Para acabar com 'fantasma' de decisões, Corinthians encara Nacional-URU em Itaquera

Após jogo fraco e empate por 0 a 0 no Uruguai, Corinthians precisa de uma vitória simples para avançar as quartas de final da Libertadores. Empate com gols avança o Nacional. O resultado da primeira partida leva aos pênaltis

Para acabar com 'fantasma' de decisões, Corinthians
encara Nacional-URU em Itaquera
(Daniel Augusto Jr / Agência Corinthians)

Nesta quarta-feira (04), o Corinthians encara o Nacional do Uruguai, às 21h45, em Itaquera. No jogo de ida, no Estádio Gran Parque Central, os times não conseguiram sair do 0 a 0, em jogo frio e sem chances de gols. O Timão precisa de uma vitória simples para avançar as quartas de final da maior competição das Américas. Qualquer empate com gols leva os uruguaios a próxima fase. Empate por 0 a 0, penalidades.

A partida de hoje marca o quarto encontro entre as equipes na história, foram três jogos e três empates. O jogo de logo mais, também pode servir para o Corinthians acabar com os “fantasmas” das decisões na sua nova Arena, foram quatro eliminações – duas no Paulistão, uma na Libertadores e uma na Copa do Brasil.

O técnico Tite terá todo seu elenco a disposição, em exceção do volante Williams lesionado. Entretanto, o treinador alvinegro conta com a volta do meia titular, Giovanni Augusto – que não está 100% – mas foi liberado para o duelo e começa jogando. O Corinthians também terá novidade no banco de reservas, Marquinhos Gabriel, relacionado pela primeira vez, poderá ajudar o time no decorrer do jogo.

A decisão será com casa cheia, o Corinthians já vendeu mais de 42 mil ingressos e a promessa é de recorde de público no ano. O maior público do Timão em 2016 foi no confronto diante o Cerro Portenõ, na fase de grupos da Libertadores, quando venceu por 2 a 0 para 42.403 mil torcedores. O Corinthians tem média de público superior a trinta e três mil torcedores, a maior do Brasil.

Tite faz pedido a torcida e espera alto nível de competitividade.

“É um jogo de duas camisas pesadas, dois campeões, nível de competitividade alto e leal como foi no primeiro jogo. Com qualidade técnica, velocidade nas transições. Um com um jogo mais sustentado, outro mais vertical. Os jogos do Nacional têm demonstrado isso. É um jogo de futebol, não consigo ver de outra forma. Amanhã vemos quem é melhor. A única diferença é um contato físico a mais de ombro no alto. Na América do Sul se deixa seguir esse tipo de lance”, espera Tite.

“Vou falar para a torcida do Corinthians, fazer um pedido. Não é sermão. Apoie essa equipe. Tem jogadores aqui que estão há três meses, abriram mão de valores para estar aqui porque era o sonho deles. Marlone, por exemplo, abriu mão de valores. Guilherme queria muito ser campeão paulista pelo Corinthians, ele e André. Estão há três meses. Romero, Lucca... não é uma equipe há muito tempo junta. Se não tiver a compreensão dos torcedores, vai interferir. De cascudo tem Elias, Cássio, eu... às vezes eu mesmo me incomodo quando alguém fala lá de fora. Apoie, esse é o pedido”, pediu o treinador.

Classificado como segundo no Grupo 2 – o do Palmeiras – o Nacional do Uruguai tem todos os seus jogadores à disposição e vem com força total. A defesa consistente é comandada por um conhecido dos brasileiros, o zagueiro Vitorino da seleção uruguaia e que teve passagens por Cruzeiro e Palmeiras. O destaque da equipe é o atacante de 22 anos, Nico Lopéz. A arbitragem será argentina, no apito Néstor Pitana e os auxiliares Diego Bonfa e Cristian Navarro.

O vencedor da partida enfrentará o vencedor de Boca Juniors e Cerro Portenõ, na primeira partida, no Paraguai, o Boca venceu os donos da casa por 2 a 1.