Cruzeiro vence Figueirense e deixa zona de rebaixamento

Com o resultado, time celeste dorme fora do Z-4, esperando pelo resultado partida entre Corinthians x Vitória; uma derrota do rubro-negro mantem cruzeirenses em 16º lugar

Cruzeiro vence Figueirense e deixa zona de rebaixamento
Foto: Eduardo Valente/Light Press/Cruzeiro
Figueirense
1 2
Cruzeiro
Figueirense: Thiago Rodrigues; Ayrton (Lins), Bruno Alves, Marquinhos e Pará; Jackson Caucaia, Yago (Jefferson), Ferrugem e Carlos Alberto; Rafael Moura e Dodô (Elvis). Técnico: Argel
Cruzeiro: ucas França; Lucas, Manoel, Bruno Rodrigo e Edimar; Henrique, Lucas Romero, Robinho (Marcos Vinícius) e Arrascaeta (Rafinha); Rafael Sobis e Ramón Ábila (Willian). Técnico: Mano Menezes
Placar: 0-1, min. 3, Henrique, 0-2, min. 47, Ramon Ábila e 1-2, min. 88, Ferrugem.
ÁRBITRO: Árbitro: João Batista de Arruda. Auxiliares: João Luiz Coelho e Rafael Traci
INCIDENCIAS: Estádio: Orlando Scarpelli, em Florianópolis (SC). Motivo: 21ª rodada do Campeonato Brasileiro. Público pagante: 2.578. Renda: R$29.655,00

O Cruzeiro fez bonito em Florianópolis. Jogando no Orlando Scarpelli, o time celeste venceu o Figueirense por 2 a 1, valendo pela 20ª rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols cruzeirenses foram de Henrique e Ramon Ábila, um em cada tempo, com Ferrugem descontando para o Figueira no final da partida.

A tática não foi mistério para ninguém. O Cruzeiro surpreendeu marcando o primeiro gol com três minutos, e o segundo foi aos dois da etapa final. Esta proposta celeste desarmou qualquer tática adversária nos dois tempos de partida. O Figueirense, forte em sua casa, não teve força e nem qualidade técnica para bater o time cruzeirense. 

Na próxima rodada, o Cruzeiro receberá o Santa Cruz, domingo (28), às 11 horas, no Estádio Mineirão. Já o Figueirense terá um compromisso dos mais difíceis. Enfrentará o Santos, que perdeu para o Coritiba neste domingo, na Vila Belmiro, também no domingo (28), às 11hs.

Início arrasador é determinante no primeiro tempo

Sem Fábio, com uma lesão no joelho, o técnico Mano Menezes promoveu para a partida o reserva habitual Lucas França, além de contar com o volante argentino Lucas Romero, que serviu a seleção argentina no torneio olímpico de futebol. 

Como tem feito nos primeiros minutos das últimas partidas, o Cruzeiro partiu para cima buscando o gol nos minutos iniciais. E sem deixar de perder o costume, a meta adversária foi vazada sem muita demora. Aos três minutos, após falta cobrada por Robinho, a bola bateu no zagueiro Marquinhos, e ficou à serviço do volante Henrique para tocar no canto esquerdo do goleiro Thiago Rodrigues. 

Após o gol, o Cruzeiro se assentou na partida, deixando o controle da bola para Figueirense. O time alvinegro procurava o meia Carlos Alberto para trabalhar o jogo ou Dodô, meia emprestado pelo Atlético a equipe catarinense. No entanto, sem ter muito sucesso, o Figueira errava passes e dava os contra-ataques para os celestes. 

A melhor chance do Figueirense foi aos 12 minutos. Após falta cobrada por Dodô, a bola passou por toda a defesa, e acertou a trave de Lucas França. No rebote, o zagueiro Bruno Rodrigo tirou a bola que chegaria ao defensor Bruno Alves com a meta celeste vazia. 

Sem o Figueirense só levava perigo em bolas alçadas na grande área, o Cruzeiro demonstrava maior consistência. Sempre em passes envolventes e jogadas bem trabalhadas, o time celeste chegou perto do gol com Rafael Sóbis, aos 14, e aos 30, com Lucas. Aos 35, em falta ensaiada e bem executada, Robinho lançou Arrascaeta, que arrematou de primeira e tocou por cobertura do goleiro Thiago Rodrigues. A bola bateu no travessão.

Cruzeiro marca novamente no início e encaminha vitória

Na etapa final, o Cruzeiro não fugiu a regra do primeiro tempo e marcou no começo. Aos dois minutos, Robinho recebeu na área, tirou a marcação e bateu no canto esquerdo de Thiago Rodrigues, e o zagueiro Bruno Alves tirou em cima da linha. Na sobra de bola, Ábila, oportunista, aproveitou o rebote para completar para as redes. 

O gol celeste novamente quebrou a estratégia do técnico Argel Fucks. O treinador havia alterado o time no final do primeiro tempo, preenchendo o ataque com mais jogadores. Sem ter o que fazer, o treinador apenas assistiu à partida, enquanto os atletas do Figueirense tentavam atacar, mas sem organização.

A situação ficou pior para o Figueirense quando Carlos Alberto agarrou Rafael Sóbis, em falta passível de cartão amarelo. Como o meia já tinha recebido outro no primeiro tempo, foi expulso. Com um jogador a menos, o Figueira insistiu no ataque - sem muita organização - e consagrou o goleiro Lucas França, que fez boas defesas nos arremates de Rafael Moura e na cabeçada o atacante Lins após cobrança de escanteio.

O grande pecado do Cruzeiro na etapa final foi não ter marcado mais gols. Com a defesa catarinense aberta, o time cruzeirense teve vários contra-ataques a seu favor, mas pecou nas finalizações. No final, o Figueirense marcou seu gol de honra. Aos 43 minutos, o volante Henrique vacilou e perdeu a bola para o meia Ferrugem, que ajeitou e bateu rasteiro no canto direito de Lucas França.