Mano enxerga melhora no Cruzeiro, mas lamenta chances perdidas em derrota

Raposa segue em sequência negativa na competição e mantém a penúltima colocação da tabela de classificação

Mano enxerga melhora no Cruzeiro, mas lamenta chances perdidas em derrota
Foto: Daniel Vorley/Light Press/Cruzeiro

Na reestreia do técnico Mano Menezes no comando do Cruzeiro, apresentado na última quarta-feira (27), a equipe mineira sofreu a quarta derrota consecutiva no Campeonato Brasileiro, ampliando uma sequência de seis jogos sem conquistar uma vitória na competição. Dessa vez, o revés foi para o Santos, na Vila Belmiro, pelo placar de 2 a 0, mantendo a equipe na penúltima colocação, com 15 pontos.

O novo treinador pontuou alguns avanços que percebeu na equipe, por enfrentar um time que sempre imprime muita pressão e dificuldade sobre seus adversários, quando mandante.

Nós que não acreditamos em milagres, sabemos que precisamos passar por algumas etapas para a equipe jogar o futebol como foi feito em determinados instantes do jogo, como em pequenos momentos conseguiu jogar, isso na parte ofensiva. Já melhorou, na minha opinião, em termos de posicionamento defensivo, esteve mais estável, sofreu pouco num lugar onde é muito difícil jogar, onde o Santos sempre tem muito volume e impõe essa dificuldade aos adversários que jogam aqui”, analisou o comandante celeste.

Diante de uma equipe que vem fazendo uma das melhores campanhas na competição, tendo permanência garantida no G-4 independentemente dos outros resultados até o fim da rodada, Mano apontou que o Cruzeiro poderia ter saído com o resultado positivo, mas viu um jogo coletivo mais qualificado do Peixe.  

Poderia até ter feito hoje [resultado positivo] porque teve oportunidades para fazer, mas o Santos jogou melhor como equipe, ainda tem uma equipe mais entrosada, produzindo mais dentro de campo, e o Cruzeiro oscila bastante”, declarou Mano.

Assim como tem acontecido nos últimos jogos do Cruzeiro, ainda sob o comando do ex-técnico celeste Paulo Bento, a equipe tem números expressivos de finalizações, mas não é efetiva, perdendo grandes chances de marcar gols. No duelo desta tarde, o time de Mano finalizou 13 vezes contra oito dos santistas, que converteram duas delas. Quando o Santos abriu o placar, com Vitor Bueno, aos 16 minutos da etapa final, o Cruzeiro tentava se fechar bem e sair para o jogo, mas o gol mudou o panorama da partida, como avalia Mano.

O gol no futebol muda o comportamento das equipes. Deu uma tranquilidade ao Santos, e tivemos que arriscar um pouco mais. Já estava conversando com o Ábila, independentemente do gol sofrido ou não, porque entendíamos que naquela hora precisávamos ter uma força física um pouco mais a frente pra segurar a bola e dar tempo da equipe chegar”, disse Mano, que apontou como normal a queda de produção da equipe quando desfavorável o placar: "Nada de psicológico, como todos gostam de falar que a equipe se abate. Acho que toda equipe sente quando toma gol. Vínhamos fazendo bem uma parte daquilo que se propôs, criando oportunidades. À medida que você sofre o gol, o abatimento é normal”, completou.

Não é repentina a má situação do Cruzeiro. Assim Mano considerou o momento da equipe, que não conquista três pontos no Brasileirão desde a vitória sobre o Palmeiras, no Mineirão, no dia 25 de junho. O treinador também citou a forma como a equipe conseguiu reagir no ano passado, quando conseguiu tirar o Cruzeiro da beira do Z-4 e quase conduzi-lo a uma vaga na Libertadores.

O Cruzeiro não está nesta situação na tabela à toa, aconteceram coisas para trás que nos colocaram assim e temos que ser inteligentes para isolar os fatos. É o que dizia para os jogadores hoje, não tem razão, além do abatimento da derrota, estar criando outros abatimentos. Outras equipes também perdem, a única diferença é que, pela situação que estamos na tabela, essas questões ganham uma divulgação maior, porque o Cruzeiro não está acostumado a estar nesse tipo de situação. Mas soubemos sair no ano passado, sendo inteligentes, soubemos assimilar logo o que precisávamos fazer”, disse Mano.

Com o placar desfavorável e tendo diminuído o ritmo para atacar o Santos, o gol contra, marcado pelo lateral-direito, Lucas, aos 29 minutos do segundo tempo, complicou uma tentativa de reação da equipe. Cauteloso, Mano disse preferir não conversar com o atleta logo depois do jogo, e que erros assim acontecem.

Não gosto de, imediatamente depois do jogo, abordar lances individuais. Todos estamos sempre com o sentimento a flor da pele, então é bom com mais razão, no dia seguinte,  de ambas as partes. Aparentemente, de onde eu estava, ele perdeu o tempo da bola, fez um movimento para afastá-la, mas como já estava estava acaindo, esse movimento fez com que cabeceasse a bola pro gol. Acontece, e tem momentos que isso acontece mais”, analisou Mano. 

Na próxima rodada do Brasileirão, o Cruzeiro recebe o também instável Internacional. O time colorado também vem de uma sequência negativa na competição, tendo ampliando-a para nove jogos sem vencer, depois da derrota para o Corinthians por 1 a 0, em casa, em jogo simultâneo ao duelo na Vila Belmiro. Em declínio na tabela de classificação, as duas últimas vitórias do time gaúcho na competição foram, justamente, contra os outros dois mineiros na Série A, Atlético e América. Questionado sobre a importância desse duelo, diante dos momentos que vivem as duas equipes, Mano apontou o valor da vitória diante do torcedor, que tem compreendido a situação do time.  

"Ele seria fundamental de qualquer jeito [jogo contra o Inernacional], todos os jogos serão fundamentais para o Cruzeiro, e a diferença é que vamos jogar com nosso torcedor, que sabe o momento que atravessamos e tem ajudado a equipe. Precisamos e vamos contar com o nosso torcedor na quinta, fazendo com que ele sinta orgulho da equipe que vai ver em campo, tentando fazer os pontos disponíveis nessa partida", completou Mano Menezes, em seu retorno ao comando celeste.