Danilo faz milagre no fim, Chapecoense segura San Lorenzo e é finalista da Sul-Americana

Apesar de não sofrer grande pressão, Chape contou com defesa sensacional de goleiro nos acréscimos para avançar à histórica final, a primeira de um catarinense em competições internacionais

Danilo faz milagre no fim, Chapecoense segura San Lorenzo e é finalista da Sul-Americana
Foto: Divulgação/CONMEBOL
Chapecoense
0 0
San Lorenzo
Chapecoense: Danilo; Mateus Caramelo, Neto, Willian Thiego, Dener; Gil (Sérgio Manoel, min. 32/2ºt), Josimar, Cleber Santana; Ananias (Lucas Gomes, min. 19/2ºt), Tiaguinho, Kempes (Bruno Rangel, min. 31/2ºt). Técnico: Caio Júnior
San Lorenzo: Torrico; Angeleri, Caruzzo (Díaz, min. 37/2ºt), Coloccini, Emmanuel Mas; Corujo (Blandi, intervalo), Mussis (Ávila, min. 46/2ºt), Ortigoza, Blanco; Cauteruccio, Cerutti. Técnico: Diego Aguirre
ÁRBITRO: Daniel Fedorczuk, auxiliado por Miguel Nievas e Richard Trinidad, todos do Uruguai. Amarelos: Gil, Josimar, Cleber Santana (CHA); Angeleri, Caruzzo, Blandi, Ortigoza (SLO)
INCIDENCIAS: Jogo de volta da semifinal da Copa Sul-Americana 2016, na Arena Condá, em Chapecó, SC. Público: 17.569 torcedores. Renda: R$ 569.940,00

A Arena Condá viveu um dia inesquecível nessa quarta-feira (23). Em 2009, o estádio era palco de jogos da Série D. Sete anos depois, com toda uma cidade mobilizada para esta partida, a Chapecoense fez história, empatou em 0 a 0 com o San Lorenzo e garantiu vaga na final da Copa Sul-Americana. Essa será a primeira vez que um time catarinense disputa uma final de competição internacional.

A Chapecoense provavelmente não poderá jogar a final na Arena Condá, por conta da capacidade mínima que a Conmebol exige para as finais de suas competições. A Chape deve mandar seu jogo contra Atlético Nacional ou Cerro Porteño, que se enfrentam nesta quinta-feira (24), às 22h45, após empate em 1 a 1 no Paraguai, no Couto Pereira, em Curitiba.

No próximo domingo (27), a Chapecoense, 9ª colocada no Brasileirão, visita o praticamente campeão Palmeiras, no Allianz Parque, às 16h. Já o San Lorenzo, vice-líder do Campeonato Argentino, recebe o Boca Juniors, às 19h30. Jogos no horário de Brasília.

Chape tem gol anulado em primeiro tempo de poucas chances

O primeiro tempo na Arena Condá teve um panorama parecido com o da partida de ida, com pouca fluidez de jogo de ambas as equipes. Melhor para a Chapecoense, que conseguiu fazer 45 minutos iniciais seguros e ainda teve as principais chances da primeira etapa.

Apesar disso, o primeiro goleiro a ser exigido foi Danilo. Aos 19, Mas avançou pela esquerdo e chutou cruzado, mas o goleiro da Chape salvou. Seis minutos depois, em cobrança de falta para a área, a bola foi ajeitada para o meio por Josimar e Thiego mandou para o gol, que foi anulado por conta de impedimento praticamente milimétrico do zagueiro.

Aos 31, Ananias avançou pelo meio e, mesmo sem espaço, arriscou para o gol e exigiu defesa de Torrico. A Chapecoense teve em Kempes um ponto de referência ao fazer pivôs e deslocar a defesa, mas não foram muitas oportunidades em que o centro-avante teve apoio. Em um primeiro tempo bastante truncado (17 faltas), a Chape teve 46% de posse de bola, mas conseguiu controlar bem e foi para o intervalo com um placar favorável.

Danilo salva no fim e garante festa no Oeste catarinense

Na volta do intervalo, Diego Aguirre trocou o volante Corujo pelo atacante Blandi, claramente buscando uma postura mais ofensiva que a do primeiro tempo. Logo aos 4, Blandi percebeu o goleiro adiantado e finalizou de longe, mas Danilo se recuperou e fez a defesa.

Apesar da necessidade de vitória dos argentinos, em nenhum momento a Chapecoense se fechou excessivamente, nem sofreu grande pressão do San Lorenzo. Mas isso não significou que os visitantes não assustaram. Aos 17, após bola alçada na área, Mas desviou de cabeça e a bola bateu na trave.

A entrada de Lucas Gomes na Chapecoense aos 20, foi uma importante mudança de Caio Júnior para dar nova opção de contra-ataque para o Verdão. Diferente do esperado, os 15 minutos finais não foram de grande pressão do San Lorenzo, e a Chape até assustou mais, apesar dos erros de decisão nos passes finais.

A torcida da Chapecoense já fazia grande festa pela classificação, vendo uma atuação segura de seu time na sua Arena. Mas, a ida à final não foi sem sufoco. Aos 48, em bola alçada na área da Chape, Angeleri apareceu de frente para o gol e chutou forte, mas Danilo brilhou para garantir um feito histórico para a equipe, o estado de Santa Catarina e também ao país. Após o apito final do uruguaio Daniel Fedorczuk, a torcida verde pode comemorar com muito orgulho e justiça após um dia que será inesquecível para todos os presentes na Arena Condá.