Chapecoense e Junior Barranquilla se enfrentam buscando às semifinais da Sul-Americana

Chape ainda não perdeu na Arena Condá pela Sul-Americana e Junior Barranquilla ainda não perdeu jogando fora de casa pelo torneio

Chapecoense e Junior Barranquilla se enfrentam buscando às semifinais da Sul-Americana
Foto: DIvulgação/Junior FC
Chapeconese
Junior Barranquilla
Chapeconese: Danilo; Gimenez, Neto, W. Thiego, Dener; Sergio Manoel, Matheus Biteco, Cléber Santana; Ananias, Hyoran, Kempes.
Junior Barranquilla: Sebastian Viera; Ivan Velez, D. Balanta, A. Perez, F. Noguera; S. Hernandez, L. Narvaez, J. Sanchez, V. Hernandez; Roberto Ovelar, L. Escalante.
ÁRBITRO: Enrique Cáceres Villafane (PAR)
INCIDENCIAS: Partida válida como jogo de volta das quartas de final da Copa Sul-Americana 2016.

Na noite desta quarta-feira (26), às 21h45, Chapecoense e Junior Barranquilla (COL) fazem a segunda partida das quartas de final da Copa Sul-Americana 2016, na Arena Condá. O Barranquilla venceu a primeira partida por 1 a 0 e saiu em vantagem. As equipes duelam pela vaga nas semifinais da copa.

Apesar da desvantagem de um gol, a Chape tem muita chance de sair de campo com a classificação na quarta-feira, já que que não perderam em casa na Copa Sul-Americana. Em contrapartida, o Junior também não perdeu fora de casa na competição. Nos seus respectivos campeonatos nacionais, Chape e Barranquilla estão em condições distintas.

A Chapecoense se encontra na 12ª posição e restando 6 rodadas para o fim do Campeonato Brasileiro 2016, a equipe não tem mais chances de título e dificilmente se classificará para a Libertadores 2017 pelo brasileirão. Entretanto, também não deve chegar a zona de rebaixamento, tendo em vista os seus resultados e os das equipes abaixo.

O Barranquilla se encontra atualmente na 18ª posição no Clausura da Liga Águila, atrás de time de menos tradição e só a frente do Cortulua e do Boyaca Chico. No Apertura, terminou na 5ª posição. E com a forma de disputa do campeonato local, o torneio está bem próximo do fim, apesar de ter duração até janeiro do próximo ano. Além da briga para sair do fim da tabela, o Barranquilla recentemente foi eliminado da Copa da Colômbia, partida em que se desgastou muito.

Chapecoense sem problemas para a partida decisiva

Para confirmar a presença nas semifinais da Copa Sul-Americana, a Chape parece não ter muitas dúvidas quanto a equipe. O técnico Caio Júnior escalou a Chapecoense no fim de semana, contra o Santos pelo Brasileirão, praticamente com a mesma equipe da primeira partida das quartas de final. Apesar da mudança da escalação para o 4-4-2, Caio mantive a base do time.

Após o fim da partida da última quarta, Caio Júnior falou com a imprensa e avaliou que a partida poderia ter sido mais favorável para a Chapecoense: “Como técnico, analiso a parte tática, que a gente cumpriu. Tomamos um gol num lance que era nosso, perdemos a bola. E tivemos lances capitais, no fim do primeiro tempo e no fim do segundo. Acho que o 1 a 1 seria ótimo resultado”, disse Caio.

Caio também falou que pode ter havido desgaste da equipe pela rotina de viagens exigida nos campeonatos que disputa: “Pode ter ocorrido o desgaste, sim. Porque hoje ocorreram erros de passe que geralmente não acontecem. E com o clima muito úmido, a gente tem dificuldade para reagir durante o jogo”, encerrou Caio Júnior.

Junior Barranquilla desgastado e com desfalques

Para garantir a classificação para as semifinais, o Junior Barranquilla terá que superar o desgaste que sofreu nas últimas partidas. A equipe vem jogando com espaço curto entre uma partida e outra. Nos últimos 10 dias, fez quatro partidas e isso rendeu alguns desfalques ao time. Os atacantes Toloza e Ovelar, os meias Aguirre, Vladimir, Barrera e Sánchez e o defensor Correa estão entre os lesionados após a eliminação pela Copa da Colômbia.

Giovanni Hernandez, treinador da equipe falou em poucas palavras e de forma taxativa sobre o ritmo pesado de partidas em sequência logo após a eliminação que o fez completar sete comandados lesionados: “Jogar a cada 72 horas é algo ilógico. Temos lesionados Toloza, Aguirre, Correa Barrera, Vladimir, Sánchez e Ovelar. O jogador de futebol não é uma máquina, eles se cansam como todos. Quem dá o espetáculo são jogadores de futebol. Isso os prejudica. Nada mais”, encerrou Hernandez.