À espera de Arrascaeta, Mano fecha treino e esconde Cruzeiro que irá enfrentar o Sport

Treinador celeste não irá contar com o meia Alisson, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, e provavelmente não terá Robinho, que se recupera de lesão no adutor da coxa esquerda

À espera de Arrascaeta, Mano fecha treino e esconde Cruzeiro que irá enfrentar o Sport
Cruzeiro fará último treino antes do embarque para o Recife na tarde desta terça-feira (15) (Foto: Pedro Vilela/Light Press)

A segunda-feira (14) do Cruzeiro foi marcada por muito mistério na Toca da Raposa II. O técnico Mano Menezes liberou a entrada da imprensa por apenas 20 minutos, tempo exato de aquecimento dos atletas. A parte tática, que define o time que enfrentará o Sport, na quarta-feira (16), às 21h45, na Ilha do Retiro, no Recife, pelo Campeonato Brasileiro, ficou sob sigilo.

O certo é que Mano não vai contar com o meia Alisson, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Robinho poderá engrossar a lista de desfalques. O camisa 19, que se recupera de lesão no músculo adutor da coxa esquerda, fez atividades específicas acompanhado por fisioterapeutas em um dos campos anexos da Toca II. Já o lateral-esquerdo Edimar, se recuperou de desgaste muscular e treinou normalmente, assim como o goleiro Elisson, curado de uma virose.

Leia maisJogadores do Cruzeiro valorizam "descanso" e almejam terminar 2016 com série de vitórias

A dúvida maior ficará por conta de Arrascaeta. O uruguaio, que defende seu país nas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018, entrará em campo nesta terça-feira (15), às 21h30 (de Brasília), no Estádio Nacional de Santiago, diante do Chile. A expectativa é que o camisa 10 desembarque em Recife às 16h de quarta, quando será reavaliado pela comissão técnica celeste. O jovem Alex ficará de prontidão para jogar, caso Arrascaeta apresente desgaste físico.

O mistério adotado por Mano tem justificativa: é um confronto direto. O Cruzeiro, atual 13º colocado, possui 44 pontos, um a mais que o Sport, que aparece na 14ª posição. A Raposa precisa apenas de um empate para assegurar sua permanência na elite do futebol nacional. As equipes se enfrentaram em 38 oportunidades, com 18 vitórias da equipe celeste, 11 empates e nove vitórias dos pernambucanos. Os mineiros marcaram 51 gols e sofreram 26.