Ceará vence Náutico com gols no primeiro tempo e assume vice-liderança da Série B

Vozão ainda perde pênalti, mas leva a melhor sobre Timbu e segue consolidado no G-4; pernambucanos permanecem fora do grupo classificatório à elite

Ceará vence Náutico com gols no primeiro tempo e assume vice-liderança da Série B
Foto: Christian Alekson/Ceará
Ceará
2 1
Náutico
Ceará: Éverson; Eduardo, Charles, Valdo e Thallyson; João Marcos, Richardson, Wescley (Marino, min. 76) e Felipe; Rafael Costa (Rafinha, min. 63) e Bill (Ricardinho, min. 85). Técnico: Sérgio Soares
Náutico: Júlio César; Joazi, Rafael Pereira, Eduardo e Henrique (Renan Oliveira, intervalo); Gastón Filgueira, Gustavo Henrique e Caíque (Hugo, intervalo); Jefferson Nem, Bérgson (Odilávio, min. 70) e Rony. Técnico: Alexandre Gallo
Placar: 1-0, min. 30, Eduardo; 2-0, min. 40, Bill; 2-1, min. 49, Rony
ÁRBITRO: Cláudio Francisco de Lima e Silva (SE). Cartões amarelos: Thallyson (min. 16), Gustavo Henrique (min. 43) e Bill (min. 85)
INCIDENCIAS: Partida válida pela 12ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro 2016, disputada na Arena Castelão, em Fortaleza, no Ceará

Na tarde deste sábado (25), Ceará Náutico se enfrentaram pela 12ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro 2016 em duelo direto por uma vaga no G-4. Com a força da Arena Castelão, em Fortaleza, o Vozão bateu o Timbu por 2 a 1, com gols de Eduardo Bill, ainda no primeiro tempo; Rony descontou no segundo.

Com o triunfo, os alvinegros ficam na vice-liderança da competição, indo aos 23 pontos e somando um a mais que o Atlético-GO, que foi ultrapassado e já jogou. Os alvirrubros, todavia, perdem nova chance de se garantirem no grupo classificatório à elite, caindo à 8ª posição e permanecendo com 18 pontos, três a menos que o 4º colocado.

Os times voltam a campo, pela 13ª rodada, já na próxima terça-feira (29). Os cearenses vão até Bragança Paulista encarar o Bragantino no Nabi Abi Chedid, às 21h30, enquanto os pernambucanos receberão o Luverdense na Arena de Pernambuco, às 20h30, buscando manter a invencibilidade como mandante na Segundona.

Ceará joga melhor e sai com boa vantagem

Em partida por vaga no G-4 da Série B, as equipes fizeram um início bastante truncado e estudado, com poucos lances no setor de ataque. O Náutico, como de praxe, começou pressionando a saída de bola, já o Ceará apostou na ligação direta para tentar não ficar apenas na sua defesa. Depois de um cruzamento despretencioso após tabelar com Wescley, o volante Richardson assustou Júlio César ao mandar a bola em direção à barra.

Buscando fazer valer o fator casa, o Vozão manteve a pressão sobre o Timbu e passou a controlar os ímpetos. A troca de passes veloz entre as peças ofensivas, porém, era insuficiente, devido à boa postura dos alvirrubros, que se seguraram como puderam e apostaram no contra-ataque para sair à frente.

Mostrando que estavam melhor e aproveitando a força da torcida, os alvinegros abriram o placar. Em cobrança de falta de muito distante, o lateral-esquerdo Eduardo bateu colocado, a bola desviou no meio do caminho em Henrique e traiu o camisa dos pernambucanos, indo ao fundo do barbante.

Apesar do gol sofrido, os visitantes não se acomodaram em campo e foram buscar deixar tudo igual e levaram perigo no único momento que tiveram durante todos os primeiros 45 minutos. Joazi arrancou em velocidade e arrematou cruzado, indo próximo à trave direita do camisa 1 dos mandantes.

Na reta final, os anfitriões aproveitaram um descuido defensivo dos adversários e ampliaram. Após contra-golpe mortal, o meia Wescley partiu sozinho pelo meio e deu leve passe ao atacante Bill, que estava livre. De frente para o arqueiro do rival, o centroavante apenas tocou por cima e viu a pelota morrer na meta. Logo em seguida, tiveram a chance de fazer o terceiro tento em um pênalti infantil cometido por Gustavo Henrique, mas Rafael Costa parou no goleiro dos recifenses.

Náutico reage, mas é insuficiente para evitar derrota

Para a etapa final, Gallo resolveu fazer duas alterações no ataque, já que não foi produtivo como esperado. O volante Gustavo Henrique e o meia Caíque, pouco efetivos, abrindo espaço a Renan Oliveira e ao estreante Hugo. Antes mesmo de cinco minutos, Renan deu um passe na medida para Rony, que saiu cara a cara com Éverson. Com apenas um toque, o atacante do Náutico tirou do goleiro e só teve o trabalho de mandar ao fundo do gol e diminuir a desvantagem.

Voltando melhor no segundo tempo, o Timbu passou a ser soberano em campo e começou a se aproximar mais do empate. Renan Oliveira bateu falta na pequena área e Rafael Pereira subiu bem para dar o cabeceio, mas o camisa 1 do Ceará segurou firme no meio da barra e interveio. Em seguida, Hugo tocou para Rony, que deu um chapéu em Thallyson e levou o tranco, porém a arbitragem nada marcou.

Buscando dar mais mobilidade ao setor ofensivo, Sérgio Soares optou por fazer uma modificação também no estilo de jogar. Rafael Costa, que não estava bem, foi substituído por Rafinha, com a possibilidade dar mais velocidade. Usando o gás a favor, o Vozão teve a chance de marcar pela terceira vez com Bill, todavia o centroavante chutou mal após domínio ruim.

Do meio para o fim, foi o Ceará quem teve chance de ir às redes, mas sem sucesso. Bill foi lançado na intermediária, levou a melhor sobre Rafael Pereira e saiu com liberdade. Sem marcação perto, o atacante encheu o pé e obrigou Júlio César a fazer uma boa defesa, evitando o terceiro tento e dando números finais ao confronto.