Em retorno de Alan Ruschel, Chapecoense é goleada pelo Barcelona no Camp Nou

Troféu Joan Gamper fica com catalães, que vencem por 5 a 0 em dia de homenagens aos sobreviventes do acidente do vôo da LaMia

Em retorno de Alan Ruschel, Chapecoense é goleada pelo Barcelona no Camp Nou
Alan Ruschel agradece no momento de sua substituição (Foto: Ernesto Aradilla/VAVEL)
Barcelona
5 0
Chapecoense
Barcelona: Ter Stegen (Cillessen); Aleix Vidal (Semedo), Piqué (Marlon), Umtiti (Mascherano), Jordi Alba (Samper); Busquets (Aleñá), Rakitic (Digne), Iniesta (Sergi Roberto); Deulofeu (Denis Suárez), Suárez (Munir) e Messi (Paco Alcácer) | Técnico Ernesto Valverde
Chapecoense: Elias (Arthur Moraes); Apodí (Zeballos), Luiz Otávio (Douglas Grolli), Victor Ramos (Fabrício Bruno), Reinaldo; Moisés Ribeiro (Luiz Antônio), Lucas Mineiro (Khevin), Nenén (Nadson) (Moisés), Alan Ruschel (Penilla) (Dodô), Lourency (Guerrero) (Arthur Caike); Wellington Paulista (Túlio de Melo) | Técnico Vinícius Eutrópio
Placar: 1-0, 5' 1T, Deulofeu | 2-0, 10' 1T, Busquets | 3-0, 27' 1T, Messi | 4-0, 9' 2T, Suárez | 5-0, 28' 2T, Denis Suárez |
INCIDENCIAS: Jogo válido pelo Troféu Joan Gamper 2017

Em dia de homenagens e celebração à vida, o futebol viu novamente um grande show do Barcelona. Recebendo a Chapecoense no Troféu Joan Gamper, os catalães golearam por 5 a 0 e levantaram pela 40° vez a taça que leva o nome de seu criador.

O jogo também marcou o retorno de Alan Ruschel, sobrevivente do acidente da LaMia aos gramados. Os gols da partida foram marcados por Deulofeu, Busquets, Messi, Suárez Denis Suárez

Emoção e homenagens no pré-jogo

Aproveitando a primeira excursão pela Europa, o time de Chapecó teve seu nome gritado pelos torcedores presentes no Camp Nou. Pela primeira vez na história, no dia da apresentação do elenco oficial do Barcelona, também foi apresentado o elenco de outra equipe, com os nomes da Chapecoense chamados um por um. 

Após dirigirem-se ao gramado, o time braisleiro e os sobreviventes do acidente também escutaram as palavras do capitão Iniesta: "Hoje é um dia muito especial. Nós damos as boas-vindas à Chapecoense e esperamos que todos gostem do espetaculo."

Ovacionados ao entrar no gramado, Jackson Follmann Neto Zampieri deram o pontapé inicial da partida, sendo anunciados nos alto-falantes e deixando o campo visivelmente emocionados diante dos aplausos da torcida catalã.

Barça encurrala Chapecoense e marca 3 a 0

No primeiro lance da partida, Messi recebeu na ponta direita da grande área e fuzilou Elias, que fez bela defesa e mostrou um cartão de visitas de ambas as equipes.

Dois minutos depois, lá estava o goleiro da Chapecoense de novo, defendendo finalização de Suárez. Mas com grande pressão, o Barcelona fez o primeiro aos cinco minutos, quando Rakitic deu belo drible em Luiz Otávio e cruzou para o jovem Deulofeu abrir o marcador, contra um já vencido Elias.

E não demorou muito para sair o próximo. Alan Ruschel progrediu pela ponta direita e sofreu falta. A bola cruzada foi afastada pela defesa, e o contra ataque montou-se até chegar em Busquets, que da entrada da área, bateu no ângulo esquerdo, aumentando o placar.

A primeira finalização do time catarinense veio aos 15', quando Wellington Paulista arrancou sozinho e chutou de canhota, de fora da área. A bola saiu mascada, mas passou perto da trave de Ter Stegen. Na sequência, nova falta para a Chapecoense, e o cruzamento foi desviado de cabeça por Luiz Otávio, para fora. O time de Vinícius Eutrópio tentava, constantemente, apertar o Barcelona, que não sofria pressão.

Mais impetuoso, o Barcelona furava o bloqueio do time brasileiro com extrema facilidade, chegando assim ao terceiro gol aos 27', quando Messi tabelou com Deulofeu e recebeu de volta quase na pequena área para empurrar para dentro.

A partir daí, Elias voltou a se destacar. Ele defendeu finalizações de Messi Suárez, além de acertar diversas saídas do gol. Na única que não conseguiu parar o argentino, Reinaldo estava lá para salvar o gol, tocando de cabeça para longe da meta.

Aos 35', Alan Ruschel foi chamado para ser substituído. E a reação do Camp Nou foi um sonoro aplauso para o gaúcho, que ajoelhou-se no gramado e agradeceu pela oportunidade de estar novamente em um jogo de futebol profissional.

No final do primeiro tempo, o último lance foi de uma marcante arrancada de Apodí, que saiu do próprio campo e, quando próximo da área do Barcelona, foi desarmado por Iniesta, segundos antes do apito final, que proporcionou muitas trocas de camisas entre os jogadores de ambas as equipes.

Suárez deixa o dele, Arthur Moraes pega pênalti e Barcelona administra

Voltando ainda mais compacto para o segundo tempo, o time da Chapecoense procurou aproximar as linhas para impedir o jogo de Messi Suárez. Funcionou por instantes, mas aos nove minutos, os dois tabelaram e Suárez, batendo cruzado, finalmente venceu Elias e deixou sua marca.

Na sequência, o time catalão veio novamente para o jogo em contra ataque onde Messi cortou para o meio e arriscou de longe, passando próximo do canto esquerdo de Elias

Depois disso, o time catarinense conseguiu desenvolver um pouco mais seu jogo, chegando a arriscar para o gol com Túlio de Melo, de fora da área. Ele parou no goleiro Cillessen, que havia entrado há pouco. No lance seguinte, um show de Apodí: vivendo o jogo de sua vida, ele aplicou uma caneta e um chapéu em Jordí Alba, antes de sofrer falta do lateral do Barcelona.

Mesmo assim, o time de Ernesto Valverde nunca deixou de pressionar, e em outra jogada de contra ataque, Messi acertou belo passe para Denis Suárez marcar o quinto do Barcelona, chutando cruzado no canto esquerdo de Elias.

Logo após o gol, Elias Apodí foram substituídos e muito aplaudidos no Camp Nou devido às suas boas atuações frente aos craques do Barcelona. Ao mesmo tempo, o time da casa trocou sete jogadores, tirando todo seu time titular de campo.

Apesar de estar com os reservas, os espanhóis seguiam atacando constantemente, e um pênalti foi marcado após Semedo fazer jogada para cima de Khevin. Na cobrança, Paco Alcácer bateu forte no canto esquerdo e o goleiro Arthur Moraes fez bela defesa, no último lance significativo de ataque da partida, que marcou um belo tributo aos que partiram e também aos que sobreviveram e fazem a história da Chapecoense.