Carille valoriza elenco após vitória sofrida contra Coritiba: "Tenho um grupo, não 11 titulares"

Em partida muito acirrada, Corinthians garante a vitória graças a dois gols do xodó Clayson; Jô voltando de lesão também marcou

Carille valoriza elenco após vitória sofrida contra Coritiba: "Tenho um grupo, não 11 titulares"
Foto: Miguel Schincariol/AFP/Getty Images

Nesta quarta-feira (11), véspera de feriado, o Corinthians enfrentou o Coritiba em Itaquera e venceu por 3 a 1. Apesar do resultado, o Timão teve a sua frente um Coxa inspirado e que quase venceu, não fosse noite inspirada de Cássio. A vitória começou nos pés do centroavante - artilheiro do Corinthians na temporada. O Coxa empatou ainda na primeira etapa com Henrique Almeida, após cabecear completamente livre na pequena área. Sobrou para o xodó e talismã nas ultimas partida, Clayson, virar e acabar com a chance dos paranaenses. Com dois tentos anotados, o atacante deu números finais a partida.

Fábio Carille fez questão de enaltecer seu elenco. Para o comandante do Timão, não há apenas 11 jogadores, mas sim um grupo. Nas ultimas três partidas, Clayson marcou quatro vezes: um no empate contra o São Paulo, um contra Cruzeiro em Minas e dois nesta quarta-feira. 

"Eu tenho um grupo, não 11 titulares. Começa por aí. O Clayson, se formos buscar, não é um fazedor de gols. Temos trabalhado bastante finalizações para que ele melhore, porque ele chuta bem, pega bem na bola. Somos um grupo, fizemos um primeiro turno maravilhoso com uma base e trocando bastante. Ele está buscando o espaço e estamos satisfeitos desde o início", analisou o treinador.

Outro jogador considerado reserva, mas que fez uma bela partida foi Marquinhos Gabriel. Pela ponta direita, o jogador criou as principais oportunidades do Timão e ainda colocou uma bola na trave na segunda etapa. 

"Com Marquinhos, ficamos mais agudo, mas perdemos um pouco o controle do jogo, coisa que eu gosto de ter. São características, não mudo minha forma de jogar. Fui para o 4-1-4-1 quando estava perdendo. Fica mais arriscado, mas temos de fazer em alguns momentos", disse o treinador que ainda colocou Fellipe Bastos e Kazim na partida.

Sempre cauteloso com os cálculos, Fábio Carille admitiu que faz suas contas e conta com cinco vitórias em onze jogos para levantar a sétima taça do Campeonato Brasileiro da história do Corinthians. 

"As contas que eu faço, não o que eu passo para o meu grupo, porque vamos jogo a jogo. São oito pontos de diferença, contando que o Santos vença amanhã. Se conseguirmos cinco vitórias, o Santos precisa de oito em 11. É impossível? Não, mas não é fácil. Acredito que com cinco vitórias seja campeão, porque é muito difícil conseguir oito vitórias em 11 jogos", pontuou. 

O ponto negativo da equipe Alvinegra ficou por conta do sistema defensivo tão exaltado na temporada. O Timão sofreu com bolas aéreas e só não foi mais vazado graças a uma noite espetacular do goleiro Cássio. 

"Trabalho demais a questão da bola parada. São 27 rodadas, tomei nove gols de cruzamento. Quantos vieram na minha área? Se for 10 por jogo, são 270 cruzamentos e tomamos nove", disse, avaliando o bom desempenho defensivo no Brasileirão. 

Fábio Carille ainda falou a respeito de Cássio, um dos principais nomes na partida diante o Coritiba:

"Desde 2012, o ano que o Cássio foi abaixo só 2016. No resto, foi participativo, pegou muito em 2015, esse ano outra vez. De cinco anos, quatro anos perfeitos", encerrou.

O Corinthians volta a campo no domingo (15), às 19h, contra o Bahia em Salvador. Já o Coxa recebe o Grêmio em casa no mesmo dia e horário.