Árbitro relata ofensa de Mano Menezes em súmula e alega ter sido alvo de torcedor

Rafael Traci registra que um copo com líquido foi arremessado por um torcedor, devidamente identificado, em direção ao trio de arbitragem na saída do gramado

Árbitro relata ofensa de Mano Menezes em súmula e alega ter sido alvo de torcedor
Mano se referiu a Bruno Boschilla como "bandeira de escolinha" (Foto: Yuri Edmundo/Light Press)

A derrota para o Cruzeiro, diante do Botafogo, por 2 a 0, no Mineirão, na tarde deste domingo (11), promete render ainda mais nos próximos dias. Isso porque o árbitro da partida, Rafael Traci, registrou na súmula, ofensas proferidas pelo técnico celeste Mano Menezes e seu auxiliar Sidnei Lobo, durante e após o confronto.

Tudo começou após o segundo gol do Botafogo. Para a comitiva do Cruzeiro, a falta que gerou o segundo tento alvinegro na partida, não existiu. O banco de reservas reclamou, mas o auxiliar técnico Sidnei Lobo foi mais enérgico e acabou expulso pelo árbitro, após ter sido avisado pelo assistente número um, Bruno Boschilia, de que teria sido ofendido de "fraco e burro".

"Aos 35 minutos do segundo tempo, após ser informado pelo assistente número 1, Bruno Boschilia, expulsei do banco de reservas o sr. Sidnei de Espírito, auxiliar técnico da equipe do Cruzeiro, por reclamar de maneira acintosa e grosseira dizendo as seguintes palavras: "ele é muito fraco e muito burro". Após ser expulso, continuou dizendo para o 4º árbitro, Felipe Duarte Varejão: "eu sou do Paraná, eu conheço ele, arbitragem muito fraca", relatou Traci.

Foto: Reprodução/CBF)
Foto: Reprodução/CBF

Após o apito final, ainda nos corredores do Mineirão, Mano Menezes foi atrás do trio de arbitragem para reclamar, sobretudo, do gol de Ramón Ábila, no fim da partida, invalidado por Boschilla. O árbitro alega ter sido chamado de "sem vergonha" pelo treinador do Cruzeiro, que ainda se referiu ao assistente número um como "bandeira de escolinha".

"Após o término da partida, informo que, no corredor de acesso ao vestiário da arbitragem, fomos abordados pelo sr. Luiz Antonio Venker Menezes, técnico da equipe do Cruzeiro, dizendo as seguintes palavras, referindo-se a mim, Rafael Traci: "vai ver o impedimento que o seu bandeira deu no final, e a falta que você marcou no segundo gol, seu sem vergonha", repetindo incisivamente que eu era "sem vergonha". Ato contínuo, referindo-se ao assistente 1, Bruno Boschilia, disse: "vá ver o impedimento que você deu, seu bandeira de escolinha", informou.

Entre uma confusão e outra, mais um incidente, desta vez, envolvendo um personagem que estava fora das quatro linhas: um torcedor atirou um copo com líquido em direção ao túnel central de saída, visando acertar o trio de arbitragem. A pessoa, devidamente identificada, foi encaminhada para a delegacia do Mineirão, onde foi lavrado um boletim de ocorrência. O advogado do Cruzeiro, Edson Travassos de Moraes Jr, também estava presente no ato.

"Após o término da partida, na saída do campo de jogo, próximo da entrada do túnel central de acesso aos vestiários, foi arremessado líquido em direção da equipe de arbitragem vindo da torcida do Cruzeiro. Informo ainda que o sr. Edson Travassos de Moraes Jr, OAB MG 123271, advogado da equipe do Cruzeiro, nos relatou que foi registrado um boletim de ocorrência", disse na súmula.