensivo que se destacou durante o Campeonato Carioca de 2006. Lúcio Flávio, Zé Roberto, Reinaldo e Dodô, marcaram juntos 21 dos 32 gols da equipe alvinegra na competição (melhor ataque). Mesmo com o quarteto perdendo uma peça importante no primeiro jogo da final, quando Lúcio Flávio rompeu os ligamentos do joelho direito e não pode mais atuar, o Botafogo não sofreu na segunda partida, e Dodô, marcando 2 dos 3 gols do Botafogo na final, se tornou o artilheiro da competição, com 9 gols, e merece ser destacado como o Craque da Trajetória Alvinegra até o Título.