Tite na Seleção: relembre a trajetória do técnico mais vitorioso da história do Corinthians

Três passagens pelo Corinthians, entre tristezas e glorias, bancado pelo presidente, campeão invicto da Libertadores e bi-mundial, os passos de Tite para chegar a seleção brasileira

Tite na Seleção: relembre a trajetória do técnico mais vitorioso da história do Corinthians
Foto: (Mauro Horita)

Nesta terça-feira (15), Adenor Leonardo Bacchi, o Tite, disse “sim” a CBF e aceitou assumir a seleção brasileira. Com isso, o técnico mais vencedor da história dos 106 anos do Corinthians deixara o comando do clube, após pouco mais de um ano do seu retorno. Essa foi a terceira da passagem de Tite no Corinthians.

O gaúcho de 55 anos começou a ganhar notoriedade após conquistar a Copa do Brasil com o Grêmio em 2001, justamente contra o time que o levou a seleção brasileira, o Corinthians. Entretanto, somente a partir de 2011 que o técnico se tornou uma referência entre os grandes técnicos do Brasil.

Sua primeira passagem foi entre 2004/2005 na conturbada administração de Dualib, Kia e MSI. Adenor iniciou sua segunda passagem no Corinthians na 31º rodada do Campeonato Brasileiro de 2010, na ocasião Mano Menezes também deixou o time paulista para assumir a seleção canarinho.

A história vencedora de Tite no Timão começaria com um dos maiores vexames da história do clube, a eliminação na pré-Libertadores diante o desconhecido Tolima, da Colômbia, com Ronaldo e companhia no primeiro semestre de 2011. A chegada ao CT pós-eliminação foi outro capitulo lamentável na história, torcedores receberam o ônibus com jogadores e comissão a pedradas e pauladas. Andrés Sanchez presidente na época bancou o treinador, que viria dar uma virada nessa página triste.

O inicio do Brasileirão de 2011 não poderia ter sido melhor, nas dez primeiras rodadas o Corinthians não perdeu, criou “gordura” e ganhou confiança para o restante do campeonato. Ponto a ponto, a equipe comandada por Tite consagrou-se campeã, foi na última rodada em um empate por 0 x 0 contra o rival Palmeiras.

No ano seguinte, em 2012, o ano glorioso de Tite no Corinthians, tudo começou com uma eliminação surpreendente no Paulistão diante a Ponte Preta, que fez com que o técnico trocasse o goleiro titular – Julio Cesar, hoje no Náutico – e colocar o então recém-chegado Cássio para a partida de ida das oitavas de final da Libertadores contra o Emelec. Tite levou o elenco até a inédita final da Libertadores, vencendo Emelec nas oitavas, Vasco nas quartas-final – jogo em Cássio fez milagre em chute de Diego Souza – Santos na semi-final e na finalíssima Boca Juniors. Com um empate por 1 a 1 na Bombonera e uma vitória por 2 a 0 no Pacaembu, Tite e Corinthians comemoraram a inédita taça e de maneira invicta.

2012 ainda promoveria Tite a um degrau ainda mais alto. No dia 12 de Dezembro (12/12/12), o Corinthians e Tite davam o primeiro passo no Mundial de Clubes enfrente ao Al Ahly. Com gol de Guerrero, o alvinegro avançou a final. Diante o Chelsea, o time de Tite fez um jogo parelho e novamente com gol de Guerrero levantou a taça de bi-campeão mundial. Titulo mais importante da passagem do treinador no Parque São Jorge.

Foto: (Reprodução)
Reprodução

Em 2013, Tite garantiu a Recopa diante o rival São Paulo e também faturou o Campeonato Paulista em cima do Santos. Mas acabou eliminado nas oitavas de final da Libertadores, em jogo polêmico contra o Boca Juniors, em noite desastrosa do arbitro paraguaio Amarilla. O técnico também foi eliminado na Copa do Brasil, nas penalidades. Alexandre Pato  – contratado naquele ano – acabou desperdiçando de maneira displicente a ultima cobrança. Os maus resultados acabaram levando o Corinthians a ficar na 8º colocação no Brasileirão e fora da Libertadores. O técnico acabou saindo – Mano Menezes assumiu.

O ano de 2014 foi uma temporada de estudos para Tite. O técnico não treinou nenhuma equipe naquele ano, aproveitou para se reciclar e aprimorar seus conceitos. No ano sabático, Adenor conversou com grandes técnicos mundiais em busca de melhorar seu sistema de jogo.

No ano passado, o Técnico voltou ao comando do Corinthians – pela terceira vez – e com futebol muito acima da média conseguiu levar o Corinthians ao hexa Campeonato Brasileiro com extrema vantagem e de maneira relativamente fácil. Levando em conta que o gaúcho de Caxias do Sul, durante o Brasileiro daquele ano, perdeu peças importantes do elenco. Esses resultados, seus títulos, sua índole, sua filosofia e seu projeto o levaram ao posto máximo que um treinador de futebol pode ir: a penta campeã mundial, seleção brasileira.

Com 378 jogos, 196 vitórias, 110 empates, 72 derrotas e 6 títulos, Tite agora assume o maior desafio de sua carreira, dirigir e colocar no devido lugar a seleção brasileira que acumulou vexames, manchando o passado de glorias. Tite se preparou muito para esse momento, a única coisa que resta é desejar ao professor, boa sorte.