Após empate sofrido, Cristóvão analisa: “Tínhamos maior obrigação de ganhar”

Em jogo morno e sem muitas chances de gols, Corinthians sai atrás, mas arranca empate nos minutos finais contra o Figueirense

Após empate sofrido, Cristóvão analisa: “Tínhamos maior obrigação de
ganhar”
Foto: (Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians)

Em partida válida pela 16º rodada do Campeonato Brasileiro, o Corinthians recebeu o Figueirense, em sua Arena, e só conseguiu arrancar um empate nos últimos minutos com ídolo da torcida, Danilo. Cristóvão Borges novamente foi criticado pela torcida devido substituições realizadas, mas o comandante entende as críticas, em partida, que para ele, era obrigação vencer. Para Cristóvão a equipe não jogou abaixo do normal apresentado.

O jogo passado era um clássico estadual, foi um resultado normal. Hoje não, hoje tínhamos maior obrigação de ganhar, isso sim, pode pesar se não recuperar nos jogos fora de casa", afirmou o treinador.

"Não achei que o time foi abaixo do esperado, foi melhor do que domingo passado, mas o Figueirense jogou por uma bola, no contra-ataque. Na volta do intervalo, ficaram ainda mais atrás, com só um atacante e todos no meio-campo. Eles se defenderam o tempo inteiro, e mesmo assim conseguimos criar, variando o jogo, pelos lados. Fomos melhores do que no jogo passado".

Após um primeiro tempo dominado por sua equipe, Cristóvão Borges viu a equipe comandada por Argel Fucks crescer na volta pro segundo tempo e abrir o marcador com um golaço de Dodô, ex-Atlético Mineiro. A partida também foi marcada por uma série de entradas fortes, o autor do gol do Figueira, Dodô ainda durante a primeira etapa acertou uma cotovelada no nariz de Giovanni Augusto, que saiu de campo sangrando – mas não teve maiores problemas.

O Figueirense teve quatro jogadores amarelados antes mesmo do fim do primeiro tempo, coisa que não aconteceu no segundo tempo. Já do lado alvinegro, Cássio foi amarelado, após entrada fora da área em cima de Dodô, jogadores do Figueirense pediram o vermelho para o goleiro, já que o arqueiro era o ultimo jogador do Timão.

O empate no fim não foi o suficiente para que a torcida do Corinthians aplaudisse a atuação da equipe, que mais uma vez saiu vaiada de campo. Cristóvão Borges analisou a situação.

"A torcida é exigente. Quando cheguei aqui, o que mais me chamou a atenção é que antes não existia isso do incentivo durante todo o jogo, com a aprovação ou reprovação só depois da partida. Mas, como viemos de um empate aqui, hoje eles estavam um pouco mais impacientes. Ainda mais por termos saído atrás", analisou.

O baiano também aproveitou para falar sobre a volta ao Pacaembu – devido as Olímpiadas.

"Isso é um fator importante, mas trabalhamos para que a equipe suporte bem o jogo em Itaquera ou fora daqui. A equipe que quer ser campeã precisa ter o mesmo comportamento, de alto nível, em qualquer lugar", falou Cristóvão.

Cristóvão Borges também falou a respeito de Alexandre Pato, vetado na sexta-feira por motivos físicos e que teria possíveis propostas para deixar o Timão.

"Desde que ele começou a trabalhar conosco, essa possibilidade sempre existiu, desde que aparecesse algo interessante para todos, ele e o clube. Só se aconteceu algo nesse sentido", completou.