Diretor de hospital atualiza quadro de sobreviventes no acidente em Medellín

Resgatado com vida, goleiro Danilo não resistiu e faleceu no hospital; outros três jogadores e jornalista seguem internados

Diretor de hospital atualiza quadro de sobreviventes no acidente em Medellín
Foto: Reprodução/Twitter

O acidente com a delegação e dirigentes da Chapecoense, além de profissionais da imprensa, que estavam a caminho de Medellín, fez 75 vítimas fatais e deixou seis sobreviventes. O diretor da clínica San Juan de Dios de La Sierra, na Colômbia, Guillermo Molina, que atendeu a alguns desses seis, atualizou o estado dos jogadores da Chapecoense e do jornalista brasileiro a bordo, em uma entrevista ao Seleção Sportv.

Danilo e Jackson Follmann

O goleiro Danilo, que era titular, foi resgatado com vida e levado ao hospital. A Cruz Vermelha noticiou o falecimento do atleta, mas voltou atrás e o recolocou na lista de feridos sob atendimento. A mãe de Danilo chegou a se pronunciar, dizendo que o filho teria sido levado para um outro hospital, com mais recursos. No entanto, Guillermo Molina confirmou a morte do goleiro da Chapecoense.

Danilo foi atendido no Hospital San Vicente junto com Jackson Follmann, também goleiro da Chapecoense. Segundo Mollina, Follmann teve uma perna amputada. “O Hospital San Vicente, de Rio Negro, recebeu Jackson e Danilo. Segundo informações do hospital, Danilo faleceu. Jackson, entendi que lhe tiveram que amputar um membro inferior”, disse o médico.

Alan Ruschel

O lateral Alan Ruschel chegou ao hospital em que trabalha Mollina por volta de 2h30 da madrugada e, segundo o médico, o paciente sofreu uma lesão na décima vértebra da coluna. O lateral segue agora em procedimentos para evitar sequelas nos membros inferiores.

Alan chegou com uma fratura de tíbia distal de membro inferior, com compromisso abdominal e fratura da vértebra dorsal D-10. Passou por cirurgia, porque tinha feridas no corpo. Com a tomografia que evidenciou a fratura, se considerou pertinente fazer uma ressonância magnétic. Entubado em condições estáveis, foi remetido a uma clínica em Rio Negro, para fazer a ressonância e procedimento de neurocirurgia, com imobilização para que não fique com sequelas e invalidez dos membros inferiores”, relatou Mollina. 

Neto

O zagueiro Neto foi o último jogador da Chapecoense a ser resgatado com vida, e deu entrada no hospital por volta das 7h da manhã com traumatismo craniano. “Neto chegou às 6h45 da manhã em um estado muito severo, com compromisso céfalo-craniano, de tórax e abdominal, com fraturas abertas de membros inferiores. O paciente foi entubado, recebeu respirador, passou pelo processo de equilíbrio hemodinâmico, raio-x. Neste momento se encontra em cirurgias com todos os procedimentos para garantir sua vida”, anunciou.

Rafael Henzel

Dos profissionais da imprensa que estavam a bordo, num total de 22, sobreviveu apenas Rafael Henzel, da rádio Oeste Capital, de Chapecó. Ele chegou consciente ao hospital San Juan de Dios de La Sierra, mas com alguns traumas. “Henzel entrou com um problema respiratório severo, com fraturas múltiplas de costelas, lesão no corpo, em pele. Ele se estabilizou, passou por cirurgia e se encontra na unidade intensiva se recuperando no pós-operatório”, contou Mollina.

Além de Follmann, Alan Ruschel, Neto e Henzel, a comissária de bordo Jimena Suárez também segue internada. Erwin Tumiri, técnico da aeronave, é o sexto sobrevivente e está fora de perigo.