Roberto Cavalo critica série sem vitória do Criciúma: "Não estamos conseguindo repetir o empenho"

Criciúma perdeu para o Ceará, em Fortaleza, e caiu para sétima posição

Roberto Cavalo critica série sem vitória do Criciúma: "Não estamos conseguindo repetir o empenho"
Foto: Divulgação/Criciúma EC

Na tarde de sábado (16), o Criciúma perdeu para o Ceará, no Castelão, em partida válida pela 16° rodada do Campeonato Brasileiro Série B. Foi o quinto jogo seguido da equipe sem vitória, que agora caiu para a sétima posição, com 23 pontos. 

Após o fim da partida em Fortaleza, o técnico Roberto Cavalo falou sobre o rendimento da equipe em campo, e com certa pressão, falou sobre sua condição no comando do time catarinense. O comandante também dissertou sobre os cinco jogos sem vencer na competição. 

LEIA MAIS: Ceará bate Criciúma com gol solitário de Bill e se consolida no G-4 da Série B

De início, Roberto analisou a partida, que para ele, não foi má: "Começamos o jogo equilibrado. Tivemos chance no começo do jogo e fomos um time aplicado, corajoso, com maior volume de bola. Achei que tivemos um nível bom contra um time forte. No intervalo voltamos e tomamos esse gol, falamos na palestra que em uma bola o Bill decide. E na única que ele teve, fez. A equipe no segundo tempo foi apática. A pressão da torcida empurrou o Ceará, não tivemos posse e sentimos essa pressão", analisou.

Ceará bateu o Criciúma pelo placar de 1 a 0 no Castelão (Foto: Christian Alekson/CearáSC)
Ceará bateu o Criciúma pelo placar de 1 a 0 no Castelão (Foto: Christian Alekson/CearáSC)

Após o intervalo, o técnico fez algumas mudanças, mas que não foram suficientes: "Eu mando sempre adiantar a marcação, queria a roubada de bola dos atacantes para uma chance. Mas não teve como, a pressão do Ceará nos sufocou até eles fazerem gol. Depois reagimos um pouco, mas não o suficiente.", disse.

Sobre o cinco jogos sem saber o que é vencer, ele disse:: "É a queda de rendimento no segundo tempo. Contra o Luverdense deixamos empatar e depois fomos pressionados aqui contra o Ceará. Infelizmente não fizemos, o campeonato está nivelado, até pelo costume do Ceará conhecer o estádio ele leva vantagem. Nós, da maneira que jogamos, não conseguimos repetir o empenho.", afirmou.

Por fim, falou sobre a pressão de poder ser demitido do comando técnico - o que não o assusta: "Eu estou tranquilo. Cabe à diretoria, o resultado quem define é a diretoria.", concluiu.