Cruzeiro e Chapecoense ficam no empate em jogo de duas bolas na trave e defesa de pênalti

Equipes mantém posturas distintas na partida e não conseguem tirar o zero do placar; Verdão do Oeste segura resultado com atuações brilhantes do goleiro Danilo e do zagueiro Neto

Cruzeiro e Chapecoense ficam no empate em jogo de duas bolas na trave e defesa de pênalti
Foto: Washington Alves/Light Press
Cruzeiro
0 0
Chapecoense
Cruzeiro: Rafael; Lucas, Léo, Bruno Rodrigo e Edimar; Lucas Romero e Henrique (Min. 00, Ariel Cabral, 2ºT); Rafael Sobis (Min. 20, Willian, 2ºT), Robinho e Rafinha (Min. 31, Alisson, 2ºT); Ramón Ábila. Técnico: Mano Menezes
Chapecoense: Danilo; Gimenez, Neto, Willian Thiego e Dener (Min. 30, Gil, 2ºT); Matheus Biteco, Sérgio Manoel, Cleber Santana e Alan Ruschel (Min. 18, Hyoran, 2ºT); Ananias e Kempes (Min. 18, Bruno Rangel, 2ºT). Técnico: Caio Júnior
ÁRBITRO: Luiz Flavio de Oliveira, auxiliado por Miguel Caetano Ribeiro da Costa e Herman Brumel Vani. Cartões amarelos: Lucas Romero (Cruzeiro); Cléber Santana (Chapecoense)
INCIDENCIAS: Partida válida pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro, disputada neste domingo (16), no Mineirão, em Belo Horizonte/MG.

Cruzeiro e Chapecoense entraram em campo, na tarde deste domingo (16), no Mineirão, em partida válida pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro. As duas equipes não conseguiram tirar o zero do placar. O goleiro Danilo e o zagueiro Neto, do Verdão, foram os destaques da partida.

O resultado não agradou ao Cruzeiro, que segue em alerta contra o temido Z-4. A equipe celeste segue na 12ª colocação, com 38 pontos, três a menos que o Vitória, adversário do próximo domingo (23), às 17h, no Barradão, na 32ª rodada do Brasileirão.

A meta da Chapecoense é atingir os 45 pontos o mais rápido possível. Com o empate heróico no Mineirão, a equipe do técnico Caio Júnior segue na 11ª posição, com 42 pontos. Assim, o Verdão do Oeste fica a uma vitória do objetivo. Agora, o foco do time catarinense é na Copa Sul-Americana. Na quarta-feira (19), a Chape enfrenta o Junior Barranquilla, na Colômbia, pela primeira partida das quartas de final da competição. Pelo Brasileirão, o adversário será o Santos, no domingo, às 19h30, na Arena Condá.

Cruzeiro domina primeiro tempo, mas trave e Danilo impedem gols

A Raposa fez jus ao mando de campo e começou tomando as ações da primeira etapa com um chutaço de Henrique, de fora da área, assustando o goleiro Danilo, que viu a bola passar à sua direita. No lance seguinte, foi a trave que salvou o Verdão do Oeste. Cruzeiro cobrou lateral rapidamente e a bola sobrou com Lucas que, de primeira, mandou uma bomba no poste direito da meta catarinense.

No minuto seguinte, mais Cruzeiro. Lucas apareceu muito bem pela direita e rolou para Rafinha, que obrigou Danilo a fazer excelente defesa, salvando o que seria o primeiro gol celeste na partida. A Chapecoense apareceu apenas aos seis minutos, quando Kempes, da entrada da área, bateu no cantinho do gol defendido por Rafael, obrigando o goleiro celeste a espalmar.

Aos 12, Ábila recebeu lançamento na área, mas o camisa 50 não dominou e Danilo apareceu para ficar com a bola. Dez minutos depois, Rafael Sóbis apareceu muito bem para pegar sobra de bola e mandar para o gol. No entanto, Gimenez estava no meio do caminho e desviou para escanteio. Aos 41, Robinho cobrou falta da intermediária, mas a bola passou por todos na área e saiu pela linha de fundo.

Danilo pega pênalti, Ábila acerta a trave e equipes passam em branco

A segunda etapa começou lenta, sem maiores oportunidades de gols. No entanto, aos oito minutos, Cléber Santana errou na saída de bola e colocou o goleiro Danilo na fogueira, que dividiu a redonda com o atacante Ábila, que sofreu o pênalti. O próprio camisa 50 efetuou a cobrança, para a defesa do arqueiro da Chape, garantindo o zero no placar.

A Chapecoense não atacava, mas chegava muito bem pela esquerda com Dener, que por muitas vezes, fez cruzamentos venenosos na área celeste. Aos 26 minutos, o Cruzeiro acertou a trave novamente. Desta vez com Ábila. Não era dia do argentino, que dominou a bola na área e bateu no contrapé de Danilo, acertando o poste direito.

Mano Menezes queria o resultado positivo. Apostou na velocidade. Mas a Chapecoense não estava entregue. Aos 45 minutos, Edimar errou passe no meio de campo, servindo contra-ataque para Gil, que avançou, invadiu a área, e mandou à direita do gol de Rafael. Mas a última chance da partida foi desperdiçada pelo Cruzeiro, quando Alisson pegou sobra na área, girou e bateu, mandando rente à trave de Danilo.