Há 30 anos, Reinaldo, ex-Atlético, era apresentado como jogador do Cruzeiro

Conhecido pelas jogadas, gols e opiniões contundentes, ex-atacante causou polêmica ao vestir a camisa do maior rival

Há 30 anos, Reinaldo, ex-Atlético, era apresentado como jogador do Cruzeiro
Foto: Reprodução/Blog Almanaque do Cruzeiro

Quando se trata de rivalidade no futebol, qualquer assunto entra em pauta. Seja uma contratação impactante, um título, ou até mesmo a humilhação sofrida pelo oponente. Mas, nada se compara a dor de ver um ídolo vestir a camisa do adversário mais tradicional. 

Para citar alguns nomes, assistimos vários ex-cruzeirenses como PalhinhaGuilherme, Leonardo SilvaFred, só para citar alguns e mais famosos vestindo a camisa do Atlético-MG. Os atleticanos não esquecem quando Luizinho, Éder, Toninho Cerezo e Guilherme Alves viraram a casaca. No entanto, em meio a tantas transações, nenhuma chocou mais a opinião pública quanto o anúncio de Reinaldo como jogador do Cruzeiro

O ex-centroavante do Atlético, que defendeu o alvinegro por 14 anos, entre 1971 e 1985, foi anunciado no dia 16 de agosto e se apresentou na sede do Cruzeiro, no Barro Preto, em 17 de agosto de 1986. O jogador assinou contrato e vestiu a camisa do clube celeste ao lado do então presidente Benito Masci. O camisa 9 relatou que o time cruzeirense seria o último de sua carreira. Naquela ocasião, Reinaldo estava com 29 anos e desgastado por lesões no joelho.

Saída do Atlético e passagens por outros clubes: A caminhada de Reinaldo

Desgastado por lesões que comprometiam as atuações do atacante, Reinaldo não era mais o mesmo de outras épocas. Em 1985, o atacante vivia seus últimos momentos com a camisa alvinegra. O Atlético havia sido eliminado do Campeonato Brasileiro pelo Coritiba e passaria a fazer excursões pela Europa. Fato normal para a época. Em agosto, o camisa 9 fez sua última partida diante do Ajax-HOL

Na volta para Belo Horizonte, apareceu à oportunidade de ir para o Palmeiras por empréstimo no valor de 250 milhões de cruzeiros, mais 100 milhões de salários mensais, conforme citado na Revista Placar, datado de 01 de novembro de 1985. Porém, a ida de Reinaldo para o clube alviverde foi frustrante. O jogador ficou no clube três meses e não marcou um gol sequer.

Foto: Revista Placar

Na volta ao Atlético, ele pediu o passe livre. O então presidente reeleito Nelson Campos disse que daria, mas voltou atrás. Segundo Reinaldo, em entrevista à Revista Placar, em oito de setembro de 1986, para o repórter Zinho Siqueira, o ex-presidente do clube José Cabral soube do acontecido e o camisa 9 ganhou o passe em três dias.

Dono do próprio passe em 1986, Reinaldo acabou indo para o Rio Negro, do Amazonas. Os valores eram de 200.000 cruzados de luvas, além de 30.000 mensais por quatro meses. Mas, o camisa 9 não chegou a cumprir o contrato e saiu do clube no final de julho, atuando em cinco partidas e marcando dois gols no Campeonato Amazonense. 

Em vias de encerrar a carreira, a oferta do Cruzeiro apareceu em agosto. Reinaldo revelou que na véspera da assinatura do contrato com o time celeste, um ex-dirigente atleticano tentou melar o negócio. 

"Ivo Mello, que não é sequer diretor do Atlético, me procurou em casa, dizendo que eu não poderia ir para o Cruzeiro, que eu era a imagem do Atlético. Ligou para o Benito Masci, presidente cruzeirense, afirmou que eu não iria mais e fez um cheque num valor maior do que ganharia até dezembro. Ligou, em seguida, ao Atlético dizendo que pagaria meus salários. Mesmo assim, eles não me quiseram. Então, ele renovou a proposta só para eu ficar em casa, dizendo que eu deveria voltar ao Galo. Mas, respondi que era profissional", contou Reinaldo à Revista Placar, em de oito de setembro de 1986.

Não teve jeito. Reinaldo assinou contrato com o Cruzeiro por quatro meses e passou a treinar visando sua estreia pelo clube celeste. Ainda para a Revista Placar, o camisa 9 contou o que a oportunidade de vestir a camisa cruzeirense representava para ele. 

"Já estou dando autógrafo para cruzeirense, apesar de ter uma imagem preta e branca gravada dentro de mim. Minha ida para o Cruzeiro foi excelente. Agora, tomei uma injeção de entusiasmo. Quero conquistar meu novo time, depois Minas Gerais. E completar meu ciclo no futebol", explicou.

Três meses e dois jogos: o fim do contrato de Reinaldo com o Cruzeiro

Após exatos um mês e dez dias de sua apresentação, Reinaldo estreou pelo Cruzeiro contra o Rio Branco-ES, no Mineirão, no dia 27 de setembro de 1986. O primeira partida do camisa 9 foi vista por mais de 30 mil pessoas. O centroavante jogou até os 15 minutos do segundo tempo, quando deu lugar a Hamilton. A nova oportunidade também aconteceu em Belo Horizonte, oito dias depois, contra o Bahia. Desta vez, o atacante jogou os 90 minutos, mas novamente não balançou as redes. 

Segundo o blog Almanaque do Cruzeiro, de Henrique Ribeiro, Reinaldo se ausentou dos treinos no dia 11 de outubro e só retornou cinco dias depois. O preparador físico Odilon Guimarães lamentou a ausência do jogador, pois os dias em que o atacante esteve ausente comprometeram o trabalho do centroavante. 

Ainda segundo a publicação, Reinaldo se ausentou outras duas vezes, fazendo com que a diretoria celeste suspendesse o contrato do atacante no dia 07 de novembro de 1986. O ex-atacante revelou a ESPN que a diretoria celeste não cumpriu o que havia acordado no contrato. Mesmo depois de sair do clube, nenhum valor havia sido pago ao atacante. 

Depois da passagem pelo Cruzeiro, Reinaldo ainda atuou pelo BK Häcken, da Suécia, pelo Telstar, da Holanda, encerrando sua carreira em 1988, aos 31 anos. Posteriormente, foi deputado estadual e vereador em Belo Horizonte, cursou e formou-se em jornalismo, sendo comentarista esportivo. O ex-centroavante reside em Nova York-EUA. Mudou-se com a família para a cidade norte-americana e abriu uma escolinha de futebol.