Tupi joga mal e Criciúma vence sem dificuldades em Juiz de Fora

Time mineiro erra na defesa e permite que Criciúma construa vitória ainda no primeiro tempo

Tupi joga mal e Criciúma vence sem dificuldades em Juiz de Fora
Foto: Divulgação/Tupi
Tupi
0 2
Criciúma
Tupi: Rafael Santos; Henrique, Rodolfo Mol, Thiago Sales e Luiz Paulo; Renan Teixeira, Marcos Serrato (Ygor), Pedrinho, Hiroshi e Jonathan (Yago); Giancarlo (Thiago Espíndola). Técnico: Ricardinho.
Criciúma: Luiz; Paulo Cézar Magalhães, Raphael Silva, Diego Giaretta e Niltinho; Barreto, Douglas Moreira, Thiago Humberto e Caíque Valdívia; Roberto (Clayton) e Jheimy (Adalgísio Pitbull). Técnico: Roberto Cavalo.
Placar: 0-1, min. 24, Roberto e 0-2, min. 41, Jheimy.
ÁRBITRO: Marcelo de Lima Henrique (PE).
INCIDENCIAS: Estádio Mário Helênio, em Juiz de Fora (MG). 102 pagantes (263 presentes). Renda: R$ 1.800.

Em Juiz de Fora, o Tupi perdeu mais uma chance de vencer e continuar sua briga contra o rebaixamento. Jogando no Mário Helênio, na noite desta terça-feira (5) o alvinegro não segurou o Criciúma e perdeu por 2 a 0. Os gols catarinenses foram de Roberto e Jheimy, todos no primeiro tempo, em partida válida pela 29ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B.

A equipe mineira cometeu diversos erros, seja na saída de bola ou de marcação. Se aproveitando de tanta deficiência técnica, o Criciúma, que briga pelo acesso à Série A do Brasileirão, não teve muitas dificuldades para bater seu oponente e conquistar uma importante vitória fora de casa. 

Apesar do resultado positivo do Criciúma, e do momento negativo que vive o Tupi, o fator que realmente marcou na partida foi o público desastroso que o Estádio Mário Helênio recebeu. Foram exatos 102 pagantes, com 263 pessoas presentes ao jogo. A renda foi de apenas R$ 1.800. Quem estava no estádio, conseguia ouvir na íntegra as gritarias dos jogadores, especialmente, do goleiro Rafael Santos, do Tupi, e até as orientações dos técnicos Ricardinho e Roberto Cavalo. 

Na próxima rodada, o Tupi visitará o Bahia, domingo (9), às 19h30, na Fonte Nova. O Criciúma voltará a jogar na sexta-feira (7), contra o Vila Nova, às 20h30, no Estádio Heriberto Hulse.

Tupi erra muito e Criciúma se aproveita

Com os dois times precisando urgentemente da vitória, esperava-se uma boa partida, com dois times aplicados e atenciosos dentro de campo. Tantas qualidades só foram demonstradas pelo Criciúma. O Tupi apenas assistiu de camarote ao jogo catarinense. 

Nos primeiros minutos, o Tupi até forçou uma jogada de ataque, mas sem exigir qualquer intervenção defensiva do goleiro Luiz. Por outro lado, o Criciúma, ciente de que levaria uma pressão inicial, apenas esperou a hora certa de dar o bote e controlar a partida. 

A partir dos 15 minutos, o Criciúma passou a ter o domínio territorial e técnico da partida, deixando o Tupi na defesa, além de forçar os erros do time mineiro. Toda pressão catarinense teve efeito aos 24 minutos. Após escanteio batido por Thiago Humberto, a bola foi disputada pelo alto e sobrou limpa para o Roberto bater cruzado, de perna esquerda, sem chances para o goleiro Rafael Santos

Após o gol, o Tupi saiu para o ataque, deixando a defesa desprotegida perante as ofensivas do Criciúma. As melhores chances do alvinegro aconteceram com o atacante Giancarlo, ambas pararam nas luvas de Luiz. 

Se o time mineiro buscava o ataque, a defesa entregava. Aos 41 minutos, em uma reposição de bola do goleiro Luiz, a bola foi desviada no meio-campo e sobrou para Jheimy, no meio dos dois zagueiros do Tupi, que dormiram no ponto, deixando o atacante catarinense livre para marcar o segundo gol visitante. 

Criciúma controla o jogo e confirma a vitória

No segundo tempo, os dois times voltaram como terminaram a primeira etapa, tanto na formação de jogadores, como no futebol praticado. O Tupi demonstrava desorganização no ataque e também na defesa, enquanto o Criciúma não tinha problemas em segurar as poucas investidas do time mineiro.

Aos poucos, o Tupi foi caindo de produção. Mesmo com as mudanças processadas por Ricardinho - Jonathan no lugar de Yago, e Thiago Espíndula na vaga de Giancarlo - o time mineiro não construía qualquer jogada mais aguda. 

O Criciúma teve uma boa oportunidade em bola parada com Thiago Humberto, mas parou no goleiro Rafael Santos. O time catarinense poderia forçar mais e até fazer um placar mais elástico, mas com o resultado praticamente garantido devido à queda de produção do adversário, a equipe treinada por Roberto Cavalo apenas administrou o resultado que se confirmou ao final da partida.