Alan Ruschel: do Juventude ao milagre na Colômbia

Lateral foi um dos seis sobreviventes, lutando por sua carreira e sua vida

Alan Ruschel: do Juventude ao milagre na Colômbia
Alan Ruschel: do Juventude ao milagre na Colômbia

Um dos sobreviventes da tragédia que abalou o mundo todo. Alan Ruschel, lateral da Chapecoense, era um dos passageiros que embarcaram para a cidade de Medellín para fazer história com a camisa verde catarinense jogando a final da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional, o grande campeão da Copa Libertadores da América desse ano.

Quando o avião estava próximo da cidade colombiana, uma pane seca provocou a queda da aeronave, que matou vários jogadores, pessoas da comissão técnica e jornalistas. Porém, Alan Ruschel ainda respira. Em um hospital na Colômbia, o lateral foi um dos pouquíssimos sobreviventes do desastre que destruiu um sonho de uma cidade e comoveu pessoas de vários lugares do mundo.

Início da carreira

Alan começou na base do Juventude, clube do interior do Rio Grande do Sul, e subiu para o profissional no ano de 2008. Lá ele jogava como lateral, sua posição de ofício atualmente, e meio-campista, mas não teve muitas oportunidades no clube de Caxias do Sul e foi emprestado para a equipe do Pelotas em 2010.

Foi no Pelotas que Alan marcou seu primeiro gol na carreira. Mesmo assim, ele atuou no clube apenas por um ano e foi emprestado para a Luverdense na temporada seguinte, time que hoje se encontra na Série B do Brasileirão. Na equipe verde de Mato Grosso, ele atuou em 12 jogos e acabou não conseguindo muito destaque.

Depois de alguns anos, voltou ao Juventude em 2012 e conseguiu se destacar e se firmar na equipe. Naquele ano, conquistou seu primeiro título na carreira, a Copa FGF. Além disso, Alan atuou em 44 jogos no ano e marcou dois gols. 

A chegada na Chapecoense

Após um ano de destaque no Juventude, Alan despertou os olhares da Chapecoense, que iria disputar a Série B de 2013, campanha que levou o time de Santa Catarina à primeira divisão nacional e ao vice-campeonato daquele ano, perdendo o título para o Palmeiras. 

O grande problema é que Alan jogou apenas nove jogos e chegou até a marcar um gol, mas foi pego no exame anti-doping e proibido de jogar pela equipe de Chapecó naquele ano. 

A ida ao Internacional, onde surgiu Alan Ruschel

O nome Ruschel surgiu no Internacional, já que antes Alan Ruschel era apenas Alan, e começou a ser chamado pelo sobrenome por conta da presença de outros dois atletas com o mesmo nome no elenco colorado. Para evitar confusão, o simples Alan do interior do sul, ganhou mais um nome para tentar fazer história.

Teve uma boa passagem pelo Internacional, jogando 35 partidas e marcando um gol em 2014, disputando posição com o polêmico lateral Fabrício.

No outro ano, foi emprestado pelo Inter para atuar no Atlético Paranaense em 2015, mas fez apenas dois, ficando boa parte da temporada apenas se dedicando a treinamentos e esperando uma nova oportunidade de mostrar seu potencial.

A volta para a Chapecoense

Essa oportunidade só veio em 2016, quando o Internacional emprestou Alan Ruschel para a Chapecoense novamente. No retorno ao clube, o atleta não conseguiu ser titular em muitas oportunidades e atuou em apenas cinco jogos no ano, mas foi escalado para o jogo contra o Atlético Nacional na final da Sul-Americana.

A última partida

Alan Ruschel estava entre os titulares de Caio Júnior na partida de domingo (27), em São Paulo, diante do Palmeiras, que culminou com a conquista do título para o time paulista. O lateral atuou os 90 minutos e, mesmo com a derrota em campo, parecia bem empolgado para disputar a final da Sul-Americana.