Em ano histórico, Corinthians fecha Derby centenário invicto

Timão supera seus limites, vence todos os confrontos contra arqui-rival Palmeiras e domina ano que comemora os 100 anos do duelo

Em ano histórico, Corinthians fecha Derby centenário invicto
Foto: Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Colocar opostos em uma batalha sempre é sinal de guerra. No futebol, poucas (ou quase nada) coisas são tão auto-explicativas do que um Corinthians x Palmeiras. E quando estendemos essa rivalidade para um ano comemorativo, como foi 2017 para o Derby, as coisas tendem a se tornar históricas.

Em 1917, Corinthians e Palestra Itália se enfrentavam pela primeira vez já com sinais de rivalidade, já que o time alviverde tinha laços alvinegros em suas formações, por brigas e entreveros entre seus aliados. 100 anos depois, a divisão é tão nítida quanto água e óleo e cada jogo é tratado como uma final independente da situação de cada time ou torneio.

Só que é no campo que a história é escrita. É no campo que cada batalha tem um vencedor e o Timão se superou, venceu a desconfiança, erros, acertos, reforços, dinheiro e expectativa para escrever mais um capítulo único na história do Derby. O Corinthians venceu os três duelos centenários de forma categórica, todos com tudo que um grande clássico precisa, como expulsões, polêmicas, superações e grandes histórias. Será claramente um ano que vai durar décadas.

Paulistão-17: O começo de um ano mágico

Em 2017, um dos maiores clássicos do mundo completaria 100 anos. O Palmeiras entrava na temporada como campeão brasileiro, com reforços caros e importantes. Favorito ao títulos no ano, encarava um cambaleante e incógnita Corinthians no começo do Paulistão, em Itaquera.

Em campo, o que se viu foi um jogão. Empurrado pela Fiel, o Timão partia ao ataque, mas via o melhor time do Palmeiras também levar perigo. Até que nos minutos finais do 1º tempo, Gabriel recebeu o segundo cartão amarelo de forma errada e deixou o alvinegro com a menos. O erro crasso da arbitragem inflamou time e torcida, que numa sintonia impressionante, segurou o rival, levava um heroico 0 a 0, até que Maycon roubou a bola de Guerra, avançou pela esquerda, tocou para Jô, que marcou o gol da vitória.

Esse clássico mudou o ano e o rumo das duas equipes. O badalado Palestra nunca mais se encontrou, viveu lampejos e foi inconstante demais em 2017, enquanto o Timão deu a partida para um Paulistão vencedor e uma temporada extremamente consistente.

Brasileiro-17: A consolidação fora de casa

Líder, invicto, mas ainda com algumas incertezas. Esse era o Corinthians que visitava o Allianz Parque na reta final do 1º turno do Brasileirão. O time, que se tornou campeão paulista, e se superava naquele momento, sem perder nenhum jogo na competição, tinha o Derby como partida para mostrar ao que veio.

O Palmeiras ainda vivia nos ares da Libertadores, e tinha naquela noite de quarta-feira, a chance de diminuir vantagem para o rival e ainda quebrar a invencibilidade. Além desses ingredientes, a derrota no Paulistão, com um jogador a mais, ainda estava engasgada na torcida verde.

Em campo, o time de Cuca teve o domínio da posse, mas foi extremamente nervoso, sem criatividade, sem paciência e a torcida sentia isso, se enervando junto com o time. O Corinthians foi novamente aquilo que se viu no turno, com enorme paciência, um time muito bem postado, defesa segura, inteligente e letal. E contou com uma noite inspirada de seu lado esquerdo, com Guilherme Arana e Romero.

O lateral-esquerdo recebeu do paraguaio, foi tocado dentro da área e o juiz marcou pênalti. Jadson bateu firme e calou o Allianz. No segundo tempo, o cenário pouco mudou e o lance do segundo gol foi muito parecido, com Romero lançando Arana, que entrou pela esquerda, bateu cruzado e matou o jogo. A partida consolidou a equipe de Fábio Carille como um dos candidatos ao título, fato que se aproxima do fim.

Brasileiro-17: A consolidação no centenário

O ano de 2017 marcou três duelos entre Corinthians e Palmeiras. Se nos anteriores o Timão venceu e garantiu a maioridade na média, nenhum teria a importância que o Derby desse último reservou.

Isso porque aquele mágico Corinthians, que colocou quase 20 pontos na frente do rival, entrava extremamente pressionado por ter apenas cinco pontos de vantagem. Uma vitória verde e todo o feito passado estaria fortemente em risco.

Novamente em Itaquera, mas ainda no sábado, durante o último treinamento, a Fiel deu o tom do apoio: 32 mil pessoas dizendo para equipe que a torcida jogaria junto e o que se viu na hora do jogo fio impressionante.

Mais de 46 mil pessoas - recorde da história da Arena - apoiando como se fosse uma final de Copa do Mundo empurraram o apático Corinthians do segundo turno para um primeiro tempo muito bom. O clássico foi do tamanho das duas camisas e novamente com alegria alvinegra, vencedor por 3 a 2, abrindo oito pontos para o arqui-rival e pavimentando o sétimo título.