Paulo Bento admite ineficiência no setor de criação do Cruzeiro e justifica escolha por Willian

Treinador português lamenta derrota para o São Paulo e discute com um dos jornalistas presentes na entrevista coletiva quando questionado sobre o colombiano Riascos

Paulo Bento admite ineficiência no setor de criação do Cruzeiro e justifica escolha por Willian
Paulo Bento garante que escolheu Willian por "questões de estratégia" (Foto: Washington Alves/Light Press)

O Cruzeiro conheceu sua terceira derrota no Campeonato Brasileiro, na noite deste domingo (5), quando saiu de campo vendo o São Paulo vencer, em pleno Mineirão, por 1 a 0. Após o duelo, o técnico Paulo Bento identificou os principais erros da Raposa na partida, sobretudo, no setor de criação, onde a equipe se mostrou pouco eficiente, ao contrário do Tricolor Paulista, na visão do lusitano.

“Tivemos um pouco de dificuldade na tomada de decisão nos últimos metros, tanto no momento em que recuperávamos a bola, quanto quando conquistávamos espaços entre as duas linhas adversárias. Tivemos muitas dificuldades para explorar os corredores laterais, o que acabou por nos prejudicar em termos ofensivos. Creio que, entre os jogos que já fizemos até aqui, esse foi o que criamos menos oportunidades. Não fizemos um bom jogo, no meu ponto de vista, e não fomos minimamente eficazes, ao contrário do adversário”, declarou Bento.

Na última sexta-feira (3), o treinador português já dava indícios que poderia mexer no time titular, mesmo tendo vencido o Botafogo, no meio de semana. E assim o fez. Paulo Bento optou por começar com Willian, deixando o colombiano Riascos no banco de reservas. O lusitano justificou a escolha, que foi bastante criticada pelo torcedor celeste, por conta da má fase do Bigode na temporada.

"Foi uma estratégia de jogo. Sabendo do que o São Paulo poderia jogar, optamos por um jogador com maior mobilidade, com maior capacidade de jogar entre a linha defensiva e volantes do São Paulo. Não conseguimos fazer. Não fomos eficazes por ter tomado essa opção. É fato. De qualquer foi foram não foi só essa questão", disse o português.

Paulo Bento chegou a se irritar com um jornalista, ainda na entrevista coletiva, quando foi questionado sobre a decisão de manter um centroavante "improvisado" na titularidade, quando tinha mais dois na reserva (Douglas Coutinho e Riascos). O português interpretou a pergunta como opinião pessoal do repórter, que retrucou afirmando que já foi jogador. Assim, o treinador do Cruzeiro rebateu.

"Eu também, eu também, eu também, eu por acaso também. Como eu sou o treinador, as opções tomo eu. Fique com a sua estranheza, que eu vou continuar com a minha. Já disse porque o Willian jogou em detrimento do Riascos. O Riascos é um jogador que chegou depois, treinou muito tempo separado e só depois foi reintegrado. Acabamos por optar por Willian neste jogo. Depois, não me parece, sinceramente, que, na maior parte do jogo, tentássemos cruzar em jogo direto", concluiu o técnico.